Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 4, 2022

Caixa, Reputados Profissionais e Incompetência

Jorge Fonseca de Almeida
Jorge Fonseca de Almeida
Economista, MBA, Pos-graduado em Estudos Estratégicos e de Segurança, Auditor do curso de Prospectiva, geoeconomia e geoestratégia, Doutorando em Sociologia

mourinho-felix

Esta atitude acrítica e servil da maioria dos meios de comunicação impede o escrutínio desapaixonado e a responsabilização dos políticos e gestores.

Descontente com os resultados da gestão anterior da Caixa Geral de Depósitos resolveu o Governo, e bem, mudar a sua composição.

O Secretário de Estado responsável pelas nomeações, muito orgulhoso do seu trabalho, em vez de as passar antecipada e discretamente pelo crivo do Banco Central Europeu resolveu torna-las públicas.

Naturalmente o Banco Central Europeu reprovou vários nomes propostos pelo Governo e só aceitou outros na condição de que fossem complementar os seus estudos.

A base dos chumbos foi o manifesto incumprimento da Lei portuguesa. O Secretário de Estado Mourinho, um “reputado profissional” muito “respeitado na sua área”, responsável pela trapalhada não se demitiu por tamanha incompetência. Portugal envergonhado por uma entidade supranacional que lhe chama a atenção de que está a violar as suas próprias Leis! Eis uma obra digna de qualquer “reputado profissional”. Muitos não fariam melhor.

Prosseguindo a sua obra, o Secretário, com uma atitude de pura bazófia e da típica atitude de quero, posso e mando, veio dizer que se a Lei não concorda com as suas nomeações então que se vergue a Lei aos seus ditames. Estado de Direito, cumprimento das Leis em vigor, consulta prévia dos partidos que suportam o Governo, tudo isso manda para as ortigas, que se mude a Lei porque Sua Exa. quer.

Mas há mais. Três indivíduos propostos para cargos executivos foram aconselhados a terminar a sua formação técnica. Depois de um conselho destes manda a prudência que sejam substituídos por outros que tenham a formação completa. A Caixa Geral de Depósitos é instituição demasiado importante para ficar nas mãos de estudantes e incompetentes.

Mas que faz o “reputado profissional, muito respeitado na sua área”? Confirma-os nos cargos e apressa-se a dar-lhes posse.

Assim teremos mais três “reputados profissionais” com formação incompleta a gerir o mais importante banco do sistema financeiro português, enquanto prosseguem os seus estudos técnicos no estrangeiro.

sede-cgd

E não se pense que se trata de alguma cadeira insignificante em atraso. Não. A formação que lhes falta é o curso de Gestão Bancária Estratégica! Para além deste curso o responsável nomeado pelo governo para gerir o risco da Caixa deverá também tirar o curso de Risco Financeiro e Regulação.

Ou seja as áreas em que estes “reputados profissionais” precisam complementar a sua formação são exatamente aquelas de que vão ser responsáveis. Melhores “reputados profissionais” não existem em Portugal! Excelente escolha.

Infelizmente o que a Caixa precisa é de gestores que se identifiquem com o interesse público, sejam tecnicamente sólidos e apoiem o desenvolvimento económico e social do país. Do que não precisa é de “reputados profissionais”

Cada regime tem a sua linguagem própria em que uma coisa quer dizer exatamente o seu contrário. No regime fascista “liberdade” queria dizer “ditadura”, no regime actual “reputado profissional” quer dizer “rematado incompetente”.

Quanto a “muito respeitado na sua área” quer dizer isso mesmo: admirado por outros “reputados profissionais”.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -