Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Dezembro 9, 2022

Jerusalém: relato de testemunha ocular de uma cidade dividida

Um relato sobre o andamento dos protestos pacíficos de palestinos em Jerusalém, enquanto judeus cercam e segregam o uso das áreas públicas para as famílias no que chamam de “disputa imobiliária”.

por Adel Ruished, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Não muito depois que o cessar-fogo entre Israel e o Hamas entrou em vigor na sexta-feira, 21 de maio, membros da Força de Defesa de Israel (IDF) entraram na mesquita de al-Aqsa em Jerusalém Oriental, supostamente usando gás lacrimogêneo e granadas de choque para dispersar os muçulmanos que oravam lá.

No fim de semana, o pessoal das IDF escoltou visitantes judeus ao Monte do Templo, que ocupa o mesmo local que al-Aqsa e tem um significado religioso especial como o local do templo bíblico. O waqf, ou autoridade islâmica que controla o local, disse que as FDI retiraram jovens palestinos do local e proibiu a entrada de muçulmanos com menos de 45 anos. Foi relatado que um pequeno número de manifestantes muçulmanos foi detido. Os detalhes permanecem obscuros.

Os incidentes foram relatados como tentativas de provocação. Ao longo dos anos, a mesquita de al-Aqsa foi um foco de violência entre israelenses e palestinos e foi o local da eclosão da segunda revolta da Intifada em 2000. Isso ocorreu depois que Ariel Sharon – o então primeiro-ministro de Israel – visitou o local com uma escolta da força de defesa fortemente armada, não muito depois do fracasso das negociações de paz em Camp David com o então líder palestino Yasser Arafat. O levante de cinco anos custou cerca de 3.000 vidas palestinas.

Como um pesquisador PhD em ciência política, estive em Jerusalém Oriental entrevistando pessoas e tentando entender vários métodos de controle usados ​​pelo governo israelense para regular a população palestina na cidade. Tenho observado as ações de jovens ativistas palestinos e fiquei impressionado com as maneiras como muitos evitaram se voltar para a violência, em vez disso, usaram formas pacíficas de protesto para mostrar sua opinião aos meios de comunicação mundiais.

Isso se manifestou nos primeiros dias do Ramadã (13 de abril a 12 de maio), quando a polícia de fronteira israelense instalou barricadas de metal na Praça do Portão de Damasco. Esses portões restringiam o movimento das pessoas e impossibilitavam os vendedores ambulantes locais de realizar seus negócios. Também evitou que os palestinos se sentassem nos degraus da própria praça, que é um ponto de encontro tradicional após as orações noturnas durante o Ramadã.

Assim, jovens ativistas palestinos se reuniram em multidões dentro e ao redor da praça. Enquanto eu observava, jovens ativistas enfrentaram a polícia israelense posicionada nas barricadas, cantando canções e realizando exercícios de ginástica. Olhando em frente, a polícia israelense parecia despreparada. Nem seu kit nem suas regras de combate os equiparam para lidar com essa forma de protesto pacífico.

Então, eles usaram gás lacrimogêneo e granadas de atordoamento para limpar as áreas. Eles também borrifaram os manifestantes com água suja sintetizada quimicamente, que deixa um cheiro desagradável nas roupas das pessoas que é difícil de remover. Eles usaram a polícia montada para perseguir, intimidar e dispersar os jovens manifestantes. Eu assisti isso acontecer da varanda de um restaurante próximo, cujo dono é um amigo meu. Outro amigo, que estava entre os manifestantes, foi borrifado com a água suja.

Palestinos dirigem-se à mesquita de al-Aqsa para as orações de Eid-al-Fitr em 13 de maio de 2021 (EPA-EFE / Atef Safadi)

Os manifestantes continuaram se reagrupando e retornando. Por duas semanas eles continuaram com essas manifestações. Em 26 de abril, as autoridades israelenses cederam à pressão e removeram as barreiras, permitindo que os palestinos retornassem às suas reuniões tradicionais nos poucos dias restantes do mês sagrado.

Desafiante despejo coercitivo

Enquanto isso, 17 de maio, a data atribuída pelo Tribunal Distrital de Israel para que os colonos despejassem e substituíssem várias famílias palestinas de suas casas no bairro vizinho de Sheikh Jarrah, estava se aproximando. As autoridades israelenses descreveram erroneamente isso como uma “disputa imobiliária”.

Mas é amplamente visto entre os palestinos como um ato deliberado de “limpeza étnica” para mudar a demografia desse bairro árabe tradicionalmente muçulmano. Segundo as informações, os colonos intimidaram e atacaram as famílias e os manifestantes, muitas vezes com o apoio das forças de segurança israelenses.

Os colonos supostamente recorreram a meios legais e extra-legais violentos, como por exemplo espalhar gás de pimenta nos manifestantes que se preparavam para o iftar, a refeição matinal do Ramadã. Mais uma vez, os ativistas palestinos que se reuniram para oferecer apoio às famílias programadas para o despejo evitaram a violência, dançando o dabke e cantando canções patrióticas.

Esses ativistas também usaram bem as redes sociais, postando regularmente detalhes e informações no Twitter – veja a hashtag #SaveSheikhJarrah – bem como no Facebook e TikTok para expor a agressão dos colonos e explicar as questões legais por trás das tentativas de despejo.

Como resultado da atenção global voltada para as tentativas de despejo e o nível de apoio às famílias palestinas ameaçadas, o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, ordenou que o processo de despejo na Suprema Corte fosse congelado em 9 de maio.

Evitando a violência

Da mesma forma, as autoridades israelenses perceberam que encaminhar a “marcha da bandeira” através do bairro muçulmano de Jerusalém, através do Portão de Damasco, em um cenário de tal tensão, trazia o risco de mais violência e condenação do mundo que assistia. Assim, a marcha foi redirecionada para passar pelo Portão de Jaffa em vez do Portão de Damasco, mantendo os manifestantes mais perto de Jerusalém Ocidental, quase na fronteira de 1967.

Parece que essas manifestações pacíficas foram pelo menos parte do motivo pelo qual uma explosão de violência foi evitada em Jerusalém naquela época. Gosto de pensar nisso como a “fonte de Jerusalém”.

Mas a política nacional israelense de repente mostrou sua cara feia. Netanyahu estava percebendo que após as eleições de 23 de março, ele seria incapaz de formar um governo. O presidente de Israel, Reuven Rivlin, pediu ao político da oposição Yair Lapid para formar uma coalizão com o ministro da Defesa, Naftali Bennett, o que significaria a perda de poder de Netanyahu.

Neste contexto, a polícia israelense fez uma batida na mesquita de al-Aqsa. Tem havido relatos de violência retaliatória por parte de muçulmanos na mesquita, incluindo o lançamento de bombas de gasolina por jovens ativistas. Mas eu estava lá naquele dia e não vi nada.

Enquanto isso, os combatentes do Hamas começaram a lançar mísseis contra Israel a partir de Gaza, provocando retaliação massiva de Israel. Por 11 dias, a atenção do mundo esteve no minúsculo enclave palestino, onde 2 milhões de pessoas estavam sob bombardeio quase constante de ataques aéreos israelenses.

Mas em 18 de maio, os palestinos em Jerusalém Oriental fizeram uma greve de um dia. Novamente, isso foi pacífico. Protestos criativos durante a greve incluíram a organização de competições de xadrez nas ruas, fora das casas de famílias ameaçadas de despejo.

Após a pressão global, o Hamas e Israel concordaram com um cessar-fogo em 21 de maio. Como sabemos agora, em poucas horas as forças de segurança israelenses entraram em al-Aqsa e usaram a força para dispersar as pessoas em oração. A provocação continua, mas só podemos esperar que as manifestações pacíficas prevaleçam e evitem outro surto de conflito violento nesta cidade dividida.


por Adel Ruished, Pesquisador doutor em Política na Universidade Lancaster (RU) |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -