Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Golpe de estado na Bolívia teve apoio externo e das Forças Armadas

M. Azancot de Menezes
PhD em Educação / Universidade de Lisboa

A Bolívia, depois do golpe de Estado com o apoio dos EUA e Brasil, que obrigou à renúncia de Evo Morales, corre o risco de caminhar para uma ditadura com a conivência das Forças Armadas e da extrema direita.

Evo Morales, presidente da Bolívia antes do golpe de estado, foi obrigado a renunciar por pressão das chefias militares, na medida em que foi o general Williams Kaliman a “solicitar” que Morales, sob o pretexto de haver violência, renunciasse para se resolver o “impasse na crise política” provocado após a sua vitória nestas eleições presidenciais com mais de 40% dos votos.

Extrema direita manipulou vários sectores sociais com informações distorcidas

A ajuda ao golpe militar na Bolívia que derrubou o presidente Evo Morales, na opinião de Luís Arce, antigo ministro, segundo declarações prestadas à BBC News, teve apoio de empresários.

De facto, ainda esta madrugada tive oportunidade de ouvir depoimentos de analistas, tais como Aumauri Chamorro, localizado em Bruxelas, e Daniel Cara, cientista político no Brasil, e a opinião generalizada é a de que os elementos de extrema direita instalados na Bolívia souberam explorar sectores da  classe média, principalmente da Província de Sta. Cruz, e de alguns movimentos universitários menos avisados.

Por informações distorcidas alguns sectores universitários aderiram ao golpe de estado, totalmente manipulados pela ultra direita do país. Esta é a verdade que não se conta, quer a renúncia de Morales não ser devidamente explicada, quer a saída de parte da população à rua, nomeadamente os tais movimentos universitários que “queriam” a saída de Morales, terem sido manobrados por Fernando Camacho, como se sabe, líder evangélico de extrema direita e altamente envolvido no golpe militar.

Esta forma de actuar que antecede golpes de Estado no sentido mais tradicional, verificada em outros contextos, era previsível. Efectivamente, como também está a ser amplamente divulgado em meios de comunicação social, no caso da Bolívia, houve apoio do exterior, em particular dos sectores conservadores dos EUA e do Brasil, havendo mesmo relatos de contactos directos entre Jair Bolsonaro e Fernando Camacho.

Sabe-se que o líder da oposição boliviana, Fernando Camacho, conotado com a extrema direita, considerado agora o Bolsonaro da Bolívia pelas suas posições religiosas, é o homem que tem  o apoio dos golpistas, com o auxílio formal da ala conservadora das Forças Armadas bolivianas.

Na verdade, os golpistas terem apoio da extrema direita não causa espanto a ninguém porque Fernando Camacho, empresário, é filho de um dos homens que trabalhou com o ex-ditador Hugo Banzer Suárez, general boliviano que foi presidente por duas vezes em contexto de ditadura militar.

 

 

Evo Morales parte para o México após renúncia forçada e ameaças de morte

A situação na Bolívia após o golpe de estado provocou o caos. Muitas casas de dirigentes ligados a Morales foram incendiadas e diz-se que a casa da irmã também foi saqueada. Familiares de governadores,  deputados e dirigentes do MAS (Movimento para o Socialismo) foram ameaçados e vários ministros e o presidente da Câmara dos Deputados foram obrigados a renunciar pelas Forças Armadas.

Neste cenário, o presidente eleito da Bolívia com mais de 40% dos votos, em virtude de estar a sofrer sérias  ameaças e de correr risco de vida, após a sua residência ter sido saqueada por apoiantes golpistas, de haver casas incendiadas e de diversos sequestros de militantes do MAS, aceitou asilo político no México.

Ao abandonar a Bolívia, o presidente boliviano deposto demonstrou a sua revolta, tendo afirmado que  iria “abandonar o país por razões políticas..” e que “voltaria com mais força e energia”. Na minha opinião o presidente Evo Morales demonstrou um grande sentido de Estado em defesa do seu povo, tudo para tentar evitar uma guerra civil sangrenta.

O México foi um dos primeiros países a denunciar o golpe de Estado ocorrido na Bolívia. O seu presidente defendeu que deve haver novas eleições o mais rapidamente possível, tendo criticado fortemente o golpe, afirmando que “os golpes militares nunca trouxeram nada de positivo” porque “suspendem a vida democrática, as liberdades e os direitos das pessoas..”.

Residência de Evo Morales saqueada pelos golpistas

 

Situação social e política na Bolívia é grave e pode originar guerra civil

O que se está a passar na Bolívia é muito preocupante. Sabendo-se que Morales é o homem forte da Bolívia, há notícias de que os líderes do MAS estão a ser perseguidos e torturados por milícias com o claro intuito de se criar pânico junto dos apoiantes de Morales para estes não participarem em próximas eleições, que serão inevitáveis.

Por outro lado, é preciso ter em atenção, há neste momento um movimento crescente de contestação social contra o golpe militar, uma forte reacção popular dos movimentos sociais e de indígenas que descem da cidade mais alta em direcção a La Paz, receando-se o pior, com possíveis confrontos que poderão originar uma guerra civil na Bolívia.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -