Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Esquerda unida chumba moção de rejeição da direita

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

Tal como estava previamente anunciado, a moção de rejeição apresentada pelo PSD e CDS foi chumbada no Parlamento e, dessa forma, o programa do governo foi legitimado pela maioria dos deputados. Com esta moção, os partidos de Passos Coelho e Paulo Portas quiseram deixar claro qual é a base de apoio do actual executivo e marcar uma posição para memória futura. No essencial, o texto do documento seguiu os argumentos que foram sendo apresentados, ao longo dos dois dias de debate, pelos deputados do PSD e CDS.

Considera-se, em primeiro lugar, que esta é uma solução governativa ilegítima, uma vez que os portugueses “sufragaram o programa eleitoral da coligação”, daí resultando que “escolheram para primeiro-ministro Pedro Passos Coelho” e não António Costa.

Já no decorrer do debate, Paulo Portas tinha dado o mote, ao dirigir-se ao actual chefe do Governo como o primeiro-ministro que o povo “não escolheu” e um deputado do seu partido optou mesmo por tratar António Costa por “sr. dr.” em vez de por “primeiro-ministro”.

Outra das expressões que consta da moção é a de que há um “processo de radicalização em curso” que “está a tornar Portugal refém de agendas ideológicas sectárias desfasadas da realidade”. Um panorama que PSD e CDS consideram perigoso, uma vez que vai fazer com que o prometido “virar a página da austeridade”, na prática, mais não seja do que voltar para “a página anterior, tal como se tivéssemos regressado a 2009 e a 2011”.

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

Por tudo isto, e porque o Governo não apresentou uma moção de confiança, PSD e CDS avançaram com a moção de rejeição, que acabou chumbada, com o voto contra de todos os deputados dos partidos de esquerda e a abstenção do deputado do PAN, André Silva.

 

 

 

 

PSD e CDS desejam ao PS uma viagem breve e sem acidentes

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

Nas intervenções finais, PSD e CDS fizeram questão de avisar o PS para que não conte com quaisquer facilidades ou apoios da sua parte. Telmo Correia, em representação do CDS, subiu à tribuna para claramente dizer isso mesmo. Este deputado alegou que os socialistas escolheram o rumo que querem seguir, foram buscar companheiros de caminho à “esquerda radical”, pelo que o que lhes pode desejar é apenas que façam “boa viagem”, que essa viagem seja breve e que “não haja acidentes porque, normalmente, quem os paga são os portugueses”.

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

Uma tese apoiada por Passos Coelho, na sua única intervenção neste debate, ao dizer que “quem recusou apoio a quem ganhou, não tem legitimidade” para lhe vir pedir apoio. E, se alguma vez isso acontecer e o PS necessitar mesmo do PSD para aprovar algo que seja útil para o país, deve o Governo demitir-se e voltar a dar a palavra aos portugueses.

O ex-primeiro-ministro acusou os deputados de terem usurpado a escolha do povo, para fazer cair o governo que, na sua opinião, tinha legitimidade para dirigir os destinos do país.

AR_8Opinião diferente, como seria de esperar, foi a expressa pelo líder parlamentar do PS, Carlos César, que voltou a insistir na legitimidade do novo governo, pelo facto de ter maioria no Parlamento. A mesma tecla foi tocada por Jerónimo de Sousa que, pelo PCP, assumiu o apoio a um governo que não é o seu, mas que representa um passo em frente para “parar com a destruição do país”.

Pela parte do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares saudou o novo

ciclo, que espera representar a viragem de página do “ciclo do empobrecimento”. Heloísa Apolónia (PEV) disse o

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

mesmo por outras palavras. Tal como Jerónimo de Sousa, também ela não assumiria o programa como seu, mas não tem problemas em apoiá-lo pois a sua execução vai “contribuir para a melhoria a vida das pessoas”. André Silva, do PAN, elogiou alguns aspectos do programa, que, no entanto, não são suficientes para o levar a juntar-se à maioria de esquerda contra a moção de PSD e CDS.

 

 

 

O “reino da fantasia” dos governos de Passos Coelho

O governo escolheu para encerrar o debate o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que, ao mesmo tempo que garantia disponibilidade para o diálogo e consenso com os partidos à sua direita, não resistia a fazer um ataque feroz à governação dos últimos quatro anos.

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

Viveu-se no “reino da fantasia”, garantiu. É que, olhando para a realidade deixada, ao contrário do que tem sido anunciado, a política de “ir além da troika”, deixou o país “com maior dívida”, maior desemprego e situações sociais gravíssimas.

Mesmo assim, nem sequer as metas da redução do défice foram cumpridas nos últimos anos. Uma situação que vai repetir-se este ano, uma vez que a meta dos 2,7% não vai ser atingida. Prometeu que na parte que depender do governo de que faz parte, tal como já António Costa tinha assumido, “tudo será feito para que o défice fique abaixo dos 3%”. As críticas ao anterior executivo estenderam-se à actuação relativa ao sistema bancário, em especial, ao BES, por se ter dito que a sua resolução não teria custos para os portugueses.

Todas estas situações exigem, defendeu Santos Silva, uma mudança política, pois “mais do mesmo daria os mesmos resultados”.

Debate Programa XXI Gov
Debate Programa XXI Gov

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -