Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Julho 1, 2022

Beethoven, o compositor da igualdade e da fraternidade

José Carlos Ruy, em São Paulo
José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Neste dia 16 completam-se os 250 anos de nascimento de Ludwig van Beethoven. Para comemorar esta data, a autora desse artigo, Jenny Farrell, nos leva a um verdadeiro passeio através do monumento que é a Nona Sinfonia

por Jenny Farrell  | Tradução de José Carlos Ruy

Como poucos outros compositores, Beethoven expressa a vontade de liberdade, o anseio democrático do povo. Sua música é a continuação da Revolução Francesa por meio da arte. A Nona Sinfonia é um hino à utopia humanista da igualdade de toda a humanidade.

Entre 1905 e 1933, a “Nona” foi frequentemente apresentado na Alemanha para grande número de plateias com a participação de coros de trabalhadores, incluindo uma “Celebração da Paz e Liberdade na Véspera de Ano Novo de 1918”. O início deste concerto foi agendado para que, no curso 12, o movimento final começasse com a “Ode à alegria” de Friedrich Schiller. Desde 1933 os nazistas puseram um ponto final nesses shows.

 

A Nona sinfonia de Beethoven

A sinfonia foi composta em 1823, mas Beethoven planejava desde a juventude colocar música na “Ode à Alegria” de Schiller. Este poema, expressando as aspirações da era das revoluções, esteve em seu pensamento durante toda a vida.

Os anos desde a composição de sua oitava sinfonia foram tempos de amarga decepção com os opressores reacionários e com o desenvolvimento político após o Congresso de Viena, mas também de sofrimento pessoal. Foram anos de crescente resistência à reação política e de renascimento dos ideais revolucionários traídos pela classe média alta. A Nona Sinfonia simboliza poderosamente a luta através da noite em busca da luz, do progresso contra a reação, luta à qual Beethoven dedicou toda a sua vida e obra. Frequentemente, é expressa em uma luta entre uma tonalidade menor escura e uma tonalidade maior afirmativa, brilhante. O final da Nona antecipa e celebra a vitória deste ideal: uma sociedade futura, na qual a liberdade, a igualdade, a comunhão universal sejam cumpridas, na qual a Alegria pode reinar.

O primeiro movimento retrata uma grande batalha, resistência heróica contra condições adversas. Beethoven descreveu o estado reacionário de Metternich como o “caos e desespero em que vivemos”. Isso é encenado nos compassos de abertura escuros e o tema 1, em Ré menor, traz a chave do desespero. Um mundo sem alegria. Os motivos de contração e queda brusca dão origem ao tema cada vez mais vigoroso da resistência.

Este enérgico grito de batalha é respondido por um motivo de sopro queixoso. Os acordes de Tutti expressam novas forças reunidas que se extinguem em um gesto descendente e precipitado, quando o “desespero” é trazido de volta à mente. O tema heróico surge com força em si Bemol maior, com uma primeira antecipação da melodia da Alegria. Esta polaridade entre menor e maior representa os dois protagonistas da sinfonia.

O clima ameaçador volta, uma sugestão recorrente de sofrimento, de queda de uma grande altura. Um tutti enérgico insiste na resistência. O motivo da luta rítmica é a força motriz do desenvolvimento. Seu contraste com um motivo suave é característico de Beethoven. Acima do ritmo suavemente latejante dos tímpanos do motivo da luta, cresce o desejo de paz e alegria. No clímax do movimento, o tema heroico ressoa sobre uma ponta de órgão poderoso com ventos fortes e tímpanos rodopiantes. Essa concentração de força, cheia de dor e desafio, anuncia uma grande mudança. Acima do ponto do órgão trovejante, o tema heroico mais uma vez aparece majestosamente em Ré menor, contrastado com um motivo doloroso e fundo. A seção final do movimento evoca imagens amigáveis com a melodia da trompa suave, intensificada por mais sopros.

A luta não foi resolvida. O estado de “desespero” é desafiado, não eliminado. Uma marcha fúnebre solene em Ré menor leva o movimento a um final sombrio, mas termina com um gesto de desafio e crença na vitória com o motivo heroico executado em uníssono.

O segundo movimento abre em Ré menor, mas faz a transição para uma dança alegre em Fá maior. Toda a orquestra toca um tema de dança intensa; os instrumentos de sopro então animam uma alegre melodia em dó maior. A recapitulação aumenta a sensação de tumulto intenso; a coda segue com movimento vivo. Oboés e clarinetes tocam uma melodia alegre, uma reminiscência da música folclórica eslava. Esta poderosa melodia folk, a alegria do povo, entrou no mundo sem alegria do primeiro movimento, com o movimento terminando de maneira brilhante e otimista em Ré maior.

O terceiro movimento contrasta com a participação ativa do segundo movimento na vida, com um maravilhoso movimento adagio, uma visão onírica da desejada felicidade e paz humanas. Os primeiros violinos cantam o tema central comovente, suas variações tornam o movimento cada vez mais fluido. De repente, fanfarras semelhantes a sinais prometem vitória, soando no sonho. A melodia sobe, oferecendo belos vislumbres daquele mundo de paz e alegria almejada.

O culminante movimento final evoca a vida em comunidade, na felicidade e na paz, uma visão utópica. Beethoven fundiu o instrumental e o vocal pela primeira vez na música sinfônica, para expressar esses ideais revolucionários, conquistados através da luta, com a ajuda do canto humano.

No início do movimento final, Beethoven examina o terreno que teve que ser percorrido para alcançar essa utopia, o reino de alegria e liberdade conquistado a duras penas. O grito selvagem e dissonante em Ré menor trovejante, com o qual os grupos de vento começam a seção final fortissimo sobre tímpanos rodopiantes, parece destruir todas as esperanças que o adágio havia levantado. Isso lembra a abertura sombria do primeiro movimento. No entanto, o dó sustenido no baixo empurra o motivo para maior. O tema Scherzo inquieto lembrado ainda não é uma fonte de verdadeira alegria, nem é a melodia onírica do adágio do terceiro movimento. Beethoven prepara o terreno musicalmente fazendo com que as cordas graves representem o herói que gradualmente rejeita os temas principais dos três movimentos anteriores, até que finalmente eles abraçam o tema “Ode à Alegria” e com ele a mensagem da humanidade universal.

O despertar da melodia da Alegria nos sopros é tocado em Ré maior à distância. Beethoven observa: “Ha, é isso, foi encontrada. Alegria”. O baixo recitativo se alegra e pega a melodia para completá-la.

Esta melodia simples assemelha-se a uma melodia folclórica. O movimento alegre agora se move para o espaço anteriormente “sem alegria”, uma melodia de um tipo completamente diferente da turbulenta selvagem do Scherzo: uma melodia folclórica nobre. É uma melodia que expressa a comunidade humana, de pessoas que conseguiram o grande feito, como diz o poema de Schiller, e que são chamadas a transformar o mundo de um estado de desespero em um mundo de paz geral, alegria e liberdade. Beethoven agora canta sua canção para Alegria. Ainda estamos no reino da música sem palavras.

Num movimento orquestral muito vivo, ouvimos a marcha triunfal do tema Alegria. No início, violas e violoncelos assumem a melodia, acompanhados pelas vozes contrapontísticas de contrabaixos e fagotes. Em seguida, o tema Alegria cresce no coro polifônico de instrumentos para a marcha triunfante de toda a orquestra. Uma pausa repentina, vozes de dúvida se afirmam. Um grito de horror ameaça mergulhar tudo no desespero. Agora o cantor barítono, a voz da humanidade entra.

Os instrumentos de sopro tocam o tema. O barítono solo e os baixos do coro chamam “Alegria” um ao outro, com o solista cantando a melodia Alegria com as palavras de Schiller, acompanhadas pelos sons entrelaçados do oboé e clarinete. O fluxo totalmente instrumentado da melodia da alegria aumenta, atingindo o clímax com as palavras: “e o querubim está diante de Deus!” repetido três vezes fortíssimo, revelando reverência pela grandeza do universo. Com uma mudança repentina para si bemol maior, Beethoven traz à luz uma nova imagem: a marcha triunfal de pessoas alegres, cheia com a mensagem de alegria comunitária e um mundo melhor. Do silêncio momentâneo surge uma marcha com a melodia modificada da Alegria, colorida pela flauta, flautim e percussão. A marcha se transforma em uma poderosa tempestade. Mesmo a alegria da comunidade humana só pode ser alcançada através da luta. A paz e a alegria são inseparáveis. Esta vitória foi alcançada. O coro triunfa com a melodia Alegria no esplendor da orquestra completa em Ré maior.

Segue-se a proclamação solene da comunidade humana universal: “Abracei-vos, milhões! Este beijo para todo o mundo! ” Essas palavras são muito realçadas por uma melodia extraordinariamente vívida. Essa comunidade de nações exige uma mudança na ordem social. Beethoven combina com isso sua reverência pelo cosmos, pelo céu estrelado acima. O fortíssimo acorde C maior do compositor em “Mundo” irradia esplendor. O objetivo almejado é apresentado como realizado.

Assim começa a grandiosa e culminante fuga dupla, na qual a amizade dos povos e a alegria da felicidade humana geral são celebradas como uma unidade indissolúvel. As multidões corais conduzidas polifonicamente são acompanhadas por figuras ondulantes das cordas, pelos grupos de metais com trombones e trombetas e pelos gritos entusiasmados de “Alegria! Alegria!” de vozes individuais. O clímax é alcançado no longo a sustentado da palavra “mundo”.

A comunidade humana é enfatizada. Beethoven canta a “asa suave” da paz e da compreensão de todas as pessoas. Ele deixa a ideia de paz brilhar mais uma vez na grande beleza do quarteto de solo. Um epílogo orquestral estrondoso com variações da melodia Alegria conclui esta poderosa sinfonia instrumental-vocal.

Visitando a Síria em 2017, vi uma escola primária multi-denominacional em Homs. Os terroristas suicidas mataram 30 crianças e muitos pais. Aqui, as jovens nos cumprimentaram, cantando comovente em árabe a ‘Ode à alegria’:

“Alle Menschen werden Brüder / Todas as pessoas estão unidas na humanidade comum”.

A União Europeia adotou ‘Ode à Alegria’ como seu hino em 1985.

Suas severas sanções à Síria, tornando mais difíceis os alimentos, combustível e saúde para as pessoas, são medidas que vão contra a mensagem humanista de Beethoven.

 

Sinfonia N° 9 de Beethoven

Reproduzida pela Orquestra Sinfônica de Oslo:


Este artigo apresenta material combinado de vários relatórios arquivados pelo People’s Dispatch.


por Jenny Farrell nasceu na República Democrática Alemãe vive na Irlanda desde 1985; é professora no Galway Mayo Institute of Technology, e leciona literatura irlandesa. Ela é autora de um livro sobre o romantismo revolucionário inglês, e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Escreve para “Culture Matters”, “People’s World” e “Socialist Voice”, jornal do Partido Comunista da Irlanda, e é amiga e colaboradora do Vermelho em Dublin>  |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -