Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Incêndio do Museu Nacional – Há brasileiros que aplaudem

O velho estigma antilusitano, que continua em boa parte a ser alimentado na escola, na historiografia, na literatura, no cinema e nos media do Brasil, deixa naturalmente marcas profundas.
Veja-se, por exemplo, esta reacção ao incêndio que consumiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro, retirada do FaceBook

Robson Lucas de Oliveira 13 h ·

Justiça histórica sendo feita pelas mãos do acaso. Acaba de ser consumida em chamas a antiga Casa Grande da família que por anos dominou, massacrou, e explorou o povo brasileiro, além de ser notoriamente conivente com a escravização dos negros africanos. EDIT, aos que não me compreendem: Tudo o que apague do cenário brasileiro a lembrança daquele período nefasto (assim como de outros) é um alívio para mim e certamente para todos cujo sofrimento atual é uma herança daquela época.

EDIT, aos que não me compreendem: Tudo o que apague do cenário brasileiro a lembrança daquele período nefasto (assim como de outros) é um alívio para mim e certamente para todos cujo sofrimento atual é uma herança daquela época.

4,9 mil comentários 2,5 mil partilhas

Muita gente reagiu, colocando seu Robson no seu lugar, mas muitos outros também parece que gostaram porque partilharam o comentário descabido e equivocado. E isso, juntamente com aquilo que conheço bem por anos de vivência no Brasil leva-me a concluir que não estamos perante um caso isolado.

Apesar da manifesta melhoria das relações comerciais, apesar da TAP, da Embraer e dos contactos, um oceano de percepções continua a separar Portugal do Brasil. Que os brasileiros tenham cultivado o antilusitanismo, no século XIX, para construírem a sua própria identidade (que não existia antes da independência), compreende-se; que o continuem a fazer até hoje, quase 200 anos depois, já se percebe menos.

Mas a responsabilidade não é só deles – é portuguesa, também. Há pelo menos 15 anos que se assiste aqui a um apagão mediático português no Brasil – a Lusa fechou portas, a RTP foi retirada pela Globo da principal rede de distribuição por cabo e a SIC, que está lá, não tem programação especificamente dirigida ao Brasil.

Assim sendo, nenhum grande media português verdadeiramente dialoga com a população brasileira. Há muito que Portugal virou costas ao maior mercado de língua portuguesa do mundo. Sim, há mais livros, há autores portugueses publicados, etc. Mas nada disso atinge o essencial – o preconceito anti-português que está na própria raiz da nacionalidade brasileira.

Para isso ser superado ou mitigado teria que haver da nossa parte uma atenção muito maior e uma muito maior presença mediática portuguesa no Brasil, que simplesmente não existe.

Até lá, continuará a haver quem se regozije pela queima acidental do passado português do país; e a avaliar pela profundidade do ressentimento, nem sequer se pode excluir que alguém, nalgum lugar, lhe ponha fogo.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -