Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

George Gershwin | A vida é improviso

José Alberto Pereira
Professor Universitário, Formador Consultor e Mestre em Gestão

“A vida é muito parecida com o jazz … fica melhor quando se improvisa”. Quem o afirmou foi um jovem pianista e compositor de 14 anos de idade, nascido a 26 de setembro de 1898 no Brooklyn, em Nova Iorque. O seu nome era Jakob Bruskin Gershowitz, tinha ascendência judaica russa e lituana, mas ficou conhecido para a história da música como George Gershwin.

George Gershwin foi um compositor e pianista norte-americano, cujos temas se integraram em géneros musicais tanto populares como clássicos. Entre as suas obras mais conhecidas estão sinfonias como “Rhapsody in Blue” (1924) e “An American in Paris” (1928), canções como “Swanee” (1919) e “Fascinating Rhythm” (1924), jazz standards como “I Got Rhythm” (1930) e óperas como “Porgy and Bess” (1935), que incluiu o magnífico tema “Summertime”.

George Gershwin, em 1918, com 20 anos

Gershwin estudou piano com Charles Hambitzer e composição com Rubin Goldmark, Henry Cowell e Joseph Brody. Começou a carreira como compositor de canções populares, passando rapidamente a compor músicas para os teatros da Broadway, com o irmão Ira Gershwin e o amigo Buddy DeSylva. Residiu algum tempo em Paris, com o objetivo de estudar com Nadia Boulanger, mas esta recusou. Durante esse período compôs “An American in Paris”.

No regresso a Nova Iorque, escreveu “Porgy and Bess” com Ira e DuBose Heyward. A ópera começou por ser um fracasso comercial, mas com o passar do tempo veio a ser a ser considerada como uma das mais importantes óperas americanas do século XX e um clássico cultural americano. Pouco tempo depois Gershwin mudou-se para Hollywood e continuou a compor até à sua morte em 1937 de um cancro no cérebro. Os seus temas foram adaptados para filmes e televisão e alguns deles tornaram-se jazz standards, gravados em inúmeras versões.

A sua carreira como compositor musical começou na Tin Pan Alley de Manhattan, bem pertinho da Bradway. Foi o germinar de uma carreira profícua, que inclui mais de 20 musicais, 10 obras orquestrais, duas sinfonias para piano, 2 óperas e bandas sonoras para cinco filmes. Foi também o nascimento de um músico de exceção, pianista virtuoso e compositor genial, reconhecido e respeitado em toda a América e no mundo, defensor convicto do poder da música popular como forma de expressão de histórias, tradições e culturas.

Os prémios, reconhecimentos e tributos não mais pararam desde a data da sua morte. Em 1937 foi indicado para o Óscar da Academia por “They Can’t Take That Away From Me”, apenas dois meses após a sua morte. Em 1945 é lançado um filme sobre a sua vida, com Robert Alda no principal papel, inevitavelmente chamado “Rhapsody in Blue”. Reedições, versões e raridades vão sendo lançadas a um ritmo elevado ao longo dos anos. Em 1979 Woody Allen constrói a banda sonora de “Manhattan” apenas com músicas de Gershwin, terminando o filme com esta frase: “Ele adorava Nova Iorque. Para ele não importava a época, seria sempre uma cidade que existia a preto e branco e pulsava com as grandes melodias de George Gershwin.”

Gershwin está um pouco por toda a parte em Nova Iorque. Num teatro na Broadway, no hotel em Manhattan, no Hall of Fame em Long Island ou numa escola no Bronx, o seu nome é um marco na história da cidade. Mas também na história dos Estados Unidos, que premiou a sua genialidade e dedicação com uma Medalha de Ouro do Congresso e com um Pulitzer especial, entre muitas outras distinções. Uma carreira pródiga de um prodígio que, como ele próprio dizia, quando estava no seu estado normal lhe escorria música pelos dedos.

 

Vídeos

 

 

 


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -