Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 4, 2022

EUA voltam a provocar China com operação militar em Taiwan

A Casa Branca diz que os trânsitos de “liberdade de navegação” de Washington refletirão sua resposta às operações militares “provocativas” da China no estreito.

Apesar de dizer que a visita provocativa da congressista americana Nancy Pelosi a Taiwan não refletia a posição dos Estados Unidos, navios e aviões americanos devem cercar a ilha nas próximas semanas. Isso ocorre em resposta ao maior exercício militar chinês de todos os tempos em torno da ilha rebelde. A Casa Branca também anunciou ambiciosas medidas econômicas para ajudar a ilha, diante das sanções comerciais impostas pela China.

Os EUA planejam realizar novos “trânsitos aéreos e marítimos” no Estreito de Taiwan como resposta à China. Kurt Campbell, coordenador da Casa Branca para questões da Ásia-Pacífico e conselheiro do presidente Joe Biden, disse que, apesar das tensões, as forças dos EUA “continuarão a voar, navegar e operar onde a lei internacional permitir, consistente com nosso compromisso de longa data com a liberdade de navegação”.

“Isso inclui a realização de trânsitos aéreos e marítimos padrão pelo Estreito de Taiwan nas próximas semanas”, disse ele a repórteres.

Campbell não confirmou que tipo de desdobramento seria feito para apoiar as manobras, dizendo que não tinha “comentários sobre a natureza de nossas travessias ou os horários no Estreito de Taiwan”.

Ele disse que Washington deve anunciar um “roteiro ambicioso” para laços econômicos mais profundos com Taiwan após as tensões com a China sobre a ilha autogovernada.

Em resposta aos exercícios da China, os EUA estão reafirmando seu envolvimento na área, enquanto reiteram sua política de “ambiguidade estratégica” – reconhecendo diplomaticamente a China e, ao mesmo tempo, apoiando o autogoverno da ilha.

Esta “ambiguidade estratégica” tem reforçado, cada vez mais, o lugar de Taiwan como um país independente. Altos funcionários americanos têm visitado o território e gerado provocações políticas contra o governo chinês.

O Ministério das Relações Exteriores da Ilha agradeceu a Washington por seu “firme apoio” em um comunicado no sábado que apontou sua “ação concreta para manter a segurança no Estreito de Taiwan e a paz na região”.

Estratégia chinesa

Durante a visita da presidenta da Câmara dos EUA, Pequim realizou seus maiores exercícios militares ao redor da ilha, acusando os EUA de trabalhar contra sua política oficial sobre a China e Taiwan. A China vê a ilha como seu próprio território a ser conquistado um dia, à força, se necessário.

Taiwan acusou a China de usar a visita de Pelosi, a autoridade norte-americana eleita de mais alto escalão a visitar em décadas, como uma desculpa para iniciar os exercícios que Taipei chamou de ensaio para a invasão.

Os exercícios levaram a estratégia política e militar da China a um outro patamar ao aplicar táticas que revelam as potencialidades de uma invasão e cerco ao território. O continente ainda não tinha exercitado nada desse nível contra a ilha. Para os EUA, a provocação de Pelosi acabou alavancando uma operação sem precedentes, que não ocorreria diante da postura discreta que o governo chinês mantinha em relação ao problema de Taiwan.

Enquanto os taiwaneses prolongam o status quo indefinidamente, evitando provocações à China, o presidente Xi Jinping deixou bem claro que 2049 é o prazo absoluto para a unificação, que é o 100º aniversário da fundação da República da China.

Intelectualidade

Junto com a reação militar, o Instituto de Estudos de Taiwan da Academia Chinesa de Ciências Sociais realizou um simpósio na sexta-feira com mais de 30 especialistas sobre a questão de Taiwan reunidos em Pequim para discutir a importância do white paper (documento oficial) recém-lançado intitulado “A questão de Taiwan e a reunificação da China no novo Era.”

O paper reafirma a “inevitável” disposição do governo chinês pela reunificação do território, e foi publicado logo após a provocação de Nancy Pelosi. Os especialistas observaram que as declarações do documento sobre como realizar a reunificação também mostraram a determinação da China pela reunificação e sua sinceridade em realizá-la de maneira pacífica.

“Trabalharemos com a maior sinceridade e envidaremos nossos melhores esforços para alcançar a reunificação pacífica. Mas não renunciaremos ao uso da força e nos reservamos a opção de tomar todas as medidas necessárias. Isso é para evitar interferências externas e todas as atividades separatistas “, diz o white paper.

Zheng Jian, diretor do Instituto de Pós-Graduação para Estudos de Taiwan da Universidade de Xiamen, disse que a força militar é o último recurso e também um método necessário para promover a reunificação pacífica. Quando a economia da China ultrapassar a dos EUA e a deixar para trás por um tempo, quando as relações China-EUA retornarem a um nível equilibrado, quando a capacidade de governança do continente chinês e os níveis material e espiritual da civilização se desenvolverem para um novo nível, as pessoas em Taiwan ter uma nova compreensão do continente, e esta é uma chance para a reunificação pacífica.

O documento também reconhece que a China deve fazer preparativos completos para trocas mais frequentes dos EUA com as forças separatistas em Taiwan, aumentando a presença dos EUA na região. A competição estratégica em torno do Estreito de Taiwan entre a China e os EUA será mais acirrada no futuro e a atual batalha em torno da visita provocativa de Pelosi é o começo.

Os EUA aumentarão as vendas de armas para desenvolver a ilha como um “porco-espinho” com capacidade de guerra assimétrica e promoverá trocas da Guarda Nacional dos EUA com os militares na ilha, disse Yuan Zheng, vice-diretor e membro sênior do Instituto de Estudos Americanos. da Academia Chinesa de Ciências Sociais.

Li Yihu, reitor do Instituto de Pesquisa de Taiwan da Universidade de Pequim, por sua vez, observou que os EUA não sacrificarão um soldado americano em torno de uma ilha chinesa que não é sua prioridade estratégica. Os americanos apenas usam Taiwan para manter uma disputa estratégica nos mares da China. O sumiço de Pelosi e seu porta-aviões, após a visita provocativa e o cerco chinês à ilha, é um indicativo de como deve ficar o governo de Taiwan no futuro.

A guerra por procuração dos EUA com a Rússia, usando a Ucrânia como bucha de canhão também foi mencionada pelos intelectuais chineses.

Finalmente, os analistas destacaram que os taiwaneses não discutem os prejuízos causados pelo separatismo, enquanto poderiam estar focados nos benefícios que terão se reunificando.


por Cézar Xavier |   Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -