Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Memória – 25 de Abril de 1974 em Moscovo

Não tinha 25 anos feitos quando cheguei a Moscovo, vindo de Bruxelas, em finais de novembro de 1973, na convicção de que o regime português estava ainda para durar por muito tempo.

Depois da chamada “primavera marcelista”, a onda repressiva acentuara-se de novo e o estado de ânimo entre a oposição, naquela altura, era de grande desalento.

Um desalento que o inverno russo e a difícil adaptação às condições locais só fizeram acentuar. Eis se não quando, passados pouco meses, para surpresa de todos, chegou o 25 de Abril!

As notícias eram escassas e as comunicações difíceis. Era ainda o tempo em que se tinha de pedir às telefonistas uma ligação internacional e depois ficar à espera, durante horas, sabendo que tudo iria ser escutado e gravado.

No entusiasmo em que fiquei, o que me valeu foi um velho rádio militar russo que existia, meio esquecido e sem uso, na redação África em língua portuguesa da Rádio Moscovo. O sinal era péssimo – só conseguia entender alguma coisa com o ouvido literalmente colado ao aparelho; mas dava ainda assim para acompanhar as peripécias dos acontecimentos através da velha Emissora Nacional.

Passava lá os dias, seguindo a par e passo, como podia, o que se passava em Portugal.

A junta militar que tomou o poder e sobretudo o discurso recuado e ambíguo de Spínola em relação à guerra nas colónias não inspiravam grande confiança; mas logo se percebeu que havia outra dinâmica em curso e que estávamos “apenas no início” – na vox populi captada nas ruas no calor dos acontecimentos por esse grande repórter que é Adelino Gomes. Quis de imediato deixar tudo, fazer as malas, e voltar para Portugal, de onde tinha saído clandestinamente em 1971.

Mas o passaporte não estava comigo e não me foi cedido de imediato, pelo que (na ausência, ainda, de embaixada de Portugal em Moscovo), fiquei bloqueado durante meses, sem poder vir partilhar a alegria da libertação para qual, ainda que modestamente, também tinha dado a minha contribuição através da luta do movimento estudantil, na Faculdade de Direito de Lisboa e da ligação com o movimento operário, na região de Vila Franca, onde residiam os meus pais.

Esse período forçado na Rússia mudou todo o meu estado de alma e mudaria também a minha vida para sempre. Quando finalmente pôde regressar, em novembro de 1974, já vinha desiludido e com a morte na alma. Mas essa é outra estória que não cabe aqui.

Aqui cabe apenas assinalar como vivi – graças à existência de um velho rádio e ainda que a milhares de kms de distância, em consonância com o meu país – um dos meus dias mais felizes de sempre – o 25 de Abril de 1974.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -