Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

COP26: O bom início do compromisso de reduzir desmatamento e metano

Ambientalistas consideram um bom começo a redução do desmatamento e de emissões de metano, mas observam que fica uma aceitação da continuidade do desmatamento pelos próximos dez anos.

Mais de 80 países se juntam aos EUA e à UE na promessa de reduzir as emissões de metano em pelo menos 30%, nesta década, e outros 100 que se comprometeram com a redução do desmatamento. Apesar disso, ambientalistas de todo o mundo expressaram sua desconfiança, preferindo não criar grandes expectativas diante da experiência das últimas COP, além da compreensão de que o desmatamento vai continuar por mais uma década. A expressão que se repetiu foi: “É um bom começo”.

A redução das emissões de metano, anunciada nesta terça (2), é considerada um dos compromissos climáticos mais significativos até agora na COP26. A iniciativa, que os especialistas dizem que pode ter um poderoso efeito de curto prazo sobre o aquecimento global, ocorreu após outro anúncio nesta terça, em que mais de 100 nações concordaram em acabar com o desmatamento até 2030.

“Uma das coisas mais importantes que podemos fazer entre agora e 2030, para manter 1,5ºC ao alcance, é reduzir nossas emissões de metano o mais rápido possível”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, referindo-se à meta central do Acordo de Paris de 2015.

Ele chamou a promessa, que até agora foi assinada por mais de 80 nações, um “compromisso para mudar o jogo” que abrange os países responsáveis ​​por cerca de metade das emissões globais de metano.

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que mais de 80 países assinaram o corte de metano, que iria “desacelerar imediatamente a mudança climática”. Ela disse que cerca de 30 por cento do aquecimento global desde a Revolução Industrial é devido ao metano.

“Hoje as emissões globais de metano crescem mais rápido do que em qualquer momento no passado”, disse ela acrescentando que reduzir o metano é uma das maneiras mais eficazes de reduzir o aquecimento a curto prazo e manter viva a meta de Paris de 1,5 grau Celsius de aquecimento.

Meta crítica e essencial

Reduzir os níveis de metano era uma meta “crítica” na luta contra as mudanças climáticas e que o nível de emissões de metano “precisa ser reduzida radicalmente”.

O metano é 84 vezes mais poderoso como um gás de efeito estufa do que o CO2, e sua capacidade de reter o calor é muito maior no manto de gases do efeito estufa que nos rodeia.

A Organização das Nações Unidas disse no mês passado que as emissões globais de metano poderiam ser reduzidas em 20 por cento com pouco ou nenhum custo usando as práticas ou tecnologias existentes.

Um relatório do início deste ano mostrou que “medidas direcionadas de metano disponíveis” poderiam reduzir os níveis de CH4 em 45% até 2030.

Isso reduziria 0,3ºC do aquecimento projetado, economizaria um quarto de milhão de mortes por poluição do ar e aumentaria a safra global em 26 milhões de toneladas, disse o Programa Ambiental da ONU.

“Cortar as emissões de metano é essencial para evitar que o aquecimento global ultrapasse 1,5ºC”, disse Helen Mountford, do World Resources Institute.

“Uma ação forte e rápida para reduzir as emissões de metano oferece uma gama de benefícios, desde a limitação do aquecimento a curto prazo e redução da poluição do ar até a melhoria da segurança alimentar e melhor saúde pública.”

Ceticismo de promessa velha

No início da terça-feira, os países também fizeram uma promessa de vários bilhões de dólares para acabar com o desmatamento até 2030.

Mas a promessa foi recebida com ceticismo de grupos ambientalistas e, embora os detalhes fossem esparsos, parecia em grande parte se assemelhar a uma promessa semelhante feita por mais de 200 países e organizações em 2014.

O governo britânico disse que o plano para angariar cerca de US$ 20 bilhões em financiamento público e privado foi endossado por pelo menos 100 líderes que representam mais de 85% das florestas da Terra, incluindo a floresta amazônica.

A declaração conjunta foi apoiada por líderes de países como Brasil, Rússia, Indonésia e República Democrática do Congo, que coletivamente respondem por 85 por cento das florestas do mundo.

A Declaração dos Líderes de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra cobrirá florestas totalizando mais de 33 milhões de quilômetros quadrados, de acordo com uma declaração do gabinete do primeiro-ministro britânico em nome dos líderes.

Boris Johnson foi superlativo, considerando o acordo sem precedentes. “Teremos a chance de encerrar a longa história da humanidade como conquistador da natureza e, em vez disso, nos tornarmos sua guardiã”, disse.

Uma série de iniciativas governamentais e privadas adicionais foram lançadas na terça-feira para ajudar a alcançar essa meta, incluindo bilhões em promessas para os guardiões indígenas da floresta e da agricultura sustentável.

As florestas absorvem cerca de 30% das emissões de dióxido de carbono, de acordo com a organização sem fins lucrativos World Resources Institute (WRI). As florestas tiram as emissões da atmosfera e evitam que aqueçam o clima.

No entanto, essa proteção climática natural está desaparecendo rapidamente. O mundo perdeu 258.000 quilômetros quadrados de floresta em 2020, de acordo com a iniciativa de rastreamento de desmatamento do WRI, Global Forest Watch, o que representa uma área maior do que a do Reino Unido.

Envolvimento de povos originários

Michelle Passero, diretora do programa de mudança climática da The Nature Conservancy na Califórnia, classificou o acordo como um “excelente começo”.

“Precisamos de promessas como essa para dar início à COP26”, disse ela. Ela também defendeu o envolvimento das comunidades tradicionais e originárias na defesa desses territórios.

O acordo de segunda-feira expande amplamente um compromisso semelhante feito por 40 países como parte da Declaração de Nova York sobre Florestas de 2014 e vai mais longe do que nunca ao definir os recursos para atingir essa meta.

O presidente Joko Widodo, da rica Indonésia, disse que as florestas tropicais, manguezais, mares e turfeiras de seu próprio arquipélago são essenciais para restringir as desastrosas mudanças climáticas.

“Estamos empenhados em proteger esses sumidouros de carbono críticos e nosso capital natural para as gerações futuras”, disse ele.

Sob o acordo, 12 países, incluindo o Reino Unido, se comprometeram a fornecer 8,75 bilhões de libras (US$ 12 bilhões) de financiamento público entre 2021 e 2025 para ajudar os países em desenvolvimento, incluindo esforços para restaurar terras degradadas e combater incêndios florestais.

Pelo menos mais 5,3 bilhões de libras (US$ 7,2 bilhões) seriam fornecidos por mais de 30 investidores do setor privado, incluindo Aviva, Schroders e AXA.

Os investidores, que representam US$ 8,7 trilhões em ativos sob gestão, também se comprometeram a parar de investir em atividades ligadas ao desmatamento até 2025.

Cinco países, incluindo o Reino Unido e os EUA, e um grupo de instituições de caridade globais na terça-feira também se comprometeram a fornecer US$ 1,7 bilhão em financiamento para apoiar a conservação das florestas pelos povos indígenas e fortalecer seus direitos à terra.

Ambientalistas dizem que as comunidades indígenas são as melhores protetoras da floresta, muitas vezes contra a invasão violenta de madeireiros e grileiros.

Mais de 30 instituições financeiras com mais de US$ 8,7 trilhões em ativos sob gestão também disseram que farão “melhores esforços” para eliminar o desmatamento relacionado à produção de gado, óleo de palma, soja e celulose até 2025.

A COP26 visa manter viva a meta de limitar o aquecimento global a 1.5C (2.7F) acima dos níveis pré-industriais – um nível necessário para prevenir os efeitos mais catastróficos do aquecimento global.

“Nossa biosfera está realmente ajudando a nos salvar por enquanto, mas não há garantia de que esses processos continuarão”, disse Oliver Phillips, ecologista da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

O Greenpeace criticou a iniciativa de Glasgow por efetivamente dar luz verde a “mais uma década de desmatamento”.


por Cézar Xavier | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -