Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Julho 16, 2024

Cinco razões para a greve na Indústria Automobilística dos EUA

O verão quente do trabalho está se transformando em um outono de trabalho ainda mais quente. O sindicato United Auto Workers (UAW) está atualmente em greve contra as três maiores montadoras dos Estados Unidos.

Ford, General Motors e Stellantis (Chrysler e Jeep) apresentaram suas últimas propostas, incluindo um aumento de 9 ou 10% para a maioria dos trabalhadores, mais tempo pago de folga e benefícios ampliados. O sindicato classificou ambas as ofertas como “insultantes”.

Por que o United Auto Workers está adotando uma postura tão rígida em suas negociações com as três maiores montadoras dos Estados Unidos?

Lucros exorbitantes, salários dos CEOs e exclusão dos sindicalizados

Há cinco grandes razões:

A primeira são os lucros exorbitantes das empresas. As três grandes montadoras lucraram 250 bilhões de dólares na última década, 21 bilhões nos primeiros seis meses de 2023. Isso se deve à alta demanda reprimida por automóveis após a pandemia, juntamente com poupanças do consumidor mais altas do que o normal, resultando em consumidores dispostos a gastar muito dinheiro com carros novos – os preços subiram 30% nos últimos quatro anos sozinhos – enquanto os custos de produção de carros (sendo a maior parte a mão de obra) permaneceram relativamente baixos.

A segunda razão é o salário dos CEOs das três grandes montadoras, que está fora de controle. O CEO da Ford recebeu 21 milhões de dólares no ano passado. O CEO da Stellantis recebeu 24 milhões. Mary Barra, CEO da GM, recebeu incríveis 29 milhões em 2022 (e mais de 200 milhões nos últimos nove anos). No geral, o salário dos CEOs aumentou 40% nos últimos quatro anos. Isso sem contar todos os outros salários executivos abaixo dos CEOs que foram aumentados à medida que os salários dos CEOs dispararam.

A terceira razão é que os 350.000 trabalhadores sindicalizados da UAW foram em grande parte excluídos dos benefícios dessa prosperidade. Nos últimos quatro anos, seus salários aumentaram apenas 6%.

A quarta razão é o sistema de salários em dois níveis ao qual a maioria dos trabalhadores ainda está sujeita, pagando aos novos contratados substancialmente menos do que aos antigos. Com o tempo, isso significou que o trabalhador típico perdeu terreno. O sistema de dois níveis foi inaugurado após a falência da GM em 2009 e o maciço resgate financiado pelos contribuintes. Supostamente, era para ser temporário, mas se tornou uma característica permanente e um problema persistente para os trabalhadores automotivos.

A quinta razão é o surgimento de outro sistema de salários em dois níveis: as três grandes montadoras têm silenciosamente instalado novas fábricas para fornecer baterias para veículos elétricos em estados sem sindicatos. (A Casa Branca de Biden não ajudou nisso. Ela anunciou recentemente uma garantia de empréstimo de 9,2 bilhões de dólares do Departamento de Energia para a Ford Motor Co. para ajudar a construir uma grande fábrica de baterias no Tennessee, um estado chamado de “direito ao trabalho”. Infelizmente, o empréstimo não inclui nenhuma exigência de que a Ford ou seu parceiro na joint venture, a sul-coreana SK On, uma unidade de uma empresa química sul-coreana, garantam a participação de sindicatos.)

Os funcionários da UAW estão corretos em se preocupar que a Ford, a GM e a Stellantis usem essas fábricas de baterias para contornar o sindicato. Afinal, os fornecedores de peças agora fabricam peças que as empresas costumavam fabricar elas mesmas – mas muitos estão fazendo isso com trabalhadores não sindicalizados.

Trabalhadores de montadoras em greve nos EUA Foto: Twitter da @UAW

UAW quer 46% de aumento salarial

As duas partes estão muito distantes. A UAW deseja um aumento salarial de 46% ao longo de quatro anos (em linha com o aumento nos salários dos CEOs nos últimos quatro anos), uma semana de trabalho de 32 horas pelo pagamento de 40 horas, ajustes de custo de vida, pensões de benefício definido e assistência médica para aposentados para todos, e mais tempo pago de folga.

Até agora, como mencionei, a GM e a Ford ofereceram apenas pequenas frações dessas demandas.

Enormes lucros. Pacotes executivos gigantescos. Anos de baixos salários para trabalhadores por hora. A continuação dos salários em dois níveis. E o surgimento de ainda mais salários em dois níveis: junte tudo isso e o que você obtém? A probabilidade de uma greve longa.

Por quanto tempo? O sindicato tem 825 milhões de dólares em seu fundo de greve e pagará 500 dólares por semana a cada um de seus membros em greve. Se todos os seus 146.000 membros entrarem em greve, o fundo de greve se esgotaria em um pouco menos de três meses. É por isso que a UAW está iniciando greves em algumas fábricas individuais. Isso prejudicaria as montadoras, mas permitiria que a UAW continuasse a greve por mais de três meses, se necessário.

Uma greve longa prejudicará a economia dos EUA? Em certa medida. Uma greve de três meses poderia retirar cerca de 6 bilhões de dólares da economia. Isso prejudicará Biden? (Esta é a primeira pergunta que recebo da mídia.) Duvido. Ele é mais pró-sindicato do que qualquer presidente desde Lyndon Johnson, e sindicatos fortes significam salários mais altos, o que é bom para os trabalhadores e a economia. (Observe que a UAW ainda não endossou Biden.)

Por todas as razões mencionadas acima, eu acredito que uma greve é justificada. E você?


por Robert Reich, Comentarista de política e economia nos EUA | Texto em português do Brasil, com tradução de Luciana Cristina Ruy
Fonte: People´s World

Exclusivo Editorial Rádio Peão Brasil / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Uma Aventura | Na Caixa

Mentores espirituais

Manuel de Azevedo

Auto-retrato, Pablo Picasso

- Publicidade -