Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

É preciso cuidar bem das crianças para a humanidade ter futuro

Francisca Rocha
Secretária de Assuntos Educacionais e Culturais do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), secretária de Saúde da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação (CNTE) e dirigente da Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil, seção São Paulo (CTB-SP)

No Dia das Crianças de 2021 é fundamental para refletirmos que futuro queremos legar para as novas gerações. Precisamos pensar muito bem no que estamos fazendo com as nossas crianças. A pandemia desnudou a perversidade de uma sociedade que não propicia condições boas de vida para essa importante parcela da população, que pode garantir o nosso futuro.

Desprotegidas, as crianças são vítimas de maus-tratos dentro de suas próprias casas. São espancamentos, violência psicológica e abuso sexual. Violências que causam traumas para o resto da vida.

O Estado não faz a sua parte, pois há mais de 2 milhões de crianças e adolescentes em idade escolar fora da escola. Na pandemia a situação se agravou e mais de 5 milhões de crianças não tiveram como estudar porque os governantes não ofereceram condições para isso.

A pandemia mostrou com mais clareza também a face cruel de um sistema que marginaliza grande parte de sua população. Existem no país atualmente mais de 20 milhões de pessoas passando fome e mais de 160 milhões com alimentação insuficiente. Muitas famílias estão morando na rua por não ter condições nem de pagar um aluguel.

O trabalho infantil atinge aproximadamente 3 milhões de crianças e adolescentes. Parte delas vendendo balas em semáforos, expostas a todo tipo de acontecimento e outras formas de exploração do trabalho infantil que aviltam as condições físicas e mentais das crianças, tirando-lhes o direito à infância.

Em grande parte, isso acontece porque as famílias estão desamparadas com as políticas do desgoverno Bolsonaro e o aprofundamento da crise. De outra parte porque o individualismo e o egoísmo tomaram conta da sociedade.

É fácil culpar a pandemia, mas isso já vinha acontecendo. O presidente e diversos governadores privilegiam a transferência de recursos para organizações sociais e com isso tiram a possibilidade das crianças mais pobres terem escola. Saúde nem se fala, agem para privatizar tudo e se não fosse a pandemia, provavelmente nem o SUS teríamos mais.

A mortalidade infantil voltou a crescer depois de anos em declínio. As mães estão desassistidas. Faltam creches, falta trabalho decente e falta rendimento que propicie vida digna, falta alimento. Triste muito triste.

Por isso, neste 12 de outubro – Dia das Crianças – reflita se não já não passa da hora de darmos o que nossas crianças merecem. Casa, comida, roupa limpa, escola, médico, dentista e espaço adequado para brincar e se desenvolver plenamente com liberdade e dignidade. Uma vida feliz, em segurança.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -