Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 22, 2024

Biden quer reduzir déficit de US$ 3 tri com imposto de 25% sobre mais ricos

Biden também quer aumentar impostos sobre as empresas de petróleo e gás, para melhorar condições do Medicare, das creches, da educação infantil, do preço da insulina e expandir a faculdade gratuita.

O presidente Joe Biden divulgou seu orçamento na quinta-feira, prometendo cortar US$ 3 trilhões do déficit federal na próxima década, em parte, cobrando um imposto mínimo de 25% sobre os americanos mais ricos.

O orçamento de Biden também aumentaria a receita aumentando os impostos sobre as empresas de petróleo e gás, elevando a taxa de imposto corporativo para 28% dos 21% impostos pelo ex-presidente Donald Trump, mas abaixo do imposto de 35% anterior a 2017, e permitiria que o Medicare (o sistema público de saúde) negociasse os preços dos medicamentos.

Com a probabilidade de Biden concorrer à reeleição em 2024, seu orçamento também é uma prévia de sua plataforma como candidato e discurso de campanha no próximo ano. Diante de uma Câmara controlada pelos republicanos, é improvável que muitas das propostas sejam aprovadas em sua forma atual. O presidente submete seu orçamento ao Congresso delineando as prioridades do governo para o próximo ano, mas o Congresso decide onde os fundos serão alocados.

Justiça tributária e especulação financeira

A diretora do Escritório de Administração e Orçamento da Casa Branca, Shalanda Young, disse a repórteres que o governo é capaz de cortar gastos deficitários “pedindo aos ricos e grandes corporações que comecem a pagar sua parte justa e cortando gastos desnecessários com Big Pharma, Big Oil e outros interesses especiais .”

“Ele faz isso em parte reformando nosso código tributário para recompensar o trabalho, não a riqueza, inclusive garantindo que nenhum bilionário pague uma taxa de imposto mais baixa do que um professor ou bombeiro e quadruplicando a taxa de recompra de ações corporativas”, disse Young. “Isso é um contraste muito claro com os republicanos do Congresso.”

Biden também quer criar o imposto sobre recompra de ações, que se baseia em uma medida sancionada no ano passado, reduzindo o tratamento diferenciado no código entre recompras e dividendos. O objetivo é incentivar as empresas a investir em crescimento, em vez de gastar em recompra de ações. Pela proposta orçamentária, o imposto quadruplicaria de 1% para 4%. Uma pesquisa da Data for Progress de fevereiro descobriu que 58% dos americanos apoiam o aumento do imposto de recompra de ações.

O orçamento de Biden para o ano fiscal de 2024 recebe alguma ajuda da desaceleração da pandemia de covid-19, que a Casa Branca observou que precisa de menos ajuda emergencial à medida que o surto entra em uma nova fase graças às vacinações generalizadas. As prioridades de gastos do presidente incluem aumentar o financiamento para educação infantil e cuidados infantis, expandir o limite de US$ 35 nos preços da insulina para todos os americanos e expandir a faculdade comunitária gratuita. Essas propostas fazem parte de seu esforço para dar às famílias americanas “um pouco mais de espaço para respirar”. O ano fiscal de 2024 começa em 1º de outubro e vai até 30 de setembro de 2024.

Programas sociais e armas

Cecilia Rouse, presidente do Conselho de Assessores Econômicos, explicou como o governo acredita que os programas sociais descritos no orçamento da Casa Branca realmente impulsionarão a economia.

“Políticas como licença remunerada e creches trarão mais trabalhadores para a força de trabalho e melhorarão a produtividade”, disse Rouse. “Investimentos em educação infantil, saúde mental e faculdade comunitária não apenas expandem a capacidade produtiva de nossa economia, mas pagam dividendos para as próximas gerações.”

Além dos gastos sociais, o orçamento inclui um robusto financiamento de defesa. Com mais de US$ 835 bilhões, o orçamento de defesa estaria entre os maiores gastos em tempos de paz na história dos Estados Unidos.

Durante semanas, o presidente pediu aos republicanos da Câmara que apresentassem suas próprias propostas orçamentárias, em vez de apenas criticar seu plano. Os republicanos da Câmara prometeram propor um orçamento equilibrado e zombaram quando a Casa Branca apontou as propostas do Partido Republicano para fazer cortes em programas como Previdência Social e Medicare.

Teto da dívida

A Casa Branca, em sua proposta orçamentária, inclui uma seção inteira dedicada a reforçar a Seguridade Social e o Medicare, financiados pelo imposto mínimo de 25% sobre a riqueza de famílias com patrimônio líquido de US$ 100 milhões ou mais. O orçamento proposto estenderia “a solvência do Medicare Trust Fund em pelo menos 25 anos” sem remover benefícios ou aumentar custos. Também fornece um aumento de US$ 1,4 bilhão no financiamento da Previdência Social para melhorar os serviços.

Pairando sobre a liberação do orçamento está o impasse não resolvido sobre a possibilidade de elevar o teto da dívida. A Casa Branca afirmou que não negociará o limite da dívida, argumentando que o Congresso deveria agir para aumentá-lo, como fez várias vezes nas últimas décadas. Os republicanos da Câmara, liderados pelo presidente da Câmara, Kevin McCarthy, tentaram vincular o teto da dívida a gastos futuros, dizendo que não cederão sem promessas de corte de despesas. O teto da dívida, no entanto, diz respeito aos gastos existentes. Até o momento, os republicanos da Câmara têm sido obscuros sobre quais despesas gostariam de ver cortadas.

“Os republicanos do MAGA no Congresso tentaram revogar o Affordable Care Act, a Seguridade Social, o Medicare, o Medicaid – não vamos permitir, pessoal”, disse Biden. “Meu orçamento faz investimentos robustos em defesa militar, vamos ver o que os republicanos do MAGA propõem e vamos deixar claro minha posição: não permitirei cortes nas necessidades da comunidade de inteligência ou militares que ajudam a nos manter seguros.”

A oposição republicana enfrenta um cenário em que Biden tem sido beneficiado pela queda “inexplicável” do desemprego, além da desaceleração do ritmo da inflação. O mercado de trabalho se recupera com mais força, desde que ele assumiu o cargo, do que o próprio governo esperava.

Foram sete meses consecutivos de queda da inflação anual do IPC, em que se previu aumento da taxa de desemprego que não se confirmou, em vez disso, em janeiro foi de 3,4%, ou 0,2 pontos percentuais abaixo do que era.

A saúde da economia americana não aponta para uma recessão, como se imaginava. Com isso, a recuperação ajuda a enfrentar os choques econômicos externos.


por Cezar Xavier | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -