Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 28, 2021

As aglomerações e as consequências de perder o medo da pandemia

O que acontece quando perdemos o medo? Pessoas sem essa parte do cérebro mostram o risco que corremos com o retorno das aglomerações em meio à pandemia.

por Francisco Jose Esteban Ruiz, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O estado de alarme acabou de terminar na Espanha. A situação melhora à medida que, aos poucos, vamos vencendo a batalha contra o coronavírus. Mas o custo tem sido muito alto, principalmente na vida, nas relações sociais e na economia, tanto pessoal quanto em larga escala. As batalhas, mesmo quando vencidas, têm consequências profundas.

Agora, uma nova janela de esperança se abre para os espanhóis. Na ânsia de respirar ar puro, a cessação das severas limitações impostas pela pandemia nos dá a alegria de poder compartilhar bons momentos com nossos entes queridos, sem restrições de espaço e tempo. E, por fim, curtir a serra e a praia para quem nos pegou de longe. Mas nosso bom senso nos diz para não baixar a guarda. Podemos estar vencendo uma batalha, mas a guerra continua.

 

Com as aglomerações perdemos nosso senso

Se saímos da quarentena para festejar sem mais, menosprezar o inimigo, sem ser prudentes e estar alertas, estamos sendo, no mínimo, tolos. Você não pode vencer a guerra desprezando este adversário cruel.

Não devemos permanecer nisso apenas protegendo as populações em risco, outras são invulneráveis. Além disso, desta forma, também vamos promover restrições socioeconômicas que terão graves repercussões sobre nós, que agora as causam. Nossa coragem deve ser mostrada como uma compensação ao medo, em um equilíbrio que não nos faça perder o cérebro.

No início da pandemia, o medo, mais do que justificado, apoderou-se de nós. O medo é uma reação básica que nos alerta e nos protege. Embora existam distúrbios bem conhecidos associados ao medo (de voar, cobras e até de nós mesmos! Para citar alguns), o medo da pandemia não é uma dessas fobias que geram principalmente ansiedade e evitação. Embora seja claro que a depressão e a ansiedade, junto com o medo de uma ameaça presente, foram danos colaterais do coronavírus.

 

Neurobiologia do medo

Definir o medo, essa emoção complexa , é tudo menos simples. Do ponto de vista neurobiológico, poderíamos dizer que é uma emoção antecipatória que se desencadeia, por meio de estímulos externos ou internos, quando percebemos uma situação que põe em risco a nossa segurança. Ou a segurança do que é importante para nós.

Uma estrutura cerebral em forma de amêndoa chamada amígdala parece desempenhar um papel fundamental no controle do medo. Sabemos disso porque, quando está danificada, a inteligência, a memória, a linguagem e a percepção não são afetadas. Mas o condicionamento do medo, o reconhecimento do medo nas expressões faciais e no comportamento social mediado por emoções associadas ao medo são seriamente alterados.

Além disso, existe uma doença congênita rara, chamada doença de Urbach-Wiethe, que causa danos significativos à amígdala para que aqueles que a sofrem não sintam medo.

 

O “João sem medo”

E agora nos perguntamos: o que acontece quando perdemos nosso medo? Bem, nós arriscamos. E tentamos nossa sorte, não importa o quão preparados pensemos que estamos. Um exemplo é o caso de Álex Honnold, o “homem sem medo”.

Álex é um alpinista de grandes paredões, paredões rochosos de quase mil metros. Destemido, como muitos outros escaladores. O que o torna diferente e especial é que ele escala no modo denominado “solo livre”, ou seja, sem utilizar nenhuma corda ou equipamento de proteção que o impeça de atingir o solo em caso de uma possível queda. Não deixe de assistir ao documentário vencedor do Oscar ”solo livre“. Isso deixa o cabelo em pé.

Se Álex é capaz dessas façanhas, é porque seu circuito cerebral está alterado, conforme revelado por um estudo baseado em imagens de ressonância magnética funcional de seu cérebro. Embora sua amígdala esteja no lugar certo e no formato certo, ela não é ativada quando Alex vê imagens que fazem com que a amígdala de um alpinista seja ativada, digamos normal.

De seu caso, segue-se que, à medida que perdemos nosso medo, da pandemia ou o que quer que seja, estamos perdendo a cabeça, e nunca melhor dizendo.

Alex Honnold escalando no Parque Yosemite (Estados Unidos). Wikimedia Commons / Et3115009 , CC BY-SA

Muita empatia

A falta de amígdala pode levar a comportamentos muito curiosos, como é o caso interessante da mulher hiperempática. A amígdala está em uma área do cérebro chamada lobo temporal. E uma das formas mais comuns de epilepsia é a epilepsia do lobo temporal.

Essa mulher, que sofria de graves convulsões epilépticas, teve sua amígdala removida (por não responder a nenhum tipo de medicamento). Como consequência, além do desaparecimento das crises epilépticas, ela inesperadamente desenvolveu um comportamento empático muito maior do que o normal, que manteve por anos. Enquanto o resto de suas faculdades mentais eram das mais normais.

O mais fascinante é que essa mulher, além de ser muito empática emocionalmente, também era cognitivamente empática. Em outras palavras, ela tinha a capacidade de deduzir os estados mentais de outras pessoas, como suas crenças e intenções, apenas olhando em seus olhos.

No entanto, devemos ter em mente que há casos em que a hiperempatia se torna um transtorno de personalidade com graves implicações psicológicas. E não só pelo excesso e pelo desgaste do sofrimento alheio, mas também porque pode levar a compreender e justificar os maus-tratos ao seu parceiro e por que existem mulheres que amam psicopatas.

Concluindo, e tal e qual comentamos no início, não devemos baixar a guarda nem perder o medo da pandemia, pois o medo nos mantém alertas e nos defende e aos outros. Vamos aproveitar o fim do estado de alarme, podendo transformar as centelhas do medo em prudência e bom trabalho.

Lembremo-nos da frase atribuída a Alexandre, o Grande:

O destino de todos depende da realização de cada um.


por Francisco Jose Esteban Ruiz, Professor associado de Biologia Celular, Universidade de Jaén   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -