Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 9, 2021

As delícias da paixão

Dizem que quem nunca viveu uma paixão, nunca viveu. Ou várias. Mas que paixão mesmo, dizem que só há uma. Amores, podemos ter muitos, e todos eles calmos e serenos, como costumam ser os amores. Mas paixão é diferente. É avassaladora e arrebatadora. Apaixonados, tudo é o sol, a lua, as estrelas. É-se capaz até de levantar o mundo. Mundo? Mas que mundo? Só tem importância o que estamos vivendo, ou seja, nós mesmos e o outro por quem estamos perdidamente apaixonados. São 24h a pensar no outro, não há tempo para mais nada. E se a paixão for correspondida e vivida a dois, então é a felicidade absoluta. Quando o telefone toca, o coração dispara, e meio atordoado, atende-se, fingindo naturalidade, enquanto mal se recompõe de tanta emoção. Será que viver em pleno é isto? É que além de tudo, a paixão nos traz um desassossego fascinante, ao mesmo tempo que uma paz mágica. Alguns passam pela vida sem saberem o que é viver uma paixão. Pobre de quem não a viveu. Quem vive uma paixão, vive a alegria, o júbilo, a festa. A paixão marca o corpo e marca a alma. De uma forma indelével e para sempre. E dá vontade de apregoar aos quatro ventos que se está feliz. Mas a quem contar que se está feliz? Se for para contar que se está a sofrer, todos querem saber e ouvir. Como se o sofrimento unisse as pessoas, ou elas só gostassem de saber de infelicidade. Difícil é encontrar alguém que fique do nosso lado na hora da felicidade. Com o padecimento e as atribulações, parece que todos sabem lidar e se dar bem, o que, aqui entre nós, é um paradoxo. Mas as alegrias e os acontecimentos felizes deviam era ser revelados e compartilhados. Se tiver um amigo a quem poder contar que está feliz, fique sabendo que é uma pessoa de sorte. Ter um amigo assim é ter um verdadeiro amigo, e isso é uma bênção. E ele ficar feliz por saber-nos feliz, então é motivo para ser ainda mais feliz.

Porque afinal, e no fim das contas, viver uma paixão, é a vida, é a vida.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -