Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Há 45 anos Syd Barrett lançava o seu segundo álbum

O “génio louco” dos Pink Floyd editou dois álbuns a solo

A carreira de Roger Keith “Syd” Barrett foi curta (ao todo não durou mais de dez anos), mas é considerada relevante na História do Rock. Principalmente porque foi um dos fundadores dos Pink Floyd, guitarrista, cantor e principal compositor da banda nos seus primeiros tempos. Mas em 1968, os outros membros do Pink Floyd despediram Syd Barrett e para o seu lugar entrou o amigo David Gilmour.

Syd Barrett, que dividia a sua paixão pela música com a pintura, tinha entrado num galopante consumo de LSD e os outros “Floyd” acharam que ele não tinha mais condições mentais para cumprir a preenchida e ambiciosa agenda da banda. O crescente sucesso dos Pink Floyd, que já deixara as húmidas caves da cena underground londrina para chegar ao grande público, devia muito a Syd Barrett. São seus os primeiros temas dos singles e do primeiro álbum do grupo, que levaram os Pink Floyd para o caminho do sucesso.BARRETT LP

Abalado pelo despedimento da banda, o “génio louco” de Syd ainda conseguiu editar dois álbuns de originais a solo: “The Madcap Laughs” e “Barrett”, ambos em 1970. O seu segundo disco, colocado à venda precisamente há 45 anos, seria mesmo produzido por David Gilmour, que o substituíra nos Pink Floyd. Depois, o músico recolheu-se totalmente em casa da sua mãe, em Cambridge, e nunca mais voltou à cena musical. Uma longa reclusão, que terminaria apenas com a sua morte (devido a problemas com diabetes) a 7 de Julho de 2006.

Com 12 faixas (6 em cada face), “Barrett” não chegou ao sucesso comercial, o que terá desiludido o autor, contribuindo fortemente para sua auto-reclusão. A gravação do disco, nos famosos estúdios de Abbey Road, encontrou um Syd Barrett já em adiantado estado de perturbação mental, mas ainda capaz de escrever sentidas letras intimistas, acompanhadas pelo seu inspirado e peculiar som de guitarra distorcida. Mais tarde, o álbum “Barrett” seria reeditado com faixas extras (oriundas das sessões de gravação), mas aí já Syd estava bem fechado dentro do seu mundo introvertido, completamente de fora da cena musical e das luzes da ribalta.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -