Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Abril 18, 2024

À descoberta da Música em Sacavém

musica-loures
Os Solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa, no âmbito da iniciativa À descoberta da Música em Loures, actuam no próximo Sábado, dia 18 às 21h00, na Igreja Matriz de Sacavém.

Neste concerto, os solistas Anzhela Akopyan, no violino, Catherine Strynckx, no violoncelo, e Savka Konjikusic, no piano, interpretarão obras de J. Haydn | Trio com Piano N.º 43, Hob.XV: 27 (1797) e L. v. Beethoven | Trio com Piano, Op. 1/3 (1793).

“O Trio com Piano – que junta ao piano, o violino e o violoncelo – foi muito popular em finais do século XVIII e no século que se seguiu. A textura instrumental deste agrupamento disponibilizava, aos compositores, recursos que se ajustavam com igual eficiência a propósitos tão distintos como saraus musicais protagonizados por músicos amadores, momentos de exibição privada de instrumentistas virtuosos ou a divulgação de obras orquestrais por intermédio de transcrições reduzidas. O mercado editorial cedo se apercebeu destas potencialidades e incentivou a produção de partituras neste formato.

Tal como aconteceu com o Quarteto de Cordas, Joseph Haydn foi pioneiro do género, tendo concluído várias dezenas de trios que se aparentavam, de início, a sonatas para piano, mas com dois instrumentos melódicos acrescidos. Já em plena maturidade, e gozando de assinalável reconhecimento público, escreveu os últimos trios entre 1794 e 1797. Estes conhecem-se como «Trios de Londres», em virtude de terem sido compostos durante a segunda permanência do compositor naquela cidade, já depois de se aposentar da corte dos Esterházys. O Trio em Dó Maior, em particular, é dedicado a uma pianista da alta sociedade londrina, Theresa Bartolozzi.

Pela mesma altura, o jovem Beethoven ainda construía a reputação na cidade de Viena. Tomava como modelo os anteriores trios de Haydn, mas imprimia-lhes uma individualidade que lhe permitiam, sobretudo, notabilizar-se enquanto intérprete. No Trio N.º 3 do primeiro Opus, apostou uma disposição dramática que terá decerto provocado estranheza nos meios ilustres – e conservadores – da capital austríaca, por se revelar porventura excessiva. Com quatro andamentos, na vez dos três que eram usais, o último, em particular, revela uma intensidade expressiva que o distinguia do velho mestre.” – OML.

A entrada é livre.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -