Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Glenn Greenwald diz que VazaJato está apenas começando

Estamos mais perto do começo do que do fim das revelações sobre corrupção no Brasil, disse Glenn Greenwald em entrevista ao France 24, um canal de televisão de informação internacional que emite em francês, em inglês, em árabe e em castelhano.

Leia a entrevista:

Você é vítima de ameaças de morte nas redes sociais. Você ainda se sente seguro no Brasil?

Eu não me sinto completamente seguro. Desde o início, o ministro da Justiça, Sergio Moro, que é o principal assunto de nossa investigação, deliberadamente usou a linguagem para criminalizar o trabalho que fazemos, chamando-nos de “aliados hackers”. Ele nunca nos chamou de jornalistas. Então, o presidente Bolsonaro alegou, por três dias consecutivos, que eu estava preso. Desde então, houve várias ameaças de morte e todo tipo de mentira sobre minha família e parentes. Temos um importante dispositivo de segurança e estamos cercados por muitos advogados. Saí do Brasil há duas semanas para visitar minha família nos Estados Unidos. Eu poderia ter ficado lá e continuado trabalhando lá, mas não o fiz.

Você sofreu retaliação depois de revelar os programas de vigilância da NSA. Você esperava essa reação após os vazamentos de “Lava Jato”?

Sim. Sergio Moro, cuja corrupção revelamos, é a pessoa mais popular do Brasil. Sabíamos que isso deixaria muitas pessoas com raiva. E além disso, ele é uma figura extremamente importante para o governo Bolsonaro. Ele era uma promessa de confiança para a classe média. Sabíamos, é claro, que esse tipo de reportagem provocaria raiva, especialmente no poder. Além disso, o vazamento público de grandes conversas governamentais, como aconteceu nos Estados Unidos com Edward Snowden e WikiLeaks, não é muito comum no Brasil.

Você pode me falar sobre o processo de análise dos documentos que você obteve?

A primeira pergunta que você faz é: Esses documentos têm interesse pelo público ? Desde o início, ficou claro para nós que eles estavam expondo crimes graves cometidos pelas pessoas mais poderosas do país, mesmo as mais poderosas. A segunda pergunta : o material é autêntico ?Demorou muito tempo. Enfrentei o mesmo desafio quando recuperei os registros e documentos de Edward Snowden. Descobrimos vazamentos de mensagens entre os promotores e nossos repórteres, e poderíamos compará-los com os dos telefones de nossos jornalistas. Eles eram idênticos, palavra por palavra. Em seguida, consultamos fontes familiarizadas com a operação “Lava Jato” e que possuem muitas informações confidenciais. Entrevistamos especialistas que disseram que as discussões mais técnicas e jurídicas sobre a operação “Lava Jato” só poderiam vir de pessoas com um nível muito alto de conhecimento sobre o assunto. Estabelecidos esses dois pontos, o interesse do público e a autenticidade.

Mais de dois meses após o início das revelações, o que resta por vir?

Não falarei sobre conteúdo que ainda não publicamos porque não é responsável . Ele deve primeiro passar por uma análise editorial. O que posso dizer é que estamos mais perto do começo do que do fim das revelações. Atualmente, estamos trabalhando em muitos tópicos, tanto por conta própria quanto em parceria com outras mídias. Considero esses tópicos extremamente importantes e explosivos.

O que você acha da reação da opinião pública?

Excedeu as nossas expectativas. Desde a primeira semana, as revelações chocaram tanto a opinião de que duas das mais importantes mídias conservadoras, a revista Veja e o jornal Estadão, são muito severas, chamando Sergio Moro a renunciar. A revista se tornou nosso parceiro jornalístico. Então, de acordo com uma pesquisa divulgada no primeiro mês, o índice de popularidade de Sergio Moro caiu. A opinião pública estava mudando, não apenas sobre ele, mas sobre toda a investigação “Lava Jato”.

Você é acusado pelas autoridades de ser um ativista …

Eu sempre pensei que os jornalistas não deveriam fingir ser o que não são. Eles têm opiniões sobre debates políticos como qualquer outro ser humano. Jornalistas são subjetivos. Nós não somos máquinas. Eu acho que é prejudicial para o jornalismo fingir que não temos opinião, quando o público sabe que está errado. Sou jornalista, advogado e cidadão, e acho chocante que um juiz trabalhe em segredo com os promotores, considero uma grave corrupção da justiça (…) compartilhamos os documentos com vários meios de comunicação, justamente para remover qualquer suspeita .

Ao divulgar conversas privadas, você tenta influenciar a agenda do governo?

Realmente não há outra maneira de processar essas informações. A única opção seria publicar tudo sem análise. Isto é o que o WikiLeaks fez repetidamente, o que é irresponsável. Seria, no entanto, antiético guardar tudo. Para mim, quando você tiver informações prontas, publique-as. Além disso, se você revelar tudo ao mesmo tempo, é impossível alguém assimilar toda essa quantidade de informações. Usamos o mesmo método jornalístico usado na investigação da NSA, trabalhando com a mídia em todo o mundo.

O Congresso aprovou um projeto de lei sobre abuso de autoridade. Depois de se encontrar com Sergio Moro, Jair Bolsonaro disse que pretendia vetar. Este texto tem como objetivo combater o tipo de abuso revelado por “Lava Jato”?

Este projeto de lei está pendente há algum tempo . Pessoas de todas as persuasões políticas consideram que juízes e promotores abusaram de sua autoridade durante esta investigação. Que todos sejam responsabilizados por suas ações, juízes, bem como promotores ou policiais. Este é o objetivo desta lei: punir exatamente o tipo de abuso de autoridade que Sergio Moro cometeu.


Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -