Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Imunidade global é dificultada pela falta de vacina em países pobres

Países ricos com menos de 15% da população mundial comprou metade de todas as vacinas do mundo. Assim, 99% das pessoas nos países pobres não são imunizadas.

por Maria de Jesus, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Na corrida entre a infecção e a injeção, a injeção perdeu.

Especialistas em saúde pública estimam que aproximadamente 70% dos 7,9 bilhões de pessoas no mundo devem ser totalmente vacinados para acabar com a pandemia de covid-19. Em 21 de junho de 2021, 10,04% da população global havia sido totalmente vacinada, quase todos em países ricos.

Apenas 0,9% das pessoas em países de baixa renda receberam pelo menos uma dose.

Sou um estudioso da saúde global, especializado em iniquidades no atendimento à saúde. Usando um conjunto de dados sobre a distribuição de vacinas compilado pelo Velocímetro de Lançamento e Escala do Global Health Innovation Center da Duke University nos Estados Unidos, analisei o que significa para o mundo a lacuna no acesso a vacinas globais.

Uma crise global de saúde

O abastecimento não é o principal motivo pelo qual alguns países são capazes de vacinar suas populações, enquanto outros experimentam surtos graves de doenças – a distribuição é.

Muitos países ricos adotaram uma estratégia de comprar antecipadamente em excesso as doses da vacina COVID-19. Minhas análises demonstram que os EUA, por exemplo, adquiriram 1,2 bilhões de doses da vacina COVID-19, ou 3,7 doses por pessoa. O Canadá encomendou 381 milhões de doses; todo canadense poderia ser vacinado cinco vezes com as duas doses necessárias.

No geral, os países que representam apenas um sétimo da população mundial reservaram mais da metade de todas as vacinas disponíveis até junho de 2021. Isso tornou muito difícil para os países restantes adquirirem as doses, seja diretamente ou por meio da COVAX , a iniciativa global criada para possibilitar aos países de baixa e média renda o acesso equitativo às vacinas COVID-19.

Muitas nações, incluindo os Estados Unidos, Austrália e Japão, adquiriram doses suficientes para vacinar mais pessoas do que realmente vivem lá. Outras nações só podem vacinar menos de um quarto de suas populações. Os países marcados em cinza não têm dados de dose de vacina específicos de cada país disponíveis. Algumas nações podem ter mais acesso a doses do que esses dados refletem, por meio de acordos multinacionais que não podem ser atribuídos diretamente a países específicos

O Benin, por exemplo, obteve cerca de 203.000 doses da vacina Sinovac da China – o suficiente para vacinar totalmente 1% de sua população. Honduras, contando principalmente com a AstraZeneca, adquiriu aproximadamente 1,4 milhão de doses. Isso vacinará totalmente 7% de sua população. Nestes “desertos de vacinas”, mesmo os profissionais de saúde da linha de frente ainda não foram vacinados.

O Haiti recebeu cerca de 461.500 doses da vacina COVID-19 por meio de doações e enfrenta um sério surto.

Mesmo a meta do COVAX – que os países de baixa renda “recebam doses suficientes para vacinar até 20% de sua população” – não teria a transmissão da COVID-19 sob controle nesses locais.

O custo de não cooperar

No ano passado, pesquisadores da Northeastern University modelaram duas estratégias de implantação de vacinas. Suas simulações numéricas descobriram que 61% das mortes em todo o mundo teriam sido evitadas se os países cooperassem para implementar um plano de distribuição global equitativo de vacinas, em comparação com apenas 33% se os países de alta renda recebessem as vacinas primeiro.

Resumindo, quando os países cooperam, as mortes por COVID-19 caem aproximadamente pela metade.

O acesso às vacinas também é desigual dentro dos países – especialmente em países onde já existe uma grande desigualdade.

Na América Latina, por exemplo, um número desproporcional da pequena minoria de pessoas que foram vacinadas são elites: líderes políticos, magnatas do mundo dos negócios e aqueles com meios para viajar ao exterior para se vacinar. Isso fortalece as desigualdades sociais e de saúde mais amplas.

O resultado, por enquanto, são duas sociedades separadas e desiguais nas quais apenas os ricos são protegidos de uma doença devastadora que continua devastando aqueles que não têm acesso à vacina.

Uma repetição dos passos em falso da AIDS?

Esta é uma história familiar da era do HIV.

Na década de 1990, o desenvolvimento de medicamentos antirretrovirais eficazes para HIV / AIDS salvou milhões de vidas em países de alta renda . No entanto, cerca de 90% dos pobres globais que viviam com HIV não tinham acesso a esses medicamentos que salvam vidas.

Preocupadas com a redução de seus mercados em países de alta renda, as empresas farmacêuticas produtoras de anti-retrovirais, como a Burroughs Wellcome, adotaram preços internacionalmente consistentes. A azidotimidina, o primeiro medicamento para combater o HIV, custa cerca de US $ 8.000 por ano – mais de US $ 19.000 em dólares de hoje.

Isso efetivamente colocou medicamentos eficazes para HIV / AIDS fora do alcance de pessoas em nações pobres – incluindo países da África Subsaariana, o epicentro da epidemia. No ano 2000, 22 milhões de pessoas na África Subsaariana viviam com HIV , e a AIDS era a principal causa de morte na região.

A crise sobre o acesso desigual ao tratamento da AIDS começou a dominar as manchetes dos noticiários internacionais, e a obrigação do mundo rico de responder tornou-se grande demais para ser ignorada.

“A história certamente nos julgará duramente se não respondermos com toda a energia e recursos que podemos empregar na luta contra o HIV / AIDS”, disse o presidente sul-africano Nelson Mandela em 2004.

As empresas farmacêuticas começaram a doar antirretrovirais para países necessitados e permitir que empresas locais fabricassem versões genéricas, fornecendo acesso em massa e de baixo custo para países pobres altamente afetados. Novas instituições globais, como o Fundo Global de Combate à AIDS, Tuberculose e Malária, foram criadas para financiar programas de saúde em países pobres.

Pressionados pelo ativismo popular, os Estados Unidos e outros países de alta renda também gastaram bilhões de dólares para pesquisar, desenvolver e distribuir tratamentos de HIV acessíveis em todo o mundo.

Uma dose de cooperação global

Demorou mais de uma década após o desenvolvimento dos antirretrovirais e milhões de mortes desnecessárias para que os países ricos tornassem esses medicamentos que salvam vidas universalmente disponíveis.

Quinze meses após o início da atual pandemia, os países ricos e altamente vacinados estão começando a assumir alguma responsabilidade por aumentar as taxas globais de vacinação.

Líderes dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, União Europeia e Japão recentemente se comprometeram a doar um total de 1 bilhão de doses da vacina COVID-19 para os países mais pobres.

Ainda não está claro como seu plano de “vacinar o mundo” até o final de 2022 será implementado e se os países destinatários receberão doses suficientes para vacinar completamente um número suficiente de pessoas para controlar a disseminação viral. E a meta do final de 2022 não salvará as pessoas no mundo em desenvolvimento que estão morrendo de COVID-19 em números recordes agora, do Brasil à Índia.

A epidemia de HIV / AIDS mostra que o fim da pandemia de coronavírus exigirá, primeiro, priorizar o acesso às vacinas COVID-19 na agenda política global. Então, as nações ricas precisarão trabalhar com outros países para construir sua infraestrutura de fabricação de vacinas, aumentando a produção em todo o mundo.

Finalmente, os países mais pobres precisam de mais dinheiro para financiar seus sistemas de saúde pública e comprar vacinas. Países e grupos ricos como o G-7 podem fornecer esse financiamento.

Essas ações também beneficiam os países ricos. Enquanto o mundo tiver populações não vacinadas, a COVID-19 continuará a se espalhar e sofrer mutações. Variantes adicionais surgirão.

Como afirma uma declaração da UNICEF de maio de 2021: “Em nosso mundo interdependente, ninguém está seguro até que todos estejam seguros.”


por Maria de Jesus, Professora associada e pesquisadora do Centro de Saúde, Risco e Sociedade, American University School of International Service |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -