Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Agosto 19, 2022

A Guerra à velocidade da vida

Paulo Vieira de Castro
Paulo Vieira de Castrohttp://www.paulovieiradecastro.pt
Autor na área do bem-estar nos negócios, práticas educativas e terapêuticas. Diretor do departamento de bem-estar nas organizações do I-ACT - Institute of Applied Consciousness Technologies (USA).

velocidade da luz e do som | guerra pelo espaço

Esses são símbolos  da guerra à velocidade da luz e do som. A  próxima guerra será silenciosa, à velocidade da vida.

Qualquer um perceberá que o caos se instalará se os sistemas de satélites forem atacados. Pára tudo…

Sem entrar em grande detalhe direi que os mercados financeiros dependem da exactidão da hora e da velocidade da informação retransmitida pelos sistemas de satélite. As redes de metro, a televisão, as caixas multibanco,  a internet, até as bombas inteligentes tornar-se-ão brutalmente estúpidas na ausência destes sistemas.

Os diligentes drones não conseguirão  trocar informação com as suas bases, assim como os barcos de guerra verão deteriorar-se a comunicação com os respectivos comandos. A aviação comercial ficará em terra por falta de informação de apoio à  navegação. Estações  de energia e  de tratamento de água ficarão descontroladas.  Conclusão? O caos…

Parece uma cena de ficção científica mas não é!

A boa notícia é que enquanto ouvirmos o som dos teclados de computador ainda estamos longe deste pesadelo. Claro que os cyber ataques  se dão, igualmente,  à velocidade da vida, afectando-a irremediavelmente. E estes acontecem já enquanto escrevo este texto. Mas é uma outra guerra…

A guerra pela supremacia do espaço já começou

São referidos como marcos históricos da guerra espacial a destruição em 2007 de um pequeno satélite chinês  pelo seu congénere  kamikaze Shiyan  e, mais recentemente, o lançamento do satélite espião russo Kosmos 2499, no espaço desde Setembro de 2014.

Neste momento existem no espaço máquinas capazes de raptar satélites. Outras de os silenciar ou destruir, anti-satélites, kamikazes, etc. Ainda, na guerra espacial desde a terra  existem armas laser e drones que conseguem atingir o  espaço sideral com propósitos diversos.

Nesta guerra nada está fora dos limites porque não há limites. Ao contrário do que acontece com as guerras no terreno, não haverá sequelas, apenas a primeira guerra  espacial ocorrerá. Entretanto alguém terá de conseguir controlar os mais de 10.000 objectos que circulam à volta do planeta. Para além de satélites existem pequenas porções de lixo viajando  20 vezes à velocidade do som.

A solução para muitos destes problemas parece estar na criação de uma nova rede de micro satélites do tamanho de uma torradeira.

2018 será o ano da chegada dos chineses ao lado escuro da lua. E, nesse mesmo ano os  EUA poderão contar com a nova geração GPS3.

Conclusão, a nossa segurança depende, exclusivamente, do espaço. A criação de uma força santuário torna-se essencial para que isso possa acontecer.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -