Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Boletim de voto

J. A. Nunes Carneiro, no Porto
Consultor e Formador

Os meus objectos (2)

O boletim de voto é um dos meus objectos preferidos por aquilo que representa e pela sua história.

Se nos recordarmos, durante muitos e muitos anos, foi-nos vedado o direito a uma coisa tão simples como importante: decidir livremente, exprimir uma opinião, fazer uma opção consciente.

Claro que, hoje, esse parece um tempo distante e sem interesse. Penso exactamente o contrário. A liberdade sente-se muito mais se pensarmos na sua ausência. Hoje damos por garantido o direito ao voto. Mas, conseguiremos imaginar o regresso a uma situação em que não pudéssemos votar? Parece difícil e nem sequer queremos pensar muito nessa perspectiva sombria e inquietante.

Sempre que me dirijo à mesa de voto e coloco a cruz no quadrado, estou a fazer um gesto muito simples. Nesse momento, penso sempre em todos os que lutaram para que nós pudéssemos, com liberdade e sem constrangimentos, exercer este direito. A democracia começa aqui embora, obviamente, não se resuma a este acto formal. Mas este é o momento em que tomamos a palavra e podemos decidir.

Votarei sempre, mesmo que seja em branco (como já aconteceu): detesto que sejam os outros a tomar as minhas decisões.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -