Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

EUA aproveitam crise na Ucrânia para reverter declínio militar na Europa

Observe como, após a Guerra Fria, os EUA foram perdendo espaço no continente, desviando-se para o Oriente Médio. A saída do Afeganistão sinaliza para a mudança de perspectiva, com a OTAN cercando a Eurásia.

por Michael A. Allen, Carla Martinez Machain e Michael E. Flynn, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Até 8.500 soldados dos EUA podem em breve estar indo para a Europa Oriental – reforçando uma presença militar americana no continente que está em declínio desde o fim da Guerra Fria.

A notícia da possível implantação, anunciada em 24 de janeiro de 2022 pelo Pentágono, ocorre enquanto a Rússia e os Estados Unidos continuam a manobrar diante de uma crise crescente na Ucrânia.

Somos uma equipe de pesquisadores que estuda o desdobramento de tropas dos EUA e como elas afetam a segurança, as percepções, a economia, a esfera social e o meio ambiente dos países anfitriões. Compreender a mudança no compromisso militar dos EUA com os países europeus nos ajuda a entender o que está em jogo na Europa e na credibilidade dos EUA na região.

O presidente Joe Biden sinalizou durante uma coletiva de imprensa em 19 de janeiro que os EUA aumentariam sua presença de tropas nos países da Otan na Europa Oriental se a Rússia invadir a Ucrânia, como parece prestes a fazer. Poucos dias depois, ele instruiu o secretário de Defesa Lloyd Austin a colocar milhares de tropas americanas em alerta redobrado para desdobramento na Europa Oriental.

A decisão foi enquadrada pelo Pentágono como os EUA cumprindo com suas obrigações de proteger a segurança dos aliados da OTAN.

Embora Biden reconheça que a Ucrânia não é membro da OTAN, ele enfatizou que os países vizinhos Polônia e Romênia são, e que os EUA têm a obrigação de protegê-los. Um grande destacamento de tropas – potencialmente para reforçar a presença existente da OTAN nesses dois países – cumpriria essa obrigação.

Os EUA e a Rússia têm sido historicamente cautelosos em não colocar tropas em locais que seriam considerados uma provocação. Eles geralmente evitam a esfera de influência um do outro, mesmo quando respondem às implantações do outro. No entanto, os aliados da OTAN na Europa Oriental, muitos dos quais já foram estados satélites soviéticos, fornecem uma área cinzenta que tanto os EUA quanto a Rússia podem ver como dentro de sua própria esfera de influência.

Implantações militares dos EUA em estados europeus, 1989-2021.

A história das forças armadas dos EUA na Europa

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos enviaram centenas de milhares de militares para a Europa. Esses desdobramentos foram vitais não apenas para estabilizar a Europa Ocidental após a guerra, mas também para exercer a influência dos EUA no ambiente pós-guerra.

As interações entre os Estados Unidos e os países europeus nesse período envolveram a criação de uma série de instituições para ajudar a estruturar as regras e normas das relações internacionais. Essas organizações persistiram em parte porque os Estados Unidos oferecem compromissos de segurança aos países que os aceitam e promovem. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), uma aliança militar estabelecida em 1949 como baluarte do expansionismo soviético, foi central para esses esforços.

No seu auge no final da década de 1950, a presença dos EUA na Europa consistia em cerca de 430.000 soldados, estacionados em lugares como Alemanha Ocidental e Reino Unido

Após o fim da Guerra Fria, a OTAN procurou redefinir a sua missão de uma que limitasse a agressão russa à estabilidade europeia de forma mais geral. Essa mudança na missão veio com a expansão da adesão à OTAN para países da Europa Central e Oriental, como Hungria e Polônia, e os Estados Bálticos da Estônia, Letônia e Lituânia. Com a adesão à OTAN vieram novos destacamentos de membros do serviço dos EUA para esses países.

A OTAN também procurou expandir suas relações com países não-membros em toda a Europa Oriental e Central por meio do Plano de Ação de Adesão, que fornece aconselhamento e assistência aos países que desejam ingressar na OTAN.

Esse impulso para o leste veio com objeções da Rússia na década de 1990, que há muito se preocupa com a segurança de suas fronteiras ocidentais com a Europa. A preocupação da Rússia com a expansão da OTAN para sua fronteira continua hoje, como visto na exigência do presidente Vladimir Putin de que as forças da OTAN recuem de se posicionar em ex-estados soviéticos.

Uma mudança para longe da Europa?

Se os EUA continuarem reforçando sua presença militar na Europa Oriental, reverteriam uma tendência que viu o número de tropas americanas diminuir significativamente na Europa desde o fim da Guerra Fria.

Os ataques de 11 de setembro de 2001, em particular, marcaram uma mudança dramática em onde os EUA concentraram seus desdobramentos de tropas e preocupações de segurança. O início da guerra no Afeganistão em 2001 e a invasão do Iraque em 2003 trouxeram grandes mudanças na posição militar dos Estados Unidos em todo o mundo, uma vez que mudou o foco para a Ásia Central e o Oriente Médio.

Em 1989, os Estados Unidos tinham 248.621 tropas permanentes estacionadas na Alemanha Ocidental, 27.639 no Reino Unido, 15.706 na Itália e 3.382 na Grécia. Em setembro de 2021, o número de tropas dos EUA havia caído para 35.457 na Alemanha, 9.563 no Reino Unido, 12.434 na Itália e 429 na Grécia.

Embora o tamanho das implantações dos EUA na Europa tenha diminuído drasticamente desde o auge da Guerra Fria, elas ainda são muito grandes em relação à maioria das outras implantações dos EUA.

Sem a ameaça da União Soviética, porém, a oposição pública aos desdobramentos estrangeiros também aumentou na era pós-Guerra Fria.

No entanto, tensões crescentes com a Rússia levaram, no passado recente, os presidentes dos EUA a dedicarem ajuda militar adicional e desdobramentos à Polônia e aos Estados Bálticos.

Essa tendência parece destinada a continuar se o Pentágono realmente enviar milhares de tropas para a Europa Oriental em face de uma ameaça de invasão da Ucrânia pela Rússia.


por Michael A. Allen, Carla Martinez Machain e Michael E. Flynn, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

VER…

Boa pergunta

Além Tejo (1)

- Publicidade -