Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 16, 2021

19 de Outubro de 1921: A Noite em que a República se Suicidou

José Mateus
Analista e conferencista de Geo-estratégia e Inteligência Económica

Foi a chamada “Grande Noite Sangrenta” ou a noite em que a República matou o pai e se suicidou. Uma noite que quase um século depois continua um mistério. 

Um mistério que resiste ao tempo e em que, aparentemente, ninguém tem estado interessado em esclarecer ou ver esclarecido.

O almirante Machado dos Santos (o pai da República) e vários outros altos dirigentes republicanos, incluindo o primeiro-ministro em funções, são arrancados das suas casas e vão sendo escabrosamente liquidados a tiro e a golpes de armas brancas.

Quando estamos na véspera de comemorar um século sobre o mais vergonhoso e triste momento de toda a história republicana é mais do que tempo de esclarecer este mistério e seus enigmas que acabaram por determinar muito do que foi o nosso século XX. E muito para além do que pretendiam e de forma muito diferente…

É necessário e urgente tal esclarecimento. Até para perceber como o golpe de 28 de Maio de 1926 (liderado por um “Herói da Rotunda”, um dos que tinha proclamado a República em 1910…) foi apenas o funeral dessa I República que se suicidara quatro anos antes.

E, num país com este histórico de magnicídios, Salazar ainda teve o topete de “explicar” que este era “um país de brandos costumes”. Mentindo por conveniência, Salazar lançou, como dizia o Eça, “sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia”. A história do nosso século XX anda embrulhada em “mantos diáfanos de fantasia” e outras narrativas de conveniência. E isso é inaceitável, trágico e perigoso.


Exclusivo Tornado / IntelNomics


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorO místico
Próximo artigoCarta à minha memória
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -