Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Dezembro 6, 2021

Atrasos na vacinação têm um alto custo econômico

Um mês de antecedência ou atraso na vacinação da população que permita o retorno à normalidade econômica supõe enormes somas de dinheiro. Infelizmente, a Europa está cerca de cinco semanas atrasada em vacinação em comparação com os EUA.

Vivemos tempos inéditos em nossa memória, nos quais o progresso da economia e a evolução da pandemia são, sem dúvida, interdependentes.

Desde o início de 2021, com algumas vacinas já aprovadas e outras em fase de finalização dos ensaios clínicos, todos os organismos que publicam previsões econômicas associam a marcha da (macro) economia à evolução da vacinação. Assim, o Fundo Monetário Internacional intitulou seu World Economic Outlook para janeiro de 2021 “Apoio de políticas e vacinas esperadas para elevar a atividade”.

O custo macroeconômico da covid para a Espanha em 2020 poderia representar até 200 bilhões de dólares (G. Lopez-Valcarcel e Vallejo, 2021) em perdas do PIB, comparando os números reais com o mundo contrafactual sem uma pandemia em que teríamos crescido 1,6 % do PIB.

Os custos diretos e não sanitários da covid (prevenção, tratamento da doença e suas consequências a longo prazo, etc.) representam apenas uma pequena parte do total. Nosso estudo de custo-efetividade conclui que as estratégias de prevenção baseadas em testes, triagem e isolamento são dominantes. Por cada euro gasto, são recuperados 7 euros. Embora não tenha sido realizado um estudo semelhante para a Espanha sobre a prevenção por meio de vacinas, é evidente que estas são muito eficazes em termos de custos, dada a enorme quantidade de perdas econômicas que evitam.

A cada mês que se antecipa o retorno à normalidade da atividade econômica com a imunização, serão evitadas perdas de bilhões de euros. Aqui estão alguns dados para dar uma ideia do efeito de escala: em 2020, os gastos públicos com ERTES (incluindo benefícios, isenções, ajuda para trabalhadores autônomos e licenças por doença pela covid ou quarentenas) quadruplicaram os gastos diretos com saúde covid em 2020 (dados do AIREF e declarações do Ministro Escrivá).

O investimento em vacinas covid também é inédito, dada sua magnitude. A pesquisa de vacinas contra o vírus da aids somou 15,3 bilhões de dólares em 20 anos, especificamente entre 2000 e 2019. Somente os Estados Unidos gastaram, em 2020, 10 bilhões de dólares em P&D para a vacina covid. E o gasto global projetado é de US$ 39,5 bilhões (Harris, 2021).

Portanto, um mês de antecedência ou atraso na vacinação da população que permita o retorno à normalidade econômica supõe enormes somas de dinheiro. Infelizmente, a Europa está cerca de cinco semanas atrasada em vacinação em comparação com os EUA.

 

Um atraso que é caro

A estratégia europeia de partilha de riscos com empresas farmacêuticas que pesquisam vacinas promissoras é, do ponto de vista da análise econômica, eficiente. Na verdade, é o que os outros países ricos do mundo seguiram. No entanto, a União Europeia está atrasada nas taxas de vacinação em comparação com os Estados Unidos, Reino Unido ou Israel.

Esse atraso caro deve-se a várias causas. Tem sido uma estratégia bem pensada, mas mal executada, devido a atrasos nas decisões e negociações com as empresas. Até meados de junho, quando os EUA já haviam comprometido 10 bilhões de dólares, a Europa não anunciou a compra conjunta de 3,2 bilhões de euros. O primeiro acordo foi com a AstraZéneca (AZN) em agosto, também meses depois dos EUA.

Já a Agência Europeia de Medicamentos também autorizou as primeiras vacinas, da Pfizer e Moderna, com algum atraso em relação ao FDA. Por outro lado, a extrema aversão ao risco da CE adiantou a sua aposta contra as mais inovadoras, baseadas em RNA mensageiro (Pfizer, Moderna, Curevax), apostando em AZN, Sanofi e GSK (as duas últimas não foram aprovadas).

A negociação tem sido muito focada no preço, garantindo os gastos do contribuinte e não tanto nos termos e condições do fornecimento. Mas o mercado prevalece, e as empresas acabam fornecendo os primeiros países a autorizar e os que mais pagam (E Castellón e G Lopez-Valcarcel, 2021).

 

Crise de confiança

Soma-se a esse problema a crise de confiança em relação à vacina AZN, que terá um custo econômico direto muito alto, devido ao atraso no término da vacinação da população e no retorno à atividade econômica livre de restrições. Mas também indireto, em termos de saúde perdida e mortes. Não vamos esquecer que 20.000 europeus morrem de covid-19 todas as semanas.

Paradoxalmente, para evitar um pequeno risco, a Europa incorreu em um maior em termos de mortes e custo social, como The Economist disse este mês.

 

Três lições

Da experiência com as vacinas covid nos últimos meses, podemos tirar três lições para a Europa (e Espanha):

  1. Em um mundo global, as regras do jogo mudam. O nacionalismo vacinal não protege a humanidade, nem protege os países ricos, por isso, no final das contas, interessa à solidariedade (pagam-se os 8 bilhões de dólares que a aliança Covax precisa este ano).
  2. Ao lidar com tubarões, é preferível ter negociadores experientes da mesma espécie.
  3. A comunicação traz um valor enorme (e uma comunicação ruim, um custo enorme). As vicissitudes do AZN vão nos custar muito.

por Beatriz González López-Valcárcel, Professora de Métodos Quantitativos em Economia e Gestão, Universidade de Las Palmas de Gran Canaria  |  Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

>


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -