Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Agosto 19, 2022

Caetano, Gil e as lágrimas de Luiz Gonzaga

O Rei do Baião teve seu auge de popularidade ao longo das décadas de 40 e 50. Gonzagão entrou nos 1960’s com um tipo de fama mais concentrada no Nordeste e em alguns bairros nordestinos de São Paulo e Rio de Janeiro.

A imprensa, que antes o reverenciava, simplesmente deixou de citá-lo e de entrevistá-lo – por conseguinte, a classe média também se esqueceu do cantador.

Juscelino saiu, surgiu a bossa nova, veio Jânio e Jango, vieram os militares, o Cinema Novo e uma turma da pesada no cenário musical. No meio desses novos artistas, dois deles resolveram dar crédito a uma de suas principais influências. 

Seu nome se inscreve na galeria dos grandes inventores da música popular brasileira, como aquele que, graças a uma imaginativa e inteligente utilização de células rítmicas extraídas do pipocas dos fogos, de moléculas melódicas tiradas da cantoria lúdica ou religiosa do povo caatingueiro, e sobretudo da alquímica associação com o talento poético e musical de alguns nativos nordestinos emigrantes como ele, veio a inventar um gênero musical. Eu, como discípulo e devoto apaixonado do grande mestre do Araripe, associo-me às eternas homenagens que a História continuadamente prestará ao nosso Rei do Baião”.

O outro que reconheceu em Luiz Gonzaga um nome fundamental para a cultura brasileira foi Caetano Veloso. Sua gravação de Asa Branca mereceu um trecho especial do livro A Vida do Viajante, escrito pela francesa Dominique Dreyfus, sobre a vida do Rei do Baião. Segue abaixo uma declaração do próprio Gonzagão à autora: 

Eu ouvi falar que Caetano Veloso estava na Inglaterra e tinha gravado “Asa branca”. […] Um dia, em Fortaleza, estou passando em frente a uma loja de discos e o vendedor me chamou: 

— Oh! Seu Luiz, o senhor já ouviu a “Asa branca” cantada por Caetano Veloso? 
— Não ouvi ainda não. 
— Quer ouvir? 
— Agorinha! — e entrei na loja. Ele me deu a capa enquanto colocava o disco na vitrola. Essa capa com uma fotografia dele com aquele casaco de inverno, expressava tanta tristeza, mas tanta tristeza, que meus olhos se encheram de lágrimas. Quando tocou o disco, aí eu chorei por dentro de mim. Mas quando ele fez aquela gemedeira de cantador sertanejo, aí eu não aguentei, chorei feio! Foi uma das maiores emoções que eu tive na vida. Muita gente achou aquilo de mau gosto. Mas eu que sou autêntico, eu senti que ele teve uma força muito grande em fazer aquela gemedeira em “Asa branca”. Aí subiu muito o conceito que eu já tinha dele. Esses dois baianos moram no meu coração. Porque foi justamente através dos baianos, que quando foram para o RJ participar dos grandes festivais fabulosos, com novas toadas, tiveram a dignidade de dizer nas entrevistas deles que tudo aquilo era Luiz Gonzaga. E isso bateu!


por Fernando Damasceno, Jornalista e historiador | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -