Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Canção da Partida

“Agora essa notícia: Morreu Sérgio Ricardo.
E eu, ao telefone, desconcertado.”

A morte do cantor e compositor Sérgio Ricardo (1932-2020), no último dia 23 de julho, levou o escritor e poeta Gustavo Felicíssimo a escrever o poema Canção da Partida, que reproduzimos abaixo.

Canção da Partida

Havia Marília. A urbe.
E havia uma janela de trem
e o destino em direção ao exílio.
E havia uma paixão deixada.
Era qual uma cena de cinema?
O trem partindo e alguém correndo,
correndo, correndo pela gare
em direção ao impossível?
Havia uma sina a ser cumprida.
E havia o Rio de Janeiro,
esse Rio que é o mundo inteiro,
onde foram buscar os mesmos sonhos
todos aqueles que eram Mais.

II

E houve Glauber. E houve Alceu.
Houve muito o que fazer.
E houve também o Vidigal.
Houve aquele Beto, aquele Beto
bom de bola que era eu e éramos nós.
Era o Mané. Era o Garrincha.
E houve aquela noite em 1967.

III

Mas são sabia o menino do seu destino
quando com suas malas naquele trem.
Não, não sabia, eu sei. Sabemos!
Mas sentia ele o borbulhar da fera,
o feixe de luz que emanava do seu âmago?

IV

Agora essa notícia: Morreu Sérgio Ricardo.
E eu, ao telefone, desconcertado.
Mas mesmo convulso pensei:
não morre quem na vida faz da arte
[a sua Vida.
Não morre quem ao lado do seu próximo
faz do próximo o seu Irmão de caminhada.

 


por Gustavo Felicíssimo, Escritor e editor da Mondrongo, autor de livros de prosa e poesia, como Carta a Rubem Braga (Crônicas, 2018) e Oratório das Águas (Poesia, 2019)  |   Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV  / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -