Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Julho 12, 2024

Educação sexual nas escolas para combater a pedofilia e o abuso

Francisca Rocha
Francisca Rocha
Professora Francisca é dirigente licenciada de Assuntos Educacionais e Culturais da Apeoesp – Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, de Saúde da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação (CNTE) e de Finanças da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB

Com o tresloucado projeto da Bancada do Estupro (PL 1904/2024 – PL dos Estupradores) na Câmara dos Deputados, com apoio do presidente da casa, Arthur Lira, que manobrou para o projeto não passar pelas necessárias comissões, como determina o regimento, e assim ir a votação em plenário sem debate.

O medo do debate se justifica pela pronta reação de amplos setores da sociedade contra o teor demoníaco desse projeto, que visa a prisão para mulheres e meninas que engravidarem de estupro e decidirem interromper a gravidez após 22 semanas de gestação, como a legislação permite abortar em qualquer tempo, em caso de gravidez por estupro.

Num país onde, segundo o Ipea, ocorrem mais de 800 mil estupros por ano, com cerca de 60% das vítimas terem até 13 anos, crianças, portanto, é inconcebível prever prisão para a interrupção de um fruto do ódio e da violência. E não há maior violência à mulher e ainda mais às meninas do que o estupro, o abuso e a exploração sexual.

E o Brasil está entre os países mais violentos na questão de gênero. Porque os homens têm medo do feminino. Medo das mulheres serem livres e conseguirem mostrar o valor que têm em tudo o que realizam. Esse medo se transforma em misoginia e violência. Por isso, cresce a violência doméstica, cresce o abuso, o assédio, a importunação e a exploração.

A Bancada do Estupro representa o que há de pior na política e na vida brasileira. Querem obrigar crianças a serem mães e premiar estupradores como pais. Defendem a tortura, a repressão, o ódio e a violência contra meninas pobres basicamente, que são as que mais sofrem violências.

O que mostra a necessidade de promovermos um debate sincero e honesto sobre as questões de gênero nas escolas para avançarmos no processo civilizatório de respeito a todas as pessoas. Tão importante quanto é a necessidade de termos educação sexual bem elaborada nas escolas, com pessoas preparadas, sem repressão, para ensinar as crianças a identificar onde acaba o carinho e começa o abuso. Educação sexual para combater a pedofilia, a exploração e o abuso sexual.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -