Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Dezembro 6, 2022

Mauá – O Imperador e o Rei marca contexto que antecede a proclamação da República no Brasil

Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Carolina Maria Ruy, em São Paulo
Pesquisadora, coordenadora do Centro de Memória Sindical e jornalista do site Radio Peão Brasil. Escreveu o livro "O mundo do trabalho no cinema", editou o livro de fotos "Arte de Rua" e, em 2017, a revista sobre os 100 anos da Greve Geral de 1917

Empreendedor e visionário, o Barão de Mauá nasceu Irineu Evangelista, em Arroio Grande, Rio Grande do Sul, em 28 de dezembro de 1813. Ao longo da vida foi empresário, industrial, banqueiro, político e recebeu os títulos nobiliárquicos de barão (1854) e de visconde com grandeza (1874) de Mauá. Embora gaúcho de nascença, é no Rio de Janeiro que sua história começa. O ano de sua chegada coincide com o da independência do Brasil (1822), no contexto da vinda da família real portuguesa para o Brasil. Escravidão, absolutismo, colônia, velhos barões e seus privilégios anacrônicos caracterizavam uma ordem dominante, que já não prosperava e que não fazia mais sentido para o mundo, a despeito da resistência de quem dela se beneficiava.

Entre os casarões erguidos sob terra batida do cenário fluminense Irineu contemplou a movimentação na capital do Brasil já pressentindo que profundas mudanças abalariam aquela realidade. Ao lado de outros objetos, negros eram expostos à venda e comprados por senhores e barões. A escravidão chocou o garoto, impressionado com tamanha violência.

Aquele era um contexto fértil para o crescimento do jovem Irineu. Com perfil moderno, afinado com a ideologia liberalista da Inglaterra, logo nos primeiros anos de trabalho revelou-se bom negociador e atraiu a atenção de grandes empreendedores. Irineu não viu dificuldades em ascender profissionalmente.

De desafio em desafio a vida social e profissional de Irineu andou de vento em popa. Sua astúcia era espantosa: em vez do reluzente ouro da nobreza, sonhava com a potencialidade do ferro e do carvão em criar indústrias e em alimentar uma rede de transportes que fizesse circular seus produtos.

O sucesso do empresário sinalizava novos tempos e ameaçava o Império, encarnado, no filme, na oposição implacável de Visconde de Feitosa.

Neste embate entre o velho e o novo, entre o atraso e o desenvolvimento, Irineu Evangelista, ou o Barão de Mauá, conseguiu feitos que marcaram nossa história. Entre outras coisas ele fundou a Companhia de Iluminação a Gás do Rio de Janeiro, organizou o segundo Banco do Brasil, inaugurou a primeira linha de bondes, investiu, em sociedade com capitalistas ingleses e cafeicultores paulistas, nas estradas de ferro de Pernambuco (Recife & São Francisco Railway Co.) e da Bahia (Bahia & São Francisco Co.), e criou a São Paulo Railway (depois Estrada de Ferro Santos-Jundiaí), a quinta ferrovia do País, em 16 de fevereiro de 1867, arcando com todos os custos. Entusiasta do liberalismo econômico e conhecido por defender o fim da escravidão, preconizou a valorização da mão-de-obra, do investimento em tecnologia, das transnacionais brasileiras, da internacionalização do comércio e das relações com outros países da América do Sul. O Barão de Mauá foi um progressista em uma época em que o capitalismo representava um avanço em relação à arcaica economia escravista.

Idealista, sempre que não conseguia recursos, por meio de subscrições ou do apoio financeiro do governo, lançava mão das reservas de sua base de operações: o Banco Mauá & Cia. Alvo de enorme resistência, sofreu com várias intrigas dos conservadores. Suas instalações foram alvo de sabotagens criminosas e os seus negócios foram abalados pela legislação, que reduziu as taxas de importação sobre as importações de máquinas, ferramentas e ferragens (tarifa Silva Ferraz, 1860). Com a falência do Banco Mauá, em 1875, pediu moratória por três anos, sendo obrigado a vender a maioria de suas empresas a capitalistas estrangeiros e ainda os seus bens pessoais para liquidar as dívidas.

Como uma reflexão acerca de seu destino Irineu, falido, proclama que lutou para que tudo se movesse: os homens, as ideias, a economia. Reconhece sua perda, mas pondera que, ainda assim, a despeito da vontade do rei, o Brasil se moveu, seguindo a ordem natural das coisas.

A história nos mostra que o Barão de Mauá conseguiu retomar as rédeas de sua vida e de seus negócios. Contudo, falece em 21 de outubro de 1889, não assistindo, por uma questão de semanas, aquilo que consagraria seus ideais: o fim do Império e a Proclamação da República, em 15 de novembro daquele ano.

Mauá – O Imperador e o Rei

Brasil, 1999

Direção: Sérgio Rezende

Elenco: Paulo Betti, Malu Mader, Othon Bastos, Michael Byrne, Antônio Pitanga


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -