Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Julho 1, 2022

Guerra nos Portos: Multinacional ao ataque para «afundar» as empresas nacionais…

José Mateus
José Mateus
Analista e conferencista de Geo-estratégia e Inteligência Económica

Os portos são (sempre foram) estratégicos para a sobrevivência, defesa e desenvolvimento de Portugal, um país marítimo, formado por um território arquipelágico e que exerce a sua soberania muito mais sobre “água” do que sobre “terra firme”. Por isso, os portos são, para Portugal, mais do que “economia”. São estratégicos. Cabem, portanto, na definição europeia de “Operadores de Importância Vital“. O “Código da Defesa” francês, por exemplo, define os “OIV” como organismos que “exercem actividades compreendidas num sector de actividade de importância vital” para o País. A identificação dos “OIV” é feita pelo Estado e submetida à classificação “Secreto” (aliás, a divulgação ontem pelo Ministério francês do Ambiente de elementos classificados relativos a alguns “OIV” está a provocar escândalo e crise no governo de Macron…).

Em Portugal, com a incompetência e a leviandade costumeiras, tudo isto é “tratado por cima da burra”… Reina a “lei” do faroeste e qualquer malandro do antigo Cais do Sodré (o actual está feito “coisa fina”) se pode armar em Dalton ou Billy the Kid. E manipular tudo e todos a seu bel-prazer!

Uma notícia na última edição da revista especializada “Cargo” dá bem a ideia de como uma multinacional pode desembarcar num dos nossos portos e começar a ditar regras e a fazer-se obedecer… Conclusão: A Pátria está mesmo a precisar de um Estado que lhe garanta Defesa, Segurança e Desenvolvimento!

Exclusivo Tornado / IntelNomics

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -