Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 18, 2022

Morre Desmond Tutu, líder da luta antiapartheid e Prêmio Nobel da Paz

Arcebispo era conhecido por ser um dos maiores defensores do fim do regime do apartheid e uma das figuras mais proeminentes da história recente da África do Sul.

O arcebispo anglicano Desmond Tutu, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1984, morreu neste domingo (26), aos 90 anos, informou a presidência da África do Sul. O religioso é conhecido por ser um dos maiores defensores do fim do regime do apartheid e uma das figuras mais proeminentes da história recente do país.

“Em nome de todos os sul-africanos, lamento com profunda tristeza a morte de Desmond Tutu, uma figura essencial na história do país. A morte do arcebispo emérito Desmond Tutu é um outro capítulo de luto no adeus de nossa nação a uma geração de sul-africanos excepcionais e que nos deixou um país liberto”, disse o atual presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

“Tutu era um patriota sem igual, um líder de princípios e com uma pragmatismo que deu significado vivo à compreensão bíblica de que uma fé sem obras é uma fé morta”, acrescentou o chefe de Estado. Sua fala também se refere a outra morte recente, no dia 11 de novembro, do ex-presidente Frederik Wilem de Klerk, último presidente branco e vice no governo de Nelson Mandela.

Símbolo de uma luta não violenta para restabelecer a unidade entre brancos e negros no país, Tutu idealizou e presidiu a Comissão da Verdade e da Reconciliação (TRC), que foi criada em 1995 e se tornou um percurso doloroso e dramático processo de pacificação entre os dois lados. O comitê trouxe à tona a verdade sobre muitas atrocidades cometidas pelo governo branco contra a população negra durante cerca de 40 anos.

O arcebispo anglicano deixou suas funções formais na igreja em 1996 e, desde 1997, lutava contra um câncer. Recentemente, em uma entrevista, falou que era favorável à “morte com compaixão”.

“Preparei a minha morte e quero que seja claro que não quero ser mantido vivo a qualquer custo. Espero ser tratado com compaixão e que me seja consentido passar para a próxima parte da viagem da vida de maneira que eu escolher”, disse o religioso.

Além de sua atuação contra o apartheid, Tutu era conhecido por sua defesa dos direitos da população LGBTQIA+. Ele ainda alertava sobre os riscos graves das mudanças climáticas e não se furtava a dar opiniões sobre assuntos de relevância mundial.


Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

In fraudem legis

Clube Bilderberg

Crise avança com Bolsonaro

Titãs cantam: “Comida”

- Publicidade -