Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 16, 2021

Jani Silva ameaçada de morte por proteger a Amazónia

Mesmo sendo várias vezes ameaçada de morte por denunciar o impacto ambiental de empresas multinacionais em áreas protegidas da Amazónia, Jani Silva, corajosa defensora de direitos humanos não desiste do seu trabalho.

Jani Silva nasceu na Amazónia colombiana e dedicou toda a sua vida à defesa das árvores, das terras, da água e de todo um ecossistema fundamental para as vidas de todos nós. Cresceu rodeada pela natureza e pelos rios da Amazónia e é a esse território que chama de “casa”. Conhece-o, respeita-o e sabe que é possível coexistir em harmonia.

As suas ações em defesa do ambiente remontam aos seus 16 anos, idade em que começou a apoiar os campesinos da região de Putumayo, uma área no sul da Colômbia com uma biodiversidade verdadeiramente única e maravilhosa.

Mas o seu trabalho pacífico colocou-a em disputa contra grandes empresas petrolíferas.

Atualmente, as ameaças contra Jani vêm de grupos ilegais, de militares, de traficantes de droga e de empresas multinacionais. A pandemia de Covid-19 piorou ainda mais a situação, uma vez que a proteção se tornou mais limitada devido ao confinamento. Mas, Jani mantém-se irredutível e recusa-se até a alterar a sua rotina: acorda todos os dias às 5h30 e trabalha com centenas de campesinos da sua comunidade em projetos ligados à reflorestação e ao empoderamento de jovens.

Porque precisamos de si?

Jani é uma verdadeira inspiração: é uma ativista ambiental de 57 anos, natural da Colômbia, que aos 16 se apaixonou pelas florestas, pelos rios da Amazónia e pela forma como a sua comunidade vive e trabalha esse território, em perfeita harmonia com a natureza. Em 2008, fundou a Associação para o Desenvolvimento Integral e Sustentável da Pérola Amazónica (ADISPA) e, através dela, tem protegido o ambiente e os direitos daqueles que vivem numa reserva campesina, em Putumayo. Mas toda esta forma de vida se encontra ameaçada.

Em 2006, a empresa petrolífera Ecopetrol ganhou uma licença para operar em áreas ambientais protegidas e, em 2009, essa licença foi transferida para uma outra empresa, a Amerisur. Desde então, houve pelo menos dois derramamentos de petróleo nas nascentes de água de que as comunidades dependem.

Por denunciar as operações destas empresas, Jani e a sua família têm recebido  ameaças de morte de grupos ilegais, de militares, de traficantes de droga e de empresas multinacionais.

Mas esta ativista mantém-se irredutível e recusa-se a cruzar os braços. Agora, chegou o momento de saber que não está sozinha. Com a sua ação, pressionaremos as autoridades na Colômbia para que protejam Jani Silva e os membros da sua comunidade, para que possam continuar a defender os recursos naturais de que todos dependemos.

 

O que queremos?

Queremos proteção para Jani Silva e todos os membros da ADISPA.

 

Qual é a sua missão?

  1. Assinar a petição dirigida ao presidente da Colômbia, Iván Duque.
  2. Partilhar com familiares e amigos.
  3. Partilhar a petição nas redes sociais.

 

Guia da acção

  1. Assinar a petição: Ameaçada de morte por proteger a Amazónia
  2. Partilhar com familiares e amigos:
    Fale deste caso com os seus familiares e amigos. Em casa, utilizando SMS ou outra forma de contacto, inicie uma conversa sobre este caso, as suas implicações e convide as pessoas a assinarem a petição.
  3.  Partilhar nas redes sociais:
    Partilhe o link da petição nas suas redes sociais (Instagram, Facebook, Twitter ou outra) para que mais pessoas assinem. Se preferir, pode partilhar os posts que encontrará nas redes sociais da Amnistia Internacional Portugal (@amnistiapt).

Pode sempre escrever a sua própria mensagem ou utilizar alguma das que sugerimos de seguida:

  • #JaniSilva defende a Amazónia e a vida de todos nós. Mas, por denunciar ataques ao meio ambiente, esta ativista foi ameaçada de morte por vários grupos. O que talvez eles não saibam, é que ela não está sozinha. Juntem o vosso nome à petição da @amnistiapt:
    Ameaçada de morte por proteger a Amazónia
  • São várias as ameaças de morte que #JaniSilva já enfrentou. Mas esta corajosa defensora de direitos humanos continua irredutível na defesa da Amazónia e do direito à terra. Chegou o momento de a apoiarmos. Assinem a petição da @amnistiapt:
    Ameaçada de morte por proteger a Amazónia
  • #JaniSilva não será silenciada! Assinem o apelo da @amnistiapt para que as autoridades colombianas protejam uma das vozes mais firmes e incansáveis na defesa da Amazónia e do direito à terra: Ameaçada de morte por proteger a Amazónia

 

Para saber mais

Para saber mais sobre a Amnistia Internacional, Jani Silva e o trabalho dos defensores de direitos humanos na Colômbia:


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -