Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

Preso político saharaui atinge 28 dias de greve de fome

Isabel Lourenço
Observadora Internacional e colaboradora de porunsaharalibre.org

O preso político saharaui Mohamed Lamin Haddi, do grupo Gdeim Izik, actualmente detido em Tiflet2, iniciou uma greve de fome a 13 de Janeiro[1], recebe ameaças de morte e a casa de sua família foi atacada.

O Sr. Haddi, que completou hoje 28 dias de greve de fome, foi visitado ontem à tarde por uma enfermeira da prisão.

A enfermeira começou a ameaçar o Sr. Haddi dizendo que se ele não parasse a greve de fome seria enviado para a cela de isolamento / punição “Kacho”, embora o Sr. Haddi esteja em confinamento solitário prolongado desde 2017. O “Kacho” é temido por todos os reclusos nas prisões marroquinas, por se tratar de um espaço minúsculo sem ventilação que se assemelha a uma caixa ou a um caixão.

Mohamed Lamin Haddi

A ameaça transformou-se em ameaça de morte quando a Enfermeira acrescentou que, se o Sr. Haddi não parar com a greve de fome, a administração penitenciária não permitirá que ele tenha água e vai retirar as garrafas de água que tem na  sua cela.

Além disso, a enfermeira disse que a prisão não tinha conhecimento da greve de fome e que o Sr. Haddi deveria solicitar uma “reunião” com a administração penitenciária de Tiflet2 para informá-los e, consequentemente, solicitar uma consulta médica.

O Sr. Haddi recusou pedir uma reunião e não vai parar a greve de fome.

A sua advogada francesa, Maître Olfa Ouled tinha enviado queixa[2] ao procurador do Rei no passado dia 16 de Novembro, com cópias para a DGARP (Delegação Geral Marroquina das Penitenciárias e da Reinserção), o CNDH (Conselho Nacional de Direitos Humanos de Marrocos) e ao Ministério da Justiça de Marrocos.

No dia 19 de janeiro, o Sr. Haddi foi visitado por um representante da DGAPR[3] a quem Haddi comunicou que se recusava a interromper a greve de fome até que estivesse noutra prisão e mais perto de sua família.

É evidente que a administração de Tiflet2 está bem informada sobre a greve de fome.

Esta nova ameaça e a declaração de que a administração penitenciária não está informada da Greve da Fome, por meio de uma Enfermeira que tinha como única tarefa transmitir esta informação, visto que não mediu a pressão, nem verificou o peso do senhor Haddi nem realizou nenhum procedimento médico normal em caso de greve de fome, é mais do que suficiente evidência dos extremos maus-tratos e negligência médica a que está submetido o Sr. Haddi e da total ausência de medidas para assegurar a sua sobrevivência. Uma flagrante violação por parte das autoridades marroquinas das suas próprias leis e das convenções internacionais que ratificou.

Esta tarde (9 de fevereiro de 2021) a casa da família do Sr. Haddi, na cidade ocupada de El Aaiun, foi cercada por policias marroquinos que impediram qualquer visita à família e tentaram entrar à força na casa.

A família do Sr. Haddi tem denunciado em todas as redes sociais a situação do preso político, especialmente a sua mãe, que fez vários vídeos pedindo aos Mecanismos de Direitos Humanos das Nações Unidas, ao Comité Internacional da Cruz Vermelha e às ONGs internacionais para intervir no caso do seu filho, mas também dos outros presos políticos do Grupo Gdeim Izik.

[1] Mohamed Lamin Haddi preso politico Saharaui em Greve de Fome aberta

[2] Mohamed LAMIN HADDI, continua em greve de fome, enfrentando o Covid 19

[3] Presos políticos de Gdeim Izik em Tiflet2 visitados por autoridades marroquinas



Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -