Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Maio 26, 2022

Eleição nas Filipinas: como o clã Marcos pode estar voltando ao poder

País asiático pode sair do desastre brutal de Duterte diretamente para o desprezo do filho do ex-ditador Ferdinand Marcos pelos eleitores. Os presidentes têm se sucedido sempre preocupados em acobertar os crimes do anterior.

por Tom Smith, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A próxima eleição nas Filipinas apresenta ao país uma escolha difícil para definir seu curso político para os próximos seis anos. O ex-presidente autoritário Rodrigo Duterte deixa para trás um país muito prejudicado por seu tempo no cargo.

O declínio econômico, uma brutal “guerra às drogas” – pela qual ele enfrenta uma investigação do Tribunal Penal Internacional – e a má gestão da covid definiram um nível baixo para seu sucessor.

Tudo isso é útil para o favorito para a votação de 9 de maio – Bongbong Marcos, filho do ex-ditador Ferdinand Marcos (1965-86). Bongbong lidera as pesquisas por uma margem considerável e tem feito isso há meses. Isso apesar de uma atitude bastante desdenhosa em relação ao eleitorado em sua campanha. Ele evitou entrevistas, não compareceu a debates com outros candidatos e até evitou contato com o público após um incidente bizarro alegando uma lesão, mas com o pulso errado enfaixado.

Bongbong está contando com duas forças para levá-lo ao palácio presidencial, nenhuma das quais é nova ou de sua autoria, mas os velhos hábitos podem ser suficientes para ele.


O primeiro é um sistema político ainda baseado no clientelismo. Presidentes e vice-presidentes são eleitos em cédulas separadas, mas cada candidato está entre uma pirâmide de outros que concorrem a cargos na hierarquia política, de senadores, governadores e prefeitos até o mais local dos representantes – o capitão barangay. Existem mais de 42 mil barangays (pequenos distritos administrativos) nas Filipinas, e a maioria dos capitães negocia apoio a um candidato presidencial e traz consigo os votos de sua aldeia.

A segunda é a marca da família Marcos e sua incrível capacidade de sobreviver a décadas de escândalos. Suas alianças entre a elite e outros clãs são profundas nas Filipinas. O apoio notável de Bongbong veio de uma galeria de ex-presidentes desonestos. O ex-ator de cinema Joseph Estrada, presidente de 1998 a 2001, foi forçado a renunciar após acusações de corrupção e impeachment. Gloria Arroyo (presidente de 2001 a 2010), que viria a perdoar Estrada, teve seu processo por saque de 369 milhões de pesos (£ 5,6 milhões) arquivado sob a administração de Duterte. Como parte de sua reabilitação política, ela liderou as tentativas de seu governo de reduzir a idade de responsabilidade criminal para nove anos. Sim – nove anos de idade.

A única questão de campanha em que Bongbong parece interessada é defender aqueles sob investigação por acusações de roubar 183 milhões de pesos filipinos (£ 2,8 milhões) – notadamente o filho de Estrada, Jinggoy. O legado de cobrir o último comparsa parece ser o manual aqui com Sara Duterte aliada a Bongbong em sua busca para se tornar vice-presidente para continuar o legado político de seu pai e protegê-lo de qualquer possível responsabilidade por seu tempo no cargo.

Milhares de apoiadores de Leni Robredo participam de um comício em Malolos, Bulacan, menos de uma semana antes da eleição nacional das Filipinas.

Marcos e amigos se safam disso através de esforços conjuntos para policiar as críticas online e são eficazes em campanhas de desinformação. Eles também contam com o método testado e comprovado de compra de votos. Uma prática que Duterte defendeu em suas próprias eleições de meio de mandato.

A única alternativa realista aos negócios de sempre vem na forma de Leni Robredo, que está em segundo lugar nas pesquisas. Ela é a vice-presidente em exercício e um espinho liberal no lado de Duterte, embora os vice-presidentes tenham pouco poder. A campanha de Robredo viu grandes multidões em comícios em todo o país e sugere que o apoio e o impulso de base podem ser mobilizados.

Robredo encontrou apoio de personalidades proeminentes da mídia filipina, muitos conscientes de que a repressão da mídia sob Duterte poderia continuar sob Marcos. Da mesma forma, Robredo encontrou apoio de ONGs locais e isso pode contornar algumas das estruturas tradicionais de poder dinástico nas Filipinas.

Robredo tem uma montanha para escalar – de acordo com as pesquisas – que estão longe de ser confiáveis ​​nas Filipinas. Derrubar décadas de prática política institucional e cultural em 9 de maio seria uma conquista verdadeiramente massiva. Até porque os dias finais das campanhas eleitorais costumam ser os mais violentos.

A violência eleitoral nas Filipinas é um problema perene. Minha pesquisa, publicada na revista Pacific Affairs, mostra que o fenômeno está piorando. As medidas do governo, incluindo a proibição de armas e o uso de postos de controle da polícia, não foram bem-sucedidas.

Na segunda-feira, a Polícia Nacional das Filipinas reconheceu 52 incidentes relatados de violência relacionada às eleições. Foram identificados pontos de acesso em todo o país que serão fortemente policiados, inclusive Cebu, a segunda maior cidade do país. A ameaça de violência relacionada às eleições é mais pronunciada para candidatos, ativistas e jornalistas.

Em 19 de abril, o candidato presidencial Leody de Guzman foi baleado em uma aparente tentativa de assassinato. O espectro da violência no último fim de semana de campanha e como os resultados são confirmados é muito real. Em 2009, 58 pessoas, incluindo 32 jornalistas que cobriam um evento eleitoral, foram massacradas e enterradas na estrada quando seu comboio foi atacado pelo clã local Ampatuan em Maguindanao, parte da região autônoma de Mindanao.

É esse passado recente, junto com aqueles que ainda carregam as cicatrizes dos anos de tortura de Ferdinand Marcos (estimados pela Anistia Internacional e outros como 3.257 mortos, 35.000 torturados e 70.000 presos), que significa que a escolha eleitoral errada pode ter consequências muito graves para as restantes instituições democráticas filipinas.


por Tom Smith, Professor principal em Relações Internacionais e Diretor Acadêmico do Royal Air Force College Cranwell, University of Portsmouth   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -