Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Borges, o anarquista conservador

João Vasco AlmeidaHá uma entrevista nova a Jorge Luis Borges esta quarta-feira, no El Pais. Fruto de um trabalho de escola de um rapaz que seria depois jornalista, as perguntas e as respostas dão mérito a este texto clarinho, de 1982.

Borges é simples e nunca se armou em camarão. Apesar de dizer frases bombásticas durante a sua vida, sobre o regime e o mundo, percebe-se a sua humildade na última resposta ao entrevistador, quando instado a deixar um conselho aos mais novos. Atira:

Eu não soube orientar a minha vida, não posso dar conselhos aos outros. A minha vida foi uma série de equívocos. Não posso dar conselhos, ando um pouco à deriva. Quando penso no meu passado tenho vergonha. Não deixo mensagens, os políticos deixam mensagens…

Borges declara-se um anarquista conservador, o que é uma belíssima definição. A ética é mais importante que a política e, assegura, através da ética pessoal deixará de haver polícia, religião, governos e, acrescenta-se, capatazes e mesquinhez.

O universal Borges, com um avô nascido em Torre de Moncorvo, não alinhava com os esquerdismos. Para ele, melhor, era o Estado mínimo. Mas ao contrário dos modernaços que dizem isto e param de pensar, Borges exigia a que cada cidadão se comportasse com o maior sentido exemplar de ética. A isto se chama anarquia, a isto Borges compreendeu. O seu lado conservador talvez lhe fosse apenas fácil: justifica muitas vezes que a instituição monárquica não precisa de andar na caça ao voto, o mais repugnante movimento da vida dos agentes da política. Cita-se:

Em primeiro lugar não são homens éticos; são homens que contraíram o hábito de mentir, o hábito de subornar, o hábito de sorrir o tempo todo, o hábito de agradar todo mundo, o hábito da popularidade…  A profissão dos políticos é mentir.  O caso de um rei é diferente, um rei recebe tal destino, e portanto lhe cabe cumpri-lo.  O político não; o político deve fingir o tempo todo, deve sorrir, simular cortesia, deve submeter-se melancolicamente às vernissage, às cerimónias oficiais, aos feriados nacionais.

Jorge Luis Borges
Jorge Luis Borges

A desilusão de Borges é compreensível. O lado pessimista dos seus olhos, que foram ficando cegos, apenas lhe mostrava ou o lado degenerado das democracias musculadas ou os generais empertigados. O individualismo libertário encontra-se mais nos livros do que na sua fala – talvez por isso o seu magistral contributo para o fantástico e para as dezenas de homenagens literárias que, desde Garcia Marquez a Eco, lhe foram fazendo estes companheiros de escrita.

Sem assombro de pecado do “tu de esquerda, eu de direita”. Só talento, como deve.

Isto para dizer o quê? Apenas que há uma nova entrevista com Borges e que os nossos dias, tão cheios de necessidade de tormentosas notícias e alvares “últimas horas” podem ficar mais cheios com umas respostas dadas a um estudante argentino. Como tantos outros, Borges percebeu o mundo e a fealdade das coisas claras. Se uns, como Florbela, Plath ou Camilo decidiram não ver, não ver foi coisa que chegou a Borges sem ele querer. Via no escuro, como dizia. Quem nos dera.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -