Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

E ainda o Sahel e os interesses da França e da Europa

Beatriz Lamas Oliveira
Médica Especialista em Saúde Publica e Medicina Tropical. Editora na "Escrivaninha". Autora e ilustradora.

Forum da Paz 2019

Procura soluções pacíficas de governação global para um sistema internacional em crise.

À medida que a crise do sistema internacional se agrava, a cooperação global está a diminuir, os estados em competição, o aumento exponencial de gastos militares. As normas internacionais e os direitos humanos marginalizados, a justiça internacional posta em causa. À globalização falta regulamentação, a Internet está dominada por corporações abusivas, propaganda política subliminar e hackers, a corrida contra o aquecimento global continua.

O Fórum de Paz de Paris foi criado para combater essas tendências e convocar todos os Estados e a sociedade civil que acreditam em ação coletiva, multilateral e boa administração de bens públicos comuns para enfrentar desafios comuns e manter a paz.

“A pobreza é um desafio resultante de causas não apenas económicas e sociais, mas também ambientais”, afirmou Rémy Rioux, diretor geral da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) durante uma conferência. Saúde, educação, igualdade de género, alívio da pobreza ou mudança climática estão entre as 17 prioridades da agenda de 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), adotados em 2015 pelos 193 países membros das Nações Unidas.

Macron discursa no Forum de la Paix

Idriss Déby Itno, Presidente do Chad desde 1990, Mahamadou Issoufou, Presidente do Niger desde 2011 e Ibrahim Boubacar Keïta (Mali) participaram do Fórum de Paz de Paris 2019 na terça-feira, 12 de novembro. Os três homens foram à ofensiva, criticando a falta de solidariedade da comunidade internacional. De qualquer forma, eles aparecem no mesmo comprimento de onda: a insuficiência de ajuda internacional para segurança no Sahel e para as forças do G5 Sahel.

“Criamos o G5 Sahel, o que é uma coisa boa. Mas hoje não está operacional”, ataca Idriss Déby Itno.

O G5 Sahel ou G5S é uma estrutura coordenadora da colaboração regional em políticas de desenvolvimento e questões de segurança na África Ocidental. Formado em 16 de fevereiro de 2014 em Nouakchott, Mauritânia, reúne cinco países do Sahel: Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger.

Os desafios do G5 Sahel são compartilhados pela França e abordados sob as perspetivas política, militar e de desenvolvimento.

A presença de uma delegação saudita causou embaraço porque a França tinha terminado as visitas políticas ao Reino Saudita depois da morte do jornalista Khashoggi. Mas a diplomacia tem destas coisas!

A Aliança Sahel foi criada em 2017 para promover a cooperação entre os principais parceiros de desenvolvimento e os países do G5. Os 12 doadores da Aliança buscam acelerar a implementação de atividades de desenvolvimento que respondam diretamente às necessidades expressas pelas populações. A França é um dos países que apoia essas duas iniciativas exemplares. Outros são a Alemanha, União Europeia, Banco Africano de Desenvolvimento, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Banco Mundial, Reino Unido, Itália, Espanha, Holanda, Luxemburgo e Finlândia. Estados Unidos, Noruega e Finlândia são observadores.

Félix Tshisekedi, Presidente da República Democrática do Congo desde 25 de janeiro de 2019, convidado para ao Forum da Paz 2019 procurou apoio para combater a insegurança no leste do seu país. Após uma primeira visita europeia a Bruxelas em setembro, continuou a sua operação de reconquista diplomática na França após as críticas levantadas por sua eleição. Entre os eixos mencionados: o apoio para a cooperação contra grupos armados no leste do país.

Falou ao lado de Emmanuel Macron, de Ursula von der Leyen, Presidente eleita da Comissão Europeia e do Vice-Presidente chinês Wang Qishan, e salientou a situação de segurança em curso na RDC, dizendo que seu país “pagou o alto preço pela insegurança. ”

Emmanuel Macron desde o inicio da sua presidência na França insistiu na importância da “cooperação de informação e cooperação militares no Sahel e também no leste da Republica Democrática do Congo” e levantou a possibilidade de uma “operação diplomática para sancionar os líderes dos grupos armados no leste da RDC no âmbito das Nações Unidas. ”

Logo a seguir ao Forum da Paz 2019 de Paris, o primeiro-ministro Edouard Philippe abriu na segunda-feira, 18 de novembro, o sexto Fórum Internacional de Dakar sobre Paz e Segurança na África, ao lado do presidente senegalês Macky Sall, na presença do ministro das Relações Exteriores Jean-Yves Le Drian e da ministra dos exércitos de Florence Parly. A degradação do ambiente de segurança no Sahel no centro dos debates. Edouard Philippe almoçou com soldados franceses entre os 300 estacionados no Senegal, antes de uma demonstração das forças especiais locais, treinadas pelos seus colegas franceses. O Primeiro Ministro francês mostrou a importância da cooperação francesa com as forças armadas senegalesas.

Já em 16 de dezembro de 2018 a UE anunciava um novo financiamento no valor de 125 milhões de euros para os países do Sahel na conferência de coordenação dos parceiros e doadores do G5 Sahel, realizada em Nouakchott, Mauritânia. Financiamento usado para o rápido lançamento de novas iniciativas, alinhadas com as prioridades definidas pelo G5 Sahel para melhorar o desenvolvimento e a segurança. Seriam tomadas medidas para o reforço da resiliência e da coesão social dos grupos mais vulneráveis nas regiões transfronteiriças.

Em 4 de Dezembro Macron no Twitter Emmanuel Macron reclamava respostas claras”. Estando no UK num encontro de topo da OTAN, o presidente Macron colocou a manutenção da operação militar Barkhane à clarificação dos países integrantes do Sahel G5.

Para “rever os termos de alta prioridade na região do Sahel” o presidente francês convocou os seus parceiros dos países membros para amanhã, 16 de dezembro em Pau, no sul da França, dedicado a rever a operação Barkhane. Este convite para a atenção de presidentes nigerianos, estrangeiros, burkinenses, mauritanos e estrangeiros, acontece após a homenagem nacional em honra dos treze soldados franceses mortos em 25 de novembro em um acidente com helicópteros norte do Mali. A escolha de Pau não é inocente:os treze militares mortos pertenciam ao regimento de helicópteros com sede em Pau.

Todos estes passos políticos, diplomáticos e militares, todos estes Fóruns e Encontros, sempre apresentados como a boa vontade e o interesse Europeu em estabilizar os países do Sahel.

A Itália lidera um projeto muito semelhante ao de Macron, mas baseando-se muito mais no papel dos grandes investidores.

Só para criar uma zona tampão que impeça emigrantes e refugiados de passaram a barreira do Sahel para chegarem à Europa? Estabelecimento de novos mercados? Ajuda no combate à corrupção, tráfego de armas e progressão do Jihadismo? Interesses que nunca fazem parte das agendas oficiais?

A nós de olhar e pensar quantos biliões irão desaparecer nos desertos.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -