Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Relatório da OMS sobre as origens da covid-19 e o que vem a seguir

Em vez de culpar os governos, precisamos promover a cooperação e a confiança entre os investigadores, entre os países e dentro deles. Isso não só nos ajuda durante esta pandemia; é a chave para gerenciar futuras pandemias.

por Dominic Dwyer, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O relatório da OMS sobre a origem do coronavírus foi divulgado.

Aqui está o que acontece a seguir, diz o médico australiano que foi para a China:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou durante a noite de 30 de março seu relatório sobre as origens do coronavírus, um relatório para o qual contribuí como membro da recente missão a Wuhan, China.

relatório descreve nossas descobertas agora bem divulgadas: o SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, provavelmente surgiu em morcegos e se espalhou para humanos por meio de um animal intermediário ainda não identificado. As evidências que temos até agora indicam que o vírus possivelmente estava circulando na China em meados de novembro de 2019. Consideramos a fuga viral de um laboratório extremamente improvável.

No entanto, a divulgação do relatório levou governos, incluindo os dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália, a compartilhar suas preocupações sobre se os investigadores tiveram acesso a todos os dados. A declaração conjunta também pediu maior transparência na investigação de pandemias, agora e no futuro.

 

Então, o que acontece a seguir?

Nosso relatório também recomendou quais pesquisas são necessárias para um quadro mais completo das origens do coronavírus.

O foco principal desta próxima etapa das investigações é observar o que aconteceu antes que as pessoas percebessem que havia um problema clínico em dezembro de 2019, não apenas na China, mas em outros países com casos iniciais, como Itália e Irã. Isso nos daria uma imagem mais completa de se o SARS-CoV-2 estava circulando antes de dezembro de 2019.

Por exemplo, se nos concentrarmos apenas na China por enquanto, sabemos que havia doenças respiratórias semelhantes à influenza em Wuhan no final de 2019. Na verdade, analisamos os dados de mais de 76.000 casos para o relatório da OMS, para ver se eles poderiam ter foi o que agora chamamos de covid-19. Mas o trabalho já está em andamento para reanalisar esses dados usando técnicas diferentes, para ver se perdemos algum caso anterior.

Também estão em andamento negociações para verificar se as doações de sangue na China em 2019 podem ser analisadas para verificar se contêm anticorpos contra o SARS-CoV-2. Isso nos diria se as pessoas que doaram essas amostras foram infectadas pelo vírus. Esse tipo de investigação leva tempo.

Depois, há o que podemos aprender com a epidemiologia molecular (a composição genética do vírus e sua disseminação). Por exemplo, se encontrarmos muitas variações na sequência genética das primeiras amostras de SARS-CoV-2, isso nos diz que já houve transmissão há algum tempo. Isso porque o vírus não sofre mutação, a menos que infecte e transmita. Podemos usar a modelagem para dizer o que pode ter acontecido até três ou mais semanas antes.

Embora o relatório da OMS tenha examinado o papel dos mercados na China na disseminação da SARS-CoV-2, precisamos reanalisar os dados e olhar mais longe

Também precisamos vincular esses dados de epidemiologia molecular a dados clínicos reais. Até agora, esses dados eram em grande parte separados, com os dados moleculares mantidos em laboratórios de pesquisa ou universitários e os dados dos pacientes mantidos em outro lugar. Precisamos fazer essas conexões para nos dizer quais infecções estavam relacionadas e até que ponto elas datam no tempo.

Existem também muitas amostras biológicas em laboratórios ao redor do mundo que precisamos analisar, e não apenas em Wuhan. Portanto, temos que fazer um pouco de trabalho de detetive para localizá-los e analisá-los para entender o padrão da doença e ajudar a identificar a origem. Não existe um banco de dados central de amostras e quais anticorpos ou material genético elas podem conter.

Consideramos extremamente improvável que o vírus tenha escapado de um laboratório. Mas laboratórios de todo o mundo mantêm amostras que ainda não foram analisadas e podem nos dar pistas

Por exemplo, há doações de sangue positivo para SARS-CoV-2 nos Estados Unidos e na França, e casos na Itália, e há teste de esgoto na Espanha. Esses são locais com surtos precoces de doenças respiratórias que podem nos ajudar a descobrir se o SARS-CoV-2 estava circulando antes do que pensávamos.

Também precisamos de mais estudos sobre o papel dos alimentos congelados na transmissão do vírus. Embora considerássemos a “cadeia de frio” uma possível via de transmissão, ainda não sabemos quão grande foi esse fator, se é que foi.

Finalmente, há uma amostragem contínua de animais e do ambiente em busca de sinais de SARS-CoV-2 ou vírus relacionados. Podemos encontrar o vírus original (aquele que acabou se transformando em SARS-CoV-2) em um morcego em uma caverna em algum lugar? Onde nós olhamos? Em morcegos em todo o Sudeste Asiático, Ásia Central, na Europa? Precisamos olhar para o alcance desses morcegos e onde eles vivem. Esses tipos de investigações podem levar séculos.

Podemos encontrar o vírus em um animal intermediário e, em caso afirmativo, que tipo de animal e onde? Novamente, esses estudos são difíceis de configurar.

 

Cooperação necessária

A chave aqui é continuar tentando trabalhar juntos e evitar a politização excessiva de todo o exercício.

Em vez de culpar os governos, precisamos promover a cooperação e a confiança entre os investigadores, entre os países e dentro deles. Isso não só nos ajuda durante esta pandemia; é a chave para gerenciar futuras pandemias. Quanto mais cooperativos formos, maior será a probabilidade de obtermos os melhores resultados. Temos que garantir que a política não estrague isso.


por Dominic Dwyer, Diretor de Patologia de Saúde Pública, NSW Health Pathology, Westmead Hospital e Universidade de Sydney |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -