Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Bernie Sanders e a visão do Médio Oriente

Beatriz Lamas Oliveira
Médica Especialista em Saúde Publica e Medicina Tropical. Editora na "Escrivaninha". Autora e ilustradora.

Bernard Sanders é um político americano senador poelo Vermont desde 2007. Anteriormente foi representante dos EUA no distrito congressional do estado de 1991 a 2007. É o mais antigo membro independente de história no congresso dos EUA e é membro do caucus democrata.

Já em Maio de 2019 Bernie Sanders escrevia no tweet:

Eu estava certo nas minhas opiniões sobre o Vietnam.
 Eu estava certo nas minhas opiniões sobre o Iraque
Farei tudo o que estiver ao meu alcance para impedir um conflito com o Irão.

O consultor de Sanders, Matt Duss, explicou ao Jornal Israelita Haaretz, por entrevista telefónica, o que sua política externa “progressista” significa para Israel.

Por exemplo dizer que Bernie Sanders é um”isolacionista” é um “insulto”. Depois tenta mostrar qual é a diferença entre os rivais Benjamin Netanyahu e Benny Gantz para o candidato presidencial democrata americano.

Com sua vitória no New Hampshire na terça-feira e forte exibição no Iowa na semana passada, Bernie Sanders passou a ser o principal candidato na corrida Democrática 2020. E, embora seja provável que ele esteja metido numa batalha feroz da esquerda contra a direita este ano, uma coisa já é totalmente diferente da sua corrida de 2016: a clareza adicional de sua visão de política externa.

Embora muitas das críticas em torno da posição de Sanders sobre Israel permaneçam as mesmas de quatro anos atrás. Quando em 2016 perdeu a corrida para Hillary Clinton, Sanders trabalhou para reforçar as suas ideias em matéria de política externa, que eram um tanto nebulosas. Por isso contratou Matt Duss como conselheiro nessa área.

Matt Duss, 47 anos, que foi descrito pelo The Nation em fevereiro passado como “uma das figuras mais significativas que reformulou a política externa progressista na era Trump”, começou sua carreira política na campanha presidencial de Ralph Nader, em 2000. Ele começou como blogger sobre questões de política externa e tornou-se conhecido nos meios liberais, tornando-se presidente da Fundação para a Paz no Oriente Médio – uma organização de esquerda, sem fins lucrativos que promove a solução de dois estados. Isto antes de ser convidado por Bernie Sanders para se juntar ao seu grupo de concelheiros pessoais.

Juntos, eles lideraram a acusação pela histórica votação do Congresso em abril de 2019, na qual foi usada a Lei de Poderes de Guerra para encerrar o apoio dos EUA à guerra liderada pela Arábia Saudita no Iemen. Quando Trump finalmente vetou a medida, Matt Duss afirmou que a votação foi a conquista mais significativa da política externa do atual Congresso.

Sanders defende que as “guerras sem fim” da América têm de terminar.

Na sua opinião a “guerra de George W. Bush” contra o terror “,  encorajou o terrorismo no Oriente Médio.

Isto não é o mesmo que anuncia Trump quando clama que não quer guerras, mas depois age de forma contrária às inflamadas proclamações publicas.

Sanders opôs-se veementemente à Guerra do Iraque e criticou o ex-vice-presidente Joe Biden pelo seu voto e campanha pela guerra, que Sanders chama de “desastrosa”.

Sanders e Trump diferem em várias áreas-chave.

Sanders reconhece regularmente a necessidade de construir fortes alianças internacionais e o uso de ação militar em circunstâncias específicas.

Reforça que há que manter “manter os padrões internacionais de direitos humanos”.

“Como presidente”, disse Sanders ao programa Pod Save America no verão passado, “reunirei com a liderança da Arábia Saudita, com a liderança do Irão, com a liderança palestiniana, com a liderança de Israel, e tentarei elaborar acordos para resolver todos esses conflitos no Médio Oriente. Tentarei acabar com os conflitos que existem lá. ”

Além disso, enquanto disposto a reunir-se com líderes autoritários para fazer um acordo, Sanders explicou num importante discurso de política externa em outubro de 2018 que, ao contrário de Trump, sua abordagem progressiva visa desfazer o “dano” do direito populista e anti-imigração que varreu o mundo nos últimos anos. Essa visão holística do mundo, diz Duss, também é relevante quando se trata do Oriente Médio.

Sanders pensa que a melhor forma de lutar contra grupos terroristas como o ISIS e a Al-Qaeda só pode ser feito pela luta contra a opressão e a corrupção no Médio Oriente, explica Duss.

Utilizando discursos e entrevistas dadas por Bernie Sanders que geralmente se concentram na defesa dos direitos humanos universais e na melhoria dos padrões de vida, Matt Duss explica mais detalhadamente os pontos de vista do seu candidato: faz notar que Sanders começa regularmente discursos sobre o conflito israeliano-palestiniano mencionando a alta taxa de desemprego em Gaza.

Lembra ainda o desafio que foi o Plano Marshall, que forneceu biliões de dólares de ajuda dos EUA à Europa Ocidental pós-guerra. Mesmo que num momento histórico diferente, o plano serve como um modelo para “a mobilização económica maciça e para os investimentos em inovação tecnológica necessários para enfrentar os desafios globais compartilhados, como as mudanças climáticas.

Não alimentar o ódio, é uma das plataformas de Bernie Sanders que tem a rara distinção de ser o único candidato americano que viveu num kibutz no norte de Israel em 1963.

Sanders, que disse num debate transmitido pela televisão em dezembro de 2019 que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu era um “racista” e colocou Israel ao lado da Rússia, Índia, Brasil e Hungria como países onde “vemos a ascensão de uma forma política e divisionista e destrutiva. “Vemos líderes políticos intolerantes e autoritários que minam os próprios fundamentos das sociedades democráticas ”, escreveu ele em Jewish Currents, em novembro passado.

Falando na conferência da J Street em Washington, em outubro passado, Sanders prometeu usar a ajuda militar dos EUA como alavanca para levar Israel de volta à mesa de negociações com os palestinianos, sugerindo até enviar parte dessa ajuda anual de 3,8 biliões de dólares para Gaza como ajuda humanitária. Outras candidatas presidenciais, como Elizabeth Warren e Pete Buttigieg, também deixaram essa opção em aberto. Matt Duss observa, no entanto, que, se Sanders for presidente, fará todos os esforços para trabalhar com qualquer governo israelita para promover interesses comuns.

Sanders escreveu no Tweet o seguinte que a mim muito agrada e me deixa esperanças: “Nunca fez sentido para mim que um pequeno grupo de pessoas deveria ter uma riqueza e poder incríveis na América, enquanto a maioria das pessoas não tem. É isso que vamos mudar.”

Eu também não suporto a ideia de que de dentro de uma democracia ecloda uma oligarquia.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -