Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

E se, de repente o sonho virasse felicidade

Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Jornalista, assessor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Nesta edição, os leitores do Tornado são premiados com quatro pérolas da música popular brasileira e uma de John Lennon (1940-1980). Duas delas, versam sobre a questão dos povos indígenas. De autoria dos dois maiores nomes da nossa música, Caetano Veloso (“Um Índio”) e Chico Buarque (“Fantasia”).
As outras três tratam do tema do momento: a festa do Natal e o nascimento de um novo ano, que por mais pragmático que se seja, renovam-se as esperanças de dias melhores. Você poderá se deleitar com “Boas Festas”, de Assis Valente (1911-1958), “So This Is Christmas”, de John Lennon e “Nunca Pare de Sonhar”, de Gonzaguinha (1945-1991).

 

Fantasia (1978), composição de Chico Buarque


Começando por “Fantasia” (1978), de Chico Buarque. Poesia e música da delicadeza contra a opressão, o preconceito e a violência enfrentada pelos mais de 900 mil indígenas existentes no país, divididos em 305 etnias e falando 274 línguas diferentes, segundo a Funai.

Por isso, “E se, de repente/A gente não sentisse/A dor que a gente finge/E sente/Se, de repente/A gente distraísse/O ferro do suplício/Ao som de uma canção/Então, eu te convidaria/Pra uma fantasia /Do meu violão”, canta Chico.

Porque os indígenas trabalham para sobreviver e, portanto, devem ser vistos como trabalhadores. Sofrem sucessivos ataques de latifundiários de olho em suas terras. Chico Buarque canta esse sentimento com a costumeira maestria do maior poeta da MPB.

Fantasia (1978)

composição de Chico Buarque
interpretação dele mesmo

E se, de repente
A gente não sentisse
A dor que a gente finge
E sente
Se, de repente
A gente distraísse
O ferro do suplício
Ao som de uma canção
Então, eu te convidaria
Pra uma fantasia
Do meu violão
Canta, canta uma esperança
Canta, canta uma alegria
Canta mais
Revirando a noite
Revelando o dia
Noite e dia, noite e dia
Canta a canção do homem
Canta a canção da vida
Canta mais
Trabalhando a terra
Entornando o vinho
Canta, canta, canta, canta
Canta a canção do gozo
Canta a canção da graça
Canta mais
Preparando a tinta
Enfeitando a praça
Canta, canta, canta, canta
Canta a canção de glória
Canta a santa melodia
Canta mais
Revirando a noite
Revelando o dia
Noite e dia, noite e dia

 

Boas Festas (1933), composição de Assis Valente

“Boas Festas”, do compositor baiano Assis Valente, sobrevive aos Natais desde 1933. Um grande apelo à inocência da infância e a busca constante da felicidade. Impossível ficar indiferente a esse lamento de alguém que sonha e deseja o melhor para todo mundo.

Gravada pelos Novos Baianos, essa canção permanece no imaginário popular pelo sentimento de humanidade que transmite.  “Já faz tempo que eu pedi/Mas o meu Papai Noel não vem/Com certeza já morreu/Ou então felicidade/É brinquedo que não tem”.

Boas Festas (1933)

composição de Assis Valente
interpretação dos Novos Baianos

Anoiteceu, o sino gemeu
E a gente ficou feliz a rezar
Papai Noel, vê se você tem
A felicidade pra você me dar
Eu pensei que todo mundo
Fosse filho de Papai Noel
E assim felicidade
Eu pensei que fosse uma
Brincadeira de papel
Já faz tempo que eu pedi
Mas o meu Papai Noel não vem
Com certeza já morreu
Ou então felicidade
É brinquedo que não tem

 

Um Índio (1976), composição de Caetano Veloso

Caetano Veloso profetiza a chegada de um índio, em canção homônima de 1976, para reconstruir as nações indígenas exterminadas pela ganância dos capitalistas. “E aquilo que nesse momento se revelará aos povos/Surpreenderá a todos, não por ser exótico/Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto/Quando terá sido o óbvio”, canta o artista baiano.

Se unirmos “Fantasia” e esta bela canção temos o desejo dos povos indígenas em serem respeitados, terem a posse de suas terras para viverem à maneira deles, com suas culturas e seus saberes. “Um índio preservado em pleno corpo físico/Em todo sólido, todo gás e todo líquido/Em átomos, palavras, alma, cor, em gesto e cheiro/Em sombra, em luz, em som magnífico”. Dispensa comentários.

Um Índio (1976)

composição de Caetano Veloso
interpretação dele mesmo

Um índio descerá de uma estrela colorida e brilhante
De uma estrela que virá numa velocidade estonteante

E pousará no coração do hemisfério sul, na América, num claro instante

Depois de exterminada a última nação indígena
E o espírito dos pássaros das fontes de água límpida
Mais avançado que a mais avançada das mais avançadas das tecnologias

Virá, impávido que nem Muhammad Ali, virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri, virá que eu vi
Tranquilo e infalível como Bruce Lee, virá que eu vi
O axé do afoxé, filhos de Gandhi, virá

Um índio preservado em pleno corpo físico
Em todo sólido, todo gás e todo líquido
Em átomos, palavras, alma, cor, em gesto e cheiro
Em sombra, em luz, em som magnífico

Num ponto equidistante entre o Atlântico e o Pacífico
Do objeto, sim, resplandecente descerá o índio
E as coisas que eu sei que ele dirá, fará, não sei dizer
Assim, de um modo explícito

REFRÃO

E aquilo que nesse momento se revelará aos povos
Surpreenderá a todos, não por ser exótico
Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto
Quando terá sido o óbvio

So This Is Christmas (1971), composição de John Lennon

Uma das canções mais executadas, principalmente nesta época do ano, é “So This Is Christmas” (“Então é Natal”, 1971), de John Lennon. Pelo autor, já se percebe qualidade na obra e o canto pela paz e pelo respeito às pessoas.

“ E assim, feliz natal/Para o preto e para o branco/Para amarelos e vermelhos” porque “A guerra acaba/Se você quer acabe/A guerra acabou/Agora”, isso cantado num tempo em que a maior potência do mundo capitalista, Estados Unidos, guerreava no território de uma pobre nação no sudoeste asiático, o Vietnã, onde os norte-americanos cometeram diversos crimes de lesa humanidade e assim mesmo foram derrotados em 1975. Lennon foi um dos grandes defensores do fim da guerra.

So This Is Christmas (1971)

Então É Natal (tradução)

composição de John Lennon
interpretação do mesmo

Então é Natal
E o que você fez?
Mais um ano acabou
E um novo apenas começou

E então é Natal
Eu espero que você se divirta
Para o próximo e o querido
O velho e o jovem

Um Feliz Natal
E um feliz ano novo
Vamos esperar que seja bom
Sem qualquer medo

E então é Natal
Para fracos e fortes
Para os ricos e os pobres
O mundo é tão errado

E assim, feliz natal
Para o preto e para o branco
Para amarelos e vermelhos
Vamos parar toda a luta

Um Feliz Natal
E um feliz ano novo
Vamos esperar que seja um bom
Sem qualquer medo

E então é Natal
E o que fizemos?
Mais um ano acabou
E um novo apenas começou

E então é Natal
Eu espero que você se divirta
O próximo e querido
O velho e o jovem

Um Feliz Natal
E um feliz ano novo
Vamos esperar que seja um bom
Sem qualquer medo

A guerra acaba
Se você quer acabe
A guerra acabou
Agora

 

Nunca Pare de Sonhar (1984), composição de Gonzaguinha

Luiz Gonzaga Júnior, o Gonzaguinha, foi muito feliz neste verdadeiro hino de esperança e crença na humanidade. “Nunca se entregue/Nasça sempre com as manhãs/Deixe a luz do sol brilhar no céu do seu olhar”, canta o compositor e cantor carioca em “Nunca Pare de Sonhar”. Desnecessário comentar.

Nunca Pare de Sonhar (1984)

composição de Gonzaguinha
interpretação por ele mesmo

Ontem um menino
Que brincava me falou
Hoje é a semente do amanhã

Para não ter medo
Que este tempo vai passar
Não se desespere, nem pare de sonhar

Nunca se entregue
Nasça sempre com as manhãs
Deixe a luz do sol brilhar no céu do seu olhar

Fé na vida, fé no homem, fé no que virá
Nós podemos tudo, nós podemos mais
Vamos lá fazer o que será

Ontem um menino
Que brincava me falou
Hoje é a semente do amanhã

Para não ter medo
Que este tempo vai passar
Não se desespere, nem pare de sonhar

Nunca se entregue
Nasça sempre com as manhãs
Deixe a luz do sol brilhar no céu do seu olhar

Fé na vida, fé no homem, fé no que virá
Nós podemos tudo, nós podemos mais
Vamos lá fazer o que será

 

Então, como clama Chico Buarque: “Canta, canta uma esperança/Canta, canta uma alegria/Canta mais”.


Texto em português do Brasil


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Caminhar

Boa pergunta

VER…

- Publicidade -