Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 25, 2021

Até Sempre Eduardo Águaboa

Ao meu Mestre e grande Amigo Eduardo Águaboa que resolveu viajar com bilhete de ida e sem volta e deixou os Amigos a tomar conta deles próprios e da Amanhecer (namorada que ele não tem)A amanhecer tem o vício das certezas, a sensibilidade das safadezas, o amor sem conta gotas, a liberdade de ter sem asfixiar, a entrega de um corpo para amar, o decifrar das palavras não ditas e o mastigar dos momentos em digestões bem feitas.

É tudo o que ultrapassa a ficção e esmaga a realidade crua das mulheres que para ele não existem em algumas Princesas que ainda persistem.

E como o Eduardo era perfeito dentro da imperfeição e como de poemas não foi feito (não gostava de poesia) e como a sua protegida (Alice) sempre foi grata mas rebelde….  Fez um poema à espera que o vento lho leve para oferecer à Amanhecer que fez as delícias de todos os seus anoiteceres e que deliciou os momentos dos seus leitores…

Até sempre Eduardo Águaboa, vais estar sempre Aqui numa livraria qualquer, representado pelas oito obras que nos deixaste.

Na foto: Alice Coelho com Eduardo Águaboa no lançamento da obra colectiva “O bar dos canalhas”

Eduardo Águaboa colaborou com este Jornal em muitas e variadas matérias e registos de grande valor. Em nome da redacção do Tornado sentidos pêsames para a família, amigos e leitores e admiradores entre os quais nos contamos.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -