Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Encontro imaginário com Fernão Mendes Pinto, Rockfeller e Emile Zola

O Encontro Imaginário no Teatro A Barraca está de volta. As personagens são Fernão Mendes Pinto, Rockfeller e Emile Zola, interpretadas por Manuel Luzio, Vítor Ramalho e Fernando Correia.

Em novo Encontro Imaginário, dia 21 de Junho, estarão em debate novas personagens da História Universal.

Com participação da sociedade civil

Fique a conhecer melhor as personagens: Fernão Mendes Pinto interpretado pelo animador Manuel Luzio, Rockfeller pelo Vítor Ramalho da UCCLA e Emile Zola pelo jornalista Fernando Correia.

Saiba quem são:

Fernão Mendes Pinto

Montemor-o-Velho, 1510-14  — Pragal 8 de Julho de 1583

Foi um aventureiro e explorador português.

Em 1537, parte para a Índia, ao encontro dos seus dois irmãos. De acordo com os relatos da sua obra Peregrinação, foi durante uma expedição ao mar Vermelho em 1538.

A chegada dos portugueses ao Japão foi muito celebrada, e perdura ainda na memória cultural japonesa, porque foi o episódio que permitiu a introdução das armas de fogo naquele país.

Deixou-nos um relato tão fantástico do que viveu (a Peregrinação, publicada postumamente em 1614), que durante muito tempo não se acreditou na sua veracidade; de tal modo que até se fazia um jocoso dito com o seu nome: Fernão Mendes Minto, ou então ainda: Fernão, mentes? Minto!

Interpretação pelo animador Manuel Luzio.

Rockfeller

Richford, 8 de Julho de 1839 — Ormond Beach, 23 de Maio de 1937

John Davison Rockefeller Nixon foi um homem de negócios norte-americano, um self-made-man, fundador da primeira companhia petrolífera norte americana, a Standard Oil.

Com cerca de 90% de toda a produção de petróleo e derivados, John Rockefeller monopolizou o mercado americano e durante anos foi o homem mais rico do mundo, com a fortuna estimada em nada mais nada menos que $US 330.000.000.000 quase dez vezes a fortuna de Bill Gates.

Interpretação do Presidente da UCCLA Vítor Ramalho.

Emile Zola

Paris, 2 de Abril de 1840 — Paris, 29 de Setembro de 1902

Foi um consagrado escritor francês. O seu trabalho de maior influência política foi a carta aberta intitulada J’acccuse (Acuso), onde acusou o governo francês de anti-semitismo por julgar e condenar precipitadamente o capitão Alfred Dreyfus, judeu e oficial do exército francês, por traição em 1894.

Émile Zola faleceu em 29 de setembro de 1902 em sua casa em Paris devido à inalação de uma quantidade letal de monóxido de carbono proveniente de uma lareira defeituosa; alguns estudiosos, em razão das misteriosas circunstâncias do ocorrido, não descartam a hipótese de homicídio.

Interpretação do jornalista Fernando Correia.

Informação adicional

Encontros imaginários 2021

21 de Junho

19h30

[email protected][email protected]

213 965 360 | 913 341 683

Em cumprimento da legislação em vigor, obrigatório o uso de máscara

A Barraca
Largo de Santos, 2
1200 – 808 Lisboa

 

Website do Teatro A Barraca


Os assinantes solidários do Jornal TORNADO têm Desconto de 20%, em dois bilhetes para o espectáculo. Seja Solídário

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -