Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 17, 2024

As tecnologias existem para beneficiar uma educação mais humana

Francisca Rocha
Francisca Rocha
Professora Francisca é dirigente licenciada de Assuntos Educacionais e Culturais da Apeoesp – Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, de Saúde da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação (CNTE) e de Finanças da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB

A verborragia de Elon Musk, dono do X (ex-Twitter) e outras plataformas de internet, querendo mandar no Brasil, em total desrespeito à soberania nacional, mostra a urgência do país ter leis que regulem o funcionamento das redes sociais, exigindo civilidade, respeito e obediência às leis do país.

Esse episódio tem tudo a ver com o que está acontecendo na educação pública brasileira. E quem, como nós, acredita que a interação humana está no centro de uma educação voltada para um futuro onde predomine a inteligência, o respeito a todas as pessoas e a diversidade humana, se posiciona contra a chamada plataformização da educação, que ocorre em muitos estados.

Ninguém é contra a utilização das novas tecnologias na educação, mas essa utilização deve ser bem feita com ampla preparação dos profissionais e com os equipamentos necessários para funcionar bem. A tecnologia deve ser um meio para melhorar a interação humana e ajudar as professoras e os professores no seu trabalho. A tecnologia deve ser um meio e não o fim do processo educacional, assim como em tudo na vida, além de proporcionar o acesso ao conhecimento a todas as pessoas e combater as desigualdades.

Entendendo que a tecnologia deve ser usada em benefício de todas as pessoas. Fala-se muito atualmente sobre o uso da inteligência artificial, o que pode ser profundamente prejudicial ao processo de ensinar e aprender. Nada supera o cérebro humano e nada pode substituir o sentimento de humanidade nas interações educativas.

A pandemia nos mostrou claramente que as máquinas não substituem a interação humana, o olho no olho, o debate, o olhar com afeto sobre todas as questões. Fica claro a necessidade de uma educação baseada no diálogo, na democracia. Por isso, gestão democrática em todo o país é essencial para a educação ter a qualidade social e um melhor ambiente de trabalho.

Ao contrário do que acontece com a plataformização, feita de cima para baixo, sem o menor preparo de quem vai trabalhar com isso e em total desrespeito à inteligência e à diversidade. As plataformas digitais se mostram inoperantes, com conteúdo raso, totalmente adversa ao desenvolvimento do conhecimento e do pensamento crítico.

Reafirmamos a importância de se usar as tecnologias em benefício do desenvolvimento humano no processo educacional, respeitando-se todos os setores envolvidos e democraticamente buscar soluções capazes de melhorar a vida de todas e todos.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Uma Aventura | Na Caixa

Manuel de Azevedo

Auto-retrato, Pablo Picasso

Mentores espirituais

- Publicidade -