Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Essa lu(z)ofonia ao fundo do túnel…

Durante a minha vida estudantil, o conceito da Lusofonia sempre teve um sentido vago, limitando-se à língua e a história comum dos povos lusófonos!

Foi um velho amigo meu, professor catedrático jubilado e recentemente agraciado pelo Presidente da República Portuguesa com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, na altura ligado à Fundação Portugal-África e um entusiasta da afirmação da verdadeira lusofonia, que me fez entender a importância e a potencial abrangência desse conceito e a sua contribuição não só para a aproximação dos povos, como para o verdadeiro desenvolvimento dos países que partilham a língua e uma história comum.

Hoje, assistindo à banalização e ao enfraquecimento desse abrangente e interessante conceito, vejo a Lusofonia como uma luz ao fundo do túnel, mas em progressivo movimento de distanciamento, teimando em apagar-se!

Apesar da guerra colonial da libertação dos PALOP’s do colonialismo português, esses povos privilegiaram Portugal, sem grandes ressentimentos, como parceiro nas várias áreas da cooperação, ao que os sucessivos representantes do Estado português não souberam corresponder, zelando para a preservação e fortalecimento desse espaço cultural e económico comum.

Portugal sempre teve uma postura titubeante no que concerne a afirmação da Lusofonia em prol do benefício dos povos, vacilando entre a afirmação no espaço europeu e a consolidação da lusofonia. Consequentemente, em vez de sérias políticas de cooperação no espaço lusófono, os decisores políticos portugueses sempre privilegiaram os benefícios de individualidades e lobbies de interesses, não do desenvolvimento dos Estados.

Aparentemente, foi nessa lógica corporativista pensada e criada a ineficiente Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), cuja a afirmação e influência no espaço lusófono se faz notar e sentir cada vez menos! Houve uma altura em que o Brasil tentou emergir-se e assumir a merecida importância no seio da CPLP, não só pela sua dimensão territorial, económico e multicultural, mas aparentemente foi bloqueado por determinados interesses instalados no espaço lusófono… O mesmo aconteceu com Angola, que no auge do seu poderio económico quis ter mais afirmação no espaço lusófono, mas isso resultou num enfraquecimento do poder do ex-presidente e posterior perseguição da filha por alegados crimes económicos… Foi esse mesmo espaço de negócio lusófono que outrora aplaudiu e permitiu que a mesma Isabel dos Santos, em plena crise económica que avassalava a Europa e obrigou aos países do Sul à submissão aos programas da famosa “Troika”, investisse uma boa parte da sua fortuna em muitas empresas e bancos portugueses, sem questionar a proveniência da mesma fortuna, que saltava aos olhos de qualquer cidadão menos atento, de que era altamente provável tratar-se de um esquema de lavagem de dinheiro pertencente ao povo angolano. A dúvida que se coloca é, se um dia se provar que essa fortuna investida em Portugal por Isabel dos Santos provinha de um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro, Portugal estaria disposto a devolver esse património ao seu verdadeiro dono, ao povo angolano!

É essa a Lusofonia que permite ter Secretários executivos da CPLP indicados por Presidentes dos países membros, alguns ditadores e outros com curriculum de estadista coberto de sangue de muitos opositores políticos, mas que depois faz um enorme teatro para a admissão da Guiné-Equatorial como membro desse órgão lusófono! Essa admissão que, apesar de interessar aos países membros, em plena crise económica mundial, por se tratar apenas do terceiro maior produtor de Petróleo de África, Portugal tentou demarcar-se publicamente dessa admissão, deixando o ônus do “crime” ao Brasil e Angola! Montou-se uma hipócrita cena moralista para aceitação da admissão da Guiné-equatorial na CPLP, por se tratar de um regime ditatorial com pena de morte ainda instituída, quando se tolerava o sistema ditatorial Angolano, que oprimia vergonhosamente manifestantes contra o regime e fazia desaparecer jornalistas como a guineense Milocas Pereira (Mistério em torno do desaparecimento em Angola de Milocas Pereira mantém-se). No entanto, eram e são lestos e inflexíveis em condenar qualquer poder emergido na Guiné-Bissau que não alinhasse com os interesses desse espaço pouco lusófono!

É essa manhosa Lu(z)ofonia ao fundo do túnel que forja líderes e tentam impô-los aos países membros para depois, em caso de fracasso, recebê-los como exilados, propiciando-os canais abertos na comunicação social para destilarem o ódio, as calúnias e ofensas, contra o poder instalado nos seus próprios países!

É essa malvada Lu(z)ofonia ao fundo do túnel que faz corredores diplomáticos para a asfixia económica dos Estados membros que não alinham com os interesses corporativistas que iluminam tenuemente os seus túneis!

É essa maquiavélica Lu(z)ofonia ao fundo do túnel que, em vez de servir como uma porta e um forte intermediário na valorização dos produtos e mares dos países membros, face a União Europeia, aposta na desvalorização económica dos mesmos, para disso retirar proveito e facilitar o apoio político aos seus facilitadores na exploração dos recursos dos países membros!

É essa vergonhosa Lu(z)ofonia ao fundo do túnel que faz políticos e ex-políticos do mesmo espaço lusófono visitarem e apoiarem determinados candidatos durante as eleições nos seus países, enquanto um Chefe de Estado no desempenho das suas funções na CPLP cancela uma visita a um país membro de direito da CPLP, por conselho de um líder partidário, envolvido na disputa eleitoral em curso. Será que agora o Presidente da República de Cabo-Verde estará em condições de visitar, de forma imparcial e descomplexada a Guiné-Bissau, sem fazer a triste figura que o ex-Primeiro-Ministro caboverdeano José Maria das Neves foi lá fazer durante a campanha presidencial?

É essa triste Lu(z)ofonia ao fundo do túnel que faz com que jornalistas esqueçam a ética, a deontologia profissional e os conceitos mais básicos da profissão, como a verificação da autenticidade da informação que recebem e a credibilidade da fonte, antes da sua publicação, apenas porque servem à determinados lobbies de interesse, dentro do espaço lusófono.

É essa Lu(z)ofonia ao fundo do túnel, cada vez mais distante, que faz com que canais televisivos estatais que deviam servir os interesses dos países membros sejam usados como instrumento de propaganda política de determinados políticos e seus grupos de interesse!

É essa Lu(z)ofonia ao fundo do túnel cada vez menos nítida, que guia renomados Constitucionalistas, ao ponto de esquecerem conceitos mais básicos de Direito, como o princípio da Jurisprudência ou que um recurso no contexto eleitoral tem de ser precedido de uma denúncia nos órgãos eleitorais e apressam-se a comentar publicamente acontecimentos políticos de outros Estados lusófonos, de acordo com os seus interesses corporativos…

É essa ténue Lu(z)ofonia ao fundo do túnel que tolera políticos e ex-políticos do espaço lusófono, alguns exilados nos países membros, adquirirem imóveis e outros bens de luxo nesses países, sem que se questione a proveniência dos seus rendimentos! Talvez mais tarde, a esses políticos venha a acontecer-lhes o mesmo que a Isabel dos Santos. Hoje amigos, amanhã talvez não…

Não sei se vou assistir primeiro ao apagar do enorme brilho do meu já velho amigo, ou ao dessa Lu(z)ofonia ao fundo do túnel! Ele que, há muitos anos, pouco tempo depois de nos conhecermos, confidenciou-me que sonhava um dia assistir ao fulgor dessa Lusofonia e à sua vasta influência no desenvolvimento dos povos lusófonos!


por Jorge Herbert, médico da Guiné-Bissau


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -