Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 8, 2022

Gilberto Gil canta: “Chiquinho Azevedo”

Através de uma cena do cotidiano o poeta denuncia o descaso do sistema de saúde com a população pobre e ressalta o perigo da medicina, impregnada pela lógica capitalista, estar se tornando uma mercadoria.

Chiquinho Azevedo

Composição: Gilberto Gil/1997
Intérprete: Gilberto Gil

Chiquinho Azevedo
Garoto de Ipanema
Já salvou um menino
Na Praia, no Recife
Nesse dia Momó também estava com a gente

Levou-se o menino
Pra uma clínica em frente
E o médico não quis
Vir atender a gente
Nessa hora nosso sangue ficou bem quente

Menino morrendo
Era aquela agonia
E o doutor só queria
Mediante dinheiro
Nessa hora vi quanto o mundo está doente

Discutiu-se muito
Ameaçou-se briga
Doze litros de água
Tiraram da barriga
Do menino que sobreviveu finalmente

Muita gente me pergunta
Se essa estória aconteceu
Aconteceu minha gente
Quem está contando sou eu
Aconteceu e acontece
Todo dia por aí
Aconteceu e acontece
Que esse mundo é mesmo assim

Chiquinho Azevedo
Teve muita coragem
Lá na Boa Viagem
Na praia, no Recife
Nesse dia Momó também estava com a gente


Fonte: Centro de Memória Sindical  |  Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial Rádio Peão Brasil / Tornado

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -