Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Fevereiro 24, 2024

Há 100 anos o exército alemão abria caminho para o nazismo

Em 1923, com a Alemanha dominada pela hiperinflação e insurgentes de extrema direita, os Social Democratas e Comunistas formaram um governo conjunto na Saxônia. Foi um experimento pioneiro na democracia da classe trabalhadora – antes dos militares o derrubarem.

Por um século, o ano de 1923 representou uma séria crise na auto-compreensão política da Alemanha. Foi um ano conhecido por inflação galopante, a ocupação franco-belga de Rhine e Ruhr, e finalmente o assim chamado “beer hall putsch” de Adolf Hitler, em Munique. Depois desse ano de crise, assim vai a narrativa padrão, as coisas voltaram a andar para frente na Alemanha. A estabilização foi logo seguida pelos “Loucos Anos 20”, a era feliz sob o chanceler liberal Gustav Stresemann.

Ataque da Saxônia

Muito menos atenção é dada para os eventos no estado alemão da Saxônia. Mas, aqui também a opinião entre os historiadores convencionais é quase unânime. As políticas dos governos de esquerda da Saxônia sob o ministro-presidente Social Democrata (SPD), Erich Zeigner, apoiado pelo Partido Comunista (KPD), é dita ter desestabilizado a Saxônia e a República de Weimar como um todo, encorajado uma tentativa de golpe comunista, e aberto a porta para a influência de “Moscou”.

Foi necessário que o Exército Alemão, ou Reichswehr, marchasse para o estado para depor o governo. O assim chamado Sachsenschlag, ou “ataque da Saxônia”, do exército é tudo o que preservou a república. Um livro didático escolar de 2021, Edition Geschichte, Gesellschaft konkret, resume essa interpretação sucintamente: “Na Turíngia e na Saxônia, o KPD e os Social Democratas de esquerda formaram governos de trabalhadores em uma tentativa de estabelecer um estado comunista. Essas tentativas de revolução foram derrubadas pelo exército”.

Essa interpretação simplesmente não se sustenta. De fato, a ação do Reichswehr destruiu um importante baluarte democrático contra a extrema direita. Também serviu para pacificar o poderoso governo de extrema direita de Gustav von Kahr na Bavária, que aspirava estabelecer uma ditadura fascista sob sua própria liderança, ao invés de destruí-la. A Saxônia democrática, que procurava defender a constituição de Weimar, era meramente um peão.

Talvez, alguém pode argumentar, o governo de esquerda na Saxônia também é esquecido porque os comunistas pareciam preparados para apoiar, ou pelo menos trabalhar dentro, do sistema político parlamentar por um tempo. Isso obviamente não se encaixa na narrativa predominante da historiografia de Weimar, que pinta a esquerda como representando um perigo maior do que a direita. Em qualquer caso, uma coisa é clara: retratar o governo de trabalhadores da Saxônia principalmente como uma ameaça para a República de Weimar é insustentável.

Um começo difícil

A pesquisa histórica recente cada vez mais mostra que o fracasso da República de Weimar não foi apenas culpa daqueles que deliberadamente a destruíram – particularmente os comunistas, fascistas e grandes industriais – mas, indiretamente daqueles que hesitaram apoia-la sem reservas, especialmente os Social Democratas. Porque o SPD procurou desacelerar a revolução democrática ao invés de impulsiona-la para mais longe, como teria sido necessário da perspectiva de hoje. As velhas estruturas na política, sociedade e economia não mudaram fundamentalmente, o poder das velhas elites não foi restrito, e os militares não foram sujeitos ao controle democrático. Isso foi, realmente, um fardo pesado para a república.

Essas fraquezas estruturais já eram muito aparentes em 1923, não apenas no início dos anos de 1930. A Alemanha ameaçou escorregar para uma ditadura nesse estágio inicial. As aspirações das forças reacionárias se tornaram mais e mais aparentes e a ameaça da Bavária fascista cada vez mais forte. Do outro lado, as forças democráticas estavam ficando mais fracas – especialmente os sindicatos livres, que pareciam impotentes em face da crescente crise econômica e tinham perdido muitos membros como resultado.

Democracia mais “social”

Na Saxônia, do outro lado, os socialistas e comunistas tentaram implementar mudanças estruturais decisivas. O projeto de esquerda republicana foi um contra projeto para a tendência de direita na Alemanha como um todo, com o objetivo de gradualmente transformar o país em uma democracia mais “social”.

A Saxônia, a região mais economicamente desenvolvida na Europa Central na virada do século, não era apenas o berço da social democracia, mas também sua fortaleza. O SPD tinha sido consistentemente a força política mais forte no estado, mesmo quando as circunstâncias políticas e as constituições da Saxônia e do Reich alemão restringiram seu desenvolvimento. Depois da revolução, então, na Saxônia – diferente de no resto do país – um governo com legitimidade parlamentar estava pronto para seguir esse novo caminho, mesmo contra a resistência de uma poderosa minoria burguesa conservadora.

A fome e a inflação levaram os trabalhadores para as ruas

As condições caóticas de 1923, que atingiram a Saxônia particularmente forte, reforçaram esse desejo. A fome e a inflação levaram os trabalhadores para as ruas. Agora ou nunca – esse era o humor na esquerda política. Ela agora tinha a oportunidade de perceber suas ideias e levar a cabo uma revolução na política, economia, e também no sistema de educação – em uma base inteiramente legal.

Contudo, é questionável se governar contra a tendência no resto do país, contra o governo nacional, contra os muito “conservadores” Social Democratas de Berlim, e contra a burguesia econômica na própria Saxônia era possível em um estado pequeno como esse. Além disso, o SPD tinha consistentemente apenas uma maioria parlamentar muito vacilante e estreita no parlamento da Saxônia. Ela dependeu da tolerância do KPD até 10 de outubro. Apenas depois que o KPD entrou no governo ele aproveitou uma estreita maioria de dois assentos, mas mesmo assim, os padrões de votação dos comunistas da Saxônia continuaram altamente incertos. O fato de que os Social Democratas de esquerda mesmo assim fizeram uma tentativa dessas, portanto, fala a sua coragem.

O projeto de esquerda republicana

Apesar de enfrentar massiva resistência da burguesia, dos conservadores e da Associação de Industriais da Saxônia (VSI), o projeto de transformar gradualmente a Saxônia em uma democracia socialista começou tão cedo quanto no início dos anos de 1920. Gabinetes anteriores liderados pelo membro do SPD Wilhelm Buck, governos muitas vezes de minoria apoiados pelo KPD, iniciaram importantes reformas em áreas como política escolar. As coisas decolaram quando Zeigner assumiu as rédeas do governo, em 21 de março de 1923. Zeigner, um homem cujo histórico provou ser polarizador mesmo entre historiadores, pertencia a “jovem guarda” do SPD, que impulsionou o projeto democrático socialista na Saxônia para frente.

Contudo, Zeigner tinha apenas poucos meses para ver o seu projeto. Suas opções também estavam severamente limitadas pelo estado de emergência imposto pelo governo nacional e, acima de tudo, pela crise econômica. Medidas na direção da transformação econômica eram então dificilmente possíveis. Em outras áreas, contudo, o governo foi bem-sucedido em iniciar importantes reformas, que foram então brutalmente encurtadas pela invasão ilegal do Reichswehr.

Por exemplo, enquanto servindo como Ministro da Justiça sob Buck, Zeigner tinha impulsionado pela republicanização do judiciário. Ele promoveu o estabelecimento da Associação Republicana dos Juízes e repreendeu juízes e promotores públicos que eram abertamente opostos a República de Weimar. Além disso, ele procurou dirigir a atenção do judiciário mais para o contexto social dos crimes. Isso representou começos esperançosos.

Medidas de reestruturação comparáveis também aconteceram na polícia. Até então, a esquerda política tinha geralmente visto a polícia como bandidos a serviço das autoridades, mas agora eles estavam para ser transformados em uma importante agência para o novo estado democrático, um novo estilo de trabalho estava para ser introduzido, a ideia de que os trabalhadores eram o inimigo estava para ser desmantelada, o relacionamento com as autoridades estava para ser redefinido, e a estrutura interna da polícia estava para ser democratizada tanto quanto possível.

Treinamento da democracia

De agora em diante, a polícia estava para ser animada por uma visão de mundo democrática e uma compreensão das necessidades da população trabalhadora. “Treinamento da democracia” para todo o pessoal da polícia, assim como a introdução de comissários do governo para monitorar a conduta democrática da polícia, foram passos importantes nessa direção.

Uma reforma constitucional municipal também introduziu o princípio do autogoverno democrático nas municipalidades, com um foco em democratizar a lei eleitoral. O objetivo da reforma era quebrar a dominância dos liberais de décadas de duração que repousava sobre uma lei eleitoral não democrática. Em 1923, o projeto republicano de esquerda concedeu às municipalidades uma constituição que era mais democrática do que a de qualquer outro estado da república – e claramente à frente de seu tempo.

A reforma mais bem-sucedida do governo Zeigner, mas também a mais controversa, foi em política educacional – uma questão cara para muitos corações socialistas. O princípio da seleção social, que tinha por muito tempo definido a educação na escola primária na Alemanha, estava finalmente para ser abolido. Ele estava para ser substituído por uma escola comum para todos, livre de doutrinações políticas e religiosas, secular e acessível para toda a população, e baseada nos princípios do movimento da Nova Educação. Isso constituiu uma revolução cultural. A igreja, empresários, conservadores e até muitos liberais estavam indignados com o prospecto e implantaram todos os meios possíveis para tentar impedir a implementação da reforma.

Jovem esquerda da Saxônia

Os principais apoiadores do projeto republicano de esquerda estavam na esquerda do SPD. Não poderiam falar de unidade entre os Social Democratas da Saxônia, mesmo em 1923. A maioria dos camaradas mais velhos, que tinham sido socializados no German Reich pré-guerra, defendiam um curso de reforma mais modesto. Os sindicatos adotaram uma posição similar. A maioria dos membros do parlamento do estado do SPD também não eram proponentes convencidos do projeto republicano de esquerda.

Ao invés disso, o projeto foi essencialmente executado pela “juventude” do SPD da Saxônia, os novos membros que tinham se unido ao partido apenas após a Primeira Guerra Mundial. Não ainda firmemente integrados na disciplina do partido, eles rejeitavam o ossificado “pragmatismo” do estabelecimento e procuravam avançar um novo tipo de política socialista separada das preocupações dos mais velhos do partido. Graças a seu ativismo incansável entre os operários, eles logo foram bem-sucedidos em trazer uma mudança para a esquerda. Eles mesmo conseguiram reunir o partido como um todo atrás da ideia de cooperar com os comunistas. Muitos Social Democratas, contudo, concordaram com esse novo caminho apenas relutantemente, até por causa de suas experiências negativas com os comunistas até aquele ponto. Em março de 1923, contudo, os “jovens esquerdistas” foram bem-sucedidos em passar sua agenda. Apenas abordando o KPD, o SPD seria capaz de assegurar suas novas políticas no parlamento.

Erich Zeigner em 1948. Foto: Wikipedia

O jovem Zeigner foi uma figura chave nesse projeto. Servindo atrás da linha de frente durante a guerra, ele se uniu a Social Democracia apenas em 1919 – e não aos Social Democratas Independentes (USPD) de esquerda, mas a “maioria” mais conservadora (M)SPD. Sua decisão demonstra que ele procurou conduzir a política dentro da estrutura da constituição da república. Zeigner tinha um passado burguês e um doutorado em lei. Tais números eram mais que raros no movimento socialista. Esse fato, assim como sua filiação com a ala esquerda do partido, baseada na cidade de Chemnitz, facilitou sua rápida ascensão. Ele se tornou Ministro da Justiça já em 1921.

A falta de amigos socialistas de Zeigner foi, em um sentido, uma vantagem. Isso deu a ele uma certa liberdade política e garantiu o apoio de muitos dos “jovens”, mas por outro lado também foi uma desvantagem, enquanto ele não estava firmemente integrado ao partido e suas instituições e não exibia o mesmo “pedigree” socialista.

Ele também tinha falta de habilidades táticas, tanto em relação a seus hesitantes camaradas, quanto em relação ao governo nacional e os Social Democratas em Berlim. Isso também foi evidente em seus ataques às ações ilegais do Reichswehr, que ele repetidamente denunciou em público. Ele também interferiu na política externa alemã, o que virou o governo nacional contra ele e seu governo ainda mais. Acima de tudo, contudo, eles desaprovavam sua cooperação com o KPD.

Ainda assim, Zeigner não era de nenhum modo ingênuo em sua cooperação com os comunistas. Ele sabia que eles podiam ser confiáveis apenas dentro de um limite, porque suas decisões eram significativamente influenciadas pela política seguida em Moscou, que procurava lançar uma revolução mundial. Quando o governo foi reconstituído, ele então manteve seus ministros longe de posições em que eles podiam ter tido acesso a armas ou a polícia.

Mesmo nos esquadrões de combate conjuntos (usualmente desarmados) dos Cem Proletários, um pesadelo para o Exército Alemão, os Social Democratas sempre estavam na maioria. Todos os membros do governo juraram lealdade a constituição. Por último, mas não menos importante, os Social Democratas eram de longe a força mais firme no governo conjunto: nas eleições em 8 de novembro de 1922, o SPD tomou 41,8 por cento dos votos, enquanto o KPD ganhou apenas 10,5 por cento.

Portanto, não podemos deixar de nos perguntar o que os inimigos do projeto perceberam como uma ameaça, e encontrar a resposta no fato de que a maioria deles estavam mais preocupados com suas possessões materiais do que com a preservação da democracia. Eles temiam a influência dos comunistas revolucionários, desconfiavam de suas aberturas políticas amigáveis, e de bom grado aceitavam sua linguagem revolucionária, anticonstitucional e não menos violenta pelo valor de face. Isso foi suficiente para classificar a esquerda como mais perigosa que a direita – um erro grave, como a história mostraria.

Moscou – Berlim – Dresden

O comportamento dos comunistas no governo era fundamental para o sucesso do projeto. Contudo, suas ações não eram determinadas apenas pelos próprios comunistas da Saxônia, mas também pelo balanço de forças no triângulo comunista entre Dresden, Berlim e Moscou.

Foto de arquivos dos trotskistas britânicos Henry Sara e Frank Maitland, da Alemanha durante os anos tumultuados anos pós a Primeira Guerra Mundial. Dresden, outubro de 1923. Foto: Arquivo da Universidade de Warwick

Os laços próximos do partido com a Internacional Comunista, em Moscou, claramente distinguiam a situação dos comunistas da Saxônia da de outros partidos políticos. A Terceira Internacional procurou executar uma (violenta) revolução mundial via Alemanha, mas exatamente como isso era para ser feito era altamente controverso em Moscou, onde batalhas ferozes sobre a sucessão de Vladimir Lenin estavam sendo travadas na época.

Mesmo assim, Moscou exigia obediência do partido na Saxônia. Berlim exigia o mesmo. Contudo, suas respectivas ideias não eram sempre coincidência. Isso foi uma fonte considerável de tensão, mas também criou um certo espaço político no qual os comunistas da Saxônia podiam manobrar.

O Partido Comunista da Saxônia, que tinha recebido cerca de 267.000 votos nas eleições estaduais de 1922 (o SPD ganhou mais de um milhão), não era um clube para debater teoria, mas um movimento social de na maioria jovens camaradas altamente determinados socializados no meio proletário que tinham – e queriam – que fazer decisões concretas na base.

Além disso, apesar da retórica revolucionária que era comum na Saxônia, em grandes partes do estado as verdadeiras diferenças com a ala esquerda do SPD eram muito menores do que “ordenado” por Moscou e Berlim. Essa atitude “moderada” foi principalmente devido ao fato de que os líderes comunistas no movimento dos trabalhadores da Saxônia tinham mantido boas conexões com a esquerda da Social Democracia por anos.

Heinrich Brandler, por exemplo, que simultaneamente manteve posições de liderança na Saxônia, Berlim e Moscou, foi um apoiador explícito da frente unida socialista como um resultado de suas experiências em Chemnitz, em contraste com a liderança do KPD, em Berlim, ao redor de Ruth Fischer.

Protesto Antifascista em Dresden, Alemanha, outubro de 1923

Paul H. Böttcher, que tinha passado muitos anos como um sindicalista e jornalista, e em 1923 serviu como presidente do grupo parlamentar estadual do KPD, também estava entre os apoiadores do projeto republicano de esquerda. Isso também era verdade para Friedrich Heckert, que era ativo em Chemnitz, a fortaleza do KPD na Saxônia. O antigo membro líder do Grupo Spartacus também havia se transformado em um realista e apoiado a cooperação temporária com a esquerda do SPD.

De acordo com suas próprias declarações, todos os três líderes do KPD queriam destruir a República de Weimar, executar a revolução mundial em nome da Terceira Internacional, preparar a ditadura do proletariado, e mesmo “liquida-la”. O modo para conquistar esse objetivo, contudo – e isso os distinguia das lideranças em Berlim e Moscou na época – era através da cooperação temporária com o SPD. O que seguiria depois disso restava ver.

O KPD na Saxônia então exigiu autonomia, embora discretamente. Ele não estava preparado para desistir das posições de poder que ele já tinha adquirido por um golpe com um resultado muito incerto. Acima de tudo, ele entendia o balanço de forças e quem tinha a maioria no estado e que um golpe podia não ser bem-sucedido. A Saxônia não estava pronta para a revolução – pelo menos não ainda.

Em 21 de outubro, encarando uma iminente invasão pelo Exército Alemão, todas as forças importantes no movimento dos trabalhadores da Saxônia se juntaram – comunistas, social democratas, e sindicalistas. O KPD queria convocar uma greve geral – eles já tinham abandonado falar de uma revolta violenta – e assim limpar o caminho para uma revolução comunista. Mas, a assembleia rejeitou a moção de Brandler quase unanimemente, e os líderes do KPD se curvaram a votação sem reclamar. Eles provaram ser bons democratas.

Aceitando essa decisão, a liderança do KPD da Saxônia provavelmente evitou o tipo de banho de sangue que uma revolta desesperada teria significado. Na historiografia comunista, contudo, Brandler e seus camaradas em armas foram daí em diante considerados renegados. Ernst Thälmann, do outro lado, que iniciou uma revolta completamente sem sentido em Hamburgo, se tornou o herói do KPD.

O ataque da Saxônia

Olhando mais de perto as reformas implementadas na Saxônia e as ações do KPD no governo, é difícil ver o que era tão perigoso sobre o projeto que o exército tinha que esmagá-lo. O modelo concebido na Saxônia foi meramente a social democracia no sentido mais verdadeiro. Ele representou uma alternativa política dentro da estrutura da constituição republicana da Alemanha, não contra ela. Ele não contava com violência, e não era uma ameaça ao estado.

Obviamente, contudo, o governo e o exército temiam um projeto que abriu a política da Alemanha para a esquerda e tentou – não sem risco – politicamente integrar o KPD. O Reichswehr fundamentalmente rejeitava qualquer tipo de política que limitava sua influência e denunciava suas maquinações ilegais na política doméstica.

O governo nacional e o chanceler Stresemann, por sua vez, viram suas políticas de direita e conservadoras ameaçadas pela participação dos comunistas no governo. Stresemann não estava apenas sujeito a pressão dos industriais – como um advogado de longo tempo para o VSI, ele estava inteiramente do seu lado. Stresemann, ainda um imperialista e profundamente capitalista no coração, consistentemente rejeitava uma abertura da república na direção das ideias da esquerda. Melhor deixar a reacionária Bavária ter à sua maneira do que dar a progressista Saxônia uma chance era o lema do governo nacional.

A invasão do exército alemão em 21 de outubro e a demissão ilegal do ministro-presidente Zeigner frustrou a chance de implementar um contra projeto político para a crescente corrente de extrema direita na Alemanha, dentro da estrutura da constituição e apoiada por uma (embora estreita) maioria no parlamento da Saxônia. As principais figuras do projeto republicano de esquerda pagariam caro por isso. A vingança dos nazistas mais tarde os atingiu com força total. Quase todos eles terminaram em campos de concentração, ou tiveram que imigrar, já em 1933.

Longe de salvar a democracia, a intervenção do exército pavimentou o caminho para o nazismo. Ela destruiu a tentativa de quebrar as estruturas sociais entrincheiradas, fazer a república mais social, limitar o poder dos empresários, e integrar a ala esquerda do movimento dos trabalhadores no estado. A chance de criar um baluarte contra o nazismo foi derrotada.


por Karl Heinrich Poh e Loren Balhorn | Texto em português do Brasil, com tradução de Luciana Cristina Ruy

  • Karl Heinrich Pohl, Professor de história e suas didáticas na Christian-Albrechts Universität zu Kiel
  • Loren Balhorn, Editora colaboradora do Jacobin e coeditora, junto com Bhaskar Sunkara do Jacobin: Die Anthologie (Suhrkamp, 2018)

Fonte: Jacobin

Exclusivo Editorial Rádio Peão Brasil / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -