Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 26, 2022

Chuvas e enchentes matam 306 pessoas na África do Sul

Governo promete ajudar sobreviventes e admite medidas para combater a mudança climática. Foi a tempestade mais mortal já registrada.

O número de mortos por inundações devastadoras na cidade portuária sul-africana de Durban subiu para 306, disse o governo na quarta-feira, depois que estradas e encostas foram destruídas pelo desabamento de casas. As chuvas mais fortes em 60 anos atingiram também o município de eThekwini em Zulu. A tempestade é descrita como a mais mortal já registrada na África do Sul .

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, prometeu hoje (13) ajudar as vítimas de devastadoras enchentes na costa leste do país, após chuvas pesadas que inundaram estradas e interromperam os fretes em um dos principais portos do continente africano.

Ele visitou as famílias que perderam entes queridos na província de KwaZulu-Natal, incluindo uma família com quatro crianças, após enchentes e deslizamentos destruírem casas na terça-feira.

“As pontes caíram. As estradas desabaram. Pessoas morreram… ​​Esta é uma catástrofe de enormes proporções”, disse ele, dirigindo-se a uma comunidade local depois de inspecionar os danos causados ​​pelas enchentes.

A costa sudeste da África está na linha de frente de sistemas climáticos marítimos que, segundo cientistas, estão ficando mais intensos por conta do aquecimento global, quadro que pode se agravar ainda mais nas próximas décadas. Choveu quase metade de tudo que precipita em um ano na região.

O vizinho do norte da África do Sul, Moçambique, sofreu uma série de inundações devastadoras na última década, incluindo uma no mês passado que matou mais de 50 pessoas

“Vocês não estão sozinhos… Nós iremos fazer tudo que podemos para ver como poderemos ajudar”, disse Ramaphosa. “Embora seus corações estejam sofrendo, estamos aqui para ajudá-los” afirmou.

A tempestade forçou o porto mais importante da África Subsaariana a interromper as operações, pois uma estrada de acesso principal sofreu grandes danos.
Contêineres de transporte foram jogados de um lado para o outro, lavados em montanhas de metal

Mortos

Nonala Ndlovu, chefe do Departamento de Governança Cooperativa de KwaZulu-Natal, disse à agência de notícias Reuters que o número de mortos não havia sido atualizado ontem, além dos 259 que foram reportados durante o dia.

Moçambique, país vizinho ao norte da África do Sul, sofreu uma série de enchentes devastadoras ao longo da última década, incluindo uma no mês passado, que matou mais de 50 pessoas.

“Vocês estão lutando contra um dos maiores incidentes já vistos, e pensamos que isso aconteceria apenas em outros países, como Moçambique ou Zimbábue”, disse Ramaphosa.

As chuvas inundaram as estradas a tal profundidade que apenas os topos dos semáforos se projetavam, parecendo periscópios submarinos. Um caminhão-tanque de combustível flutuou no mar depois de ser arrastado para fora da estrada.

Mudança climática

Um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em fevereiro alertou que a humanidade estava longe de estar pronta, mesmo para as mudanças climáticas que já estão incorporadas ao sistema por décadas de queima de combustíveis fósseis e desmatamento. Instou o mundo a aumentar os investimentos em adaptação.

“Nada disso é surpreendente, mas é absolutamente devastador. Você pode imaginar o custo para a vida das pessoas? As estradas, os portos… É enorme”, disse Melissa Melissa Fourie, comissária
da Comissão Presidencial do Clima de Ramaphosa e chefe do Centro de Direitos Ambientais, à Reuters.

“Na África do Sul, ainda estamos falando sobre a transição dos combustíveis fósseis como se fosse opcional”, acrescentou. “Temos que parar (queimá-los). E temos que começar a nos preparar para as mudanças climáticas que já temos.”

Ramaphosa também mencionou o aquecimento global admitiu a necessidade de medidas governamentais para limitar as mudanças na natureza das chuvas:

“Esse desastre faz parte das mudanças climáticas. Não podemos mais adiar o que precisamos fazer… para lidar com as mudanças climáticas. Está aqui, e nossa capacidade de gerenciamento de desastres precisa estar em um nível mais alto.”

A fabricante sul-africana de papel e celulose Sappi disse na quarta-feira que as inundações impediram a viagem de funcionários para o trabalho e o transporte de mercadorias foi interrompido, afetando três fábricas.

A maior operadora de logística e frete da África do Sul, Transnet, que administra o porto de Durban, retomou gradualmente as operações na quarta-feira depois de suspendê-las na terça-feira, disse o ministério das empresas públicas.

A varejista de roupas de baixo custo Pepkor fechou seu centro de distribuição em Durban depois de sofrer danos.


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -