Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Julho 3, 2022

Feliz Aniversário, Chico Buarque

Francisco Buarque de Hollanda completa 72 anos, hoje 19 de JunhoNasceu no Rio de Janeiro, em 1944, e começou a sua trajectória profissional ao escrever canções líricas; posteriormente, na época da ditadura militar, protestou contra a falta de liberdade no país.

Em 1965, Chico musicou o poema Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto, para a montagem da peça teatral de mesmo nome que é sucesso até hoje.

Ameaçado pelo regime, auto-exilou-se em Itália em 1969, período em que compôs as canções Apesar de você e Cálice, proibidas pela censura brasileira.

Na ditadura, Chico Buarque fez uma música sofisticada, e não apenas porque tinha de fintar a censura, mas sobretudo porque é um esteta refinado. Na época, algumas esquerdas preferiam a poesia mais crua de Geraldo Vandré e Taiguara, em vez da elaboração estética do autor de Construção e Fado Tropical (espécie de hino alternativo ao hino nacional do Brasil).

Ainda assim, mesmo interpretado parcialmente — quase tão-somente como o artista que, com a sua música, queria fustigar e, até, derrubar a ditadura —, era amado e idolatrado pelas esquerdas e abominado pelos sectores mais radicais da direita. A direita inteligente, mais liberal, sempre apreciou a sua música.

O curioso é que poucos, excepto os críticos que se debruçam detidamente sobre a sua música, percebem que, enquanto criticava o regime militar, o autor de Mulheres de Atenas e Olhos nos olhos, também falava de amor, da sua potencialidade em quaisquer circunstâncias.

A presença do belo é constante na obra de Chico Buarque. A ditadura era um de seus temas, dos principais, mas não o único. O que o compositor usou para fintar a censura foram as muitas armas da palavra escrita, que domina como poucos.

Na fase de redemocratização, Chico tornou-se um cronista da vida brasileira denunciando, nas suas composições, aspectos sociais, económicos e culturais do país, como os menores abandonados, as prostitutas; e cantou os amantes, o tempo, as cidades, as crianças, entre outros.

Para além do músico, do dramaturgo e do escritor, temos o Chico Buarque político; assim como o pai, Sérgio Buarque de Holanda, da tradição dos historiadores-pensadores, fundador do PT, em 1980.

Chico Buarque é um fenómeno cultural que parecia consensual mas, face às suas posições políticas, começou a ser “atacado” nas redes sociais e, mesmo, em textos mais elaborados de intelectuais e jornalistas da direita.

Permanecendo de esquerda, volta e meia, aparece publicamente para defender as suas causas.

A actual é a presidente Dilma Rousseff. Ele é contra o impeachment e, provocado nas ruas, chegou a “atacar” o PSDB, apelidando-o de “bandido”. Chico Buarque sabe que o PT permitiu que a corrupção, que já existia, crescesse, mas não aceita que a presidente Dilma Rousseff seja corrupta e, por isso, deva ser substituída.

Ao longo da sua carreira, foi parceiro de composição e intérprete de grandes sucessos dos maiores artistas da MPB, como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Toquinho, Milton Nascimento, Ruy Guerra e Caetano Veloso.

Entre os prémios que lhe foram atribuídos estão: Troféu Imprensa, Prémio Jabuti, Grammy Latino e Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

A impostora

Titãs cantam: “Comida”

UNITA desmente MPLA

- Publicidade -