Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

Mitos sobre o tráfico sexual

Nesta sexta (30), o mundo luta contra o tráfico de pessoas. Ao contrário do que parece em filmes de ação e fake news comuns, o tráfico de pessoas é provocado por pessoas conhecidas e da própria família.

por Corinne Schwarz, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A ideia de que o tráfico sexual é um problema social urgente está presente nas histórias da mídia americana, desde relatos do suposto tráfico de meninas adolescentes do deputado republicano Matt Gaetz até as teorias conspiratórias da QAnon sobre uma rede de escravidão sexual veiculada pelo varejista online Wayfair.

A percepção comum do tráfico sexual envolve uma mulher jovem e passiva capturada por um traficante agressivo. A mulher está escondida e esperando ser resgatada pelas autoridades. Ela provavelmente é branca porque, como escreve o jurista Jayashri Srikantiah, a “vítima icônica” do tráfico geralmente é retratada dessa forma.

Este é essencialmente o enredo dos filmes “Taken”, nos quais adolescentes americanos são sequestrados no exterior e vendidos como escravos sexuais. Essas preocupações alimentam postagens virais e vídeos do TikTok sobre tráfico alegado, mas não comprovado, em estacionamentos, shoppings e pizzarias da IKEA.

Não é assim que o tráfico sexual geralmente ocorre.

Desde 2013, tenho pesquisado o tráfico humano no meio-oeste dos Estados Unidos. Em entrevistas com autoridades policiais, prestadores de serviços médicos, gerentes de casos, defensores de vítimas e advogados de imigração, descobri que mesmo esses funcionários da linha de frente definem e aplicam inconsistentemente o rótulo de “vítima de tráfico” – especialmente quando se trata de tráfico sexual. Isso torna mais difícil para esses profissionais conseguirem as pessoas traficadas a ajuda que solicitam.

Então, aqui estão os fatos e a lei.

Manifestantes se reúnem em 1º de maio de 2021, em frente à Ohio Statehouse, em Columbus, Ohio, para protestar contra a pedofilia e o tráfico sexual

O que é tráfico sexual?

Lei de Proteção às Vítimas de Tráfico e Violência de 2000 fornece a definição legal oficial para o tráfico sexual e de trabalho.

Torna “o tráfico no qual um ato sexual comercial é induzido por força, fraude ou coerção, ou no qual a pessoa induzida a realizar tal ato não tenha completado 18 anos de idade” um crime federal.

Em suma, para se qualificar legalmente como tráfico sexual, um ato sexual envolvendo um adulto deve incluir “força, fraude e coerção”. Pode parecer que alguém – um membro da família, um parceiro romântico ou um facilitador de mercado coloquialmente descrito como um “cafetão” ou “senhora” – abusando fisicamente ou ameaçando outro adulto com sexo por dinheiro ou recursos.

Com menores, toda e qualquer troca sexual – ou seja, trocar sexo por algo de valor como dinheiro ou comida – é considerada tráfico sexual.

Quão comum é o tráfico sexual?

Os dados sobre o tráfico de pessoas são notoriamente confusos e difíceis de medir. Os sobreviventes podem hesitar em revelar sua exploração por medo de deportação, se não forem documentados, ou prisão. Isso leva à subnotificação.

Uma maneira de estimar quantas pessoas estão sendo traficadas é consultar os relatórios de subsídios federais, conforme sugerido pela organização sem fins lucrativos anti-tráfico Freedom Network USA.

Por exemplo, o Escritório Federal para Vítimas de Crime atendeu 9.854 clientes no total – alguns dos quais identificados como traficados, outros que mostraram “fortes indicadores de vitimização pelo tráfico” – entre julho de 2019 e junho de 2020. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos Escritório sobre Tráfico em Pessoas atendidas 2.398 sobreviventes do tráfico durante o ano fiscal de 2019.

Dados do mesmo escritório também mostram que 25.597 “vítimas potenciais” de tráfico sexual e de trabalho foram identificadas por meio de ligações para a Linha Direta Nacional de Tráfico de Pessoas.

Novamente, esses dados estão incompletos – se os sobreviventes não acessaram esses recursos específicos ou ligaram para essas linhas diretas específicas, eles não estão representados aqui.

Como é o tráfico sexual?

Tal como acontece com outros  crimes sexuais, como estupro, sobreviventes de tráfico sexual muitas vezes são vítimas de violência nas mãos de alguém que conhecem, não de um estranho.

Filmes como ‘Taken’ – e suas muitas sequências – apresentam um cenário improvável de tráfico sexual em que um adolescente americano no exterior é sequestrado e vendido como escravo sexual. EuropaCorp

Um estudo da Covenant House New York, uma organização sem fins lucrativos focada em jovens sem-teto, descobriu que 36% dos 22 sobreviventes do tráfico em sua pesquisa foram traficados por um parente próximo, como um pai. Apenas quatro relataram “ter sido sequestrado e mantido contra sua vontade”.

Freqüentemente, as vítimas de tráfico são transexuais mais jovens ou adolescentes em situação de rua que trocam sexo com outras pessoas para atender às suas necessidades básicas: abrigo, estabilidade econômica, alimentação e assistência médica. O tráfico frequentemente se parece com pessoas vulneráveis ​​lutando para sobreviver em um mundo violento e explorador.

“Eles estão criando soluções sexuais para problemas não sexuais”, disse a pesquisadora Alexandra Lutnick.

Segundo a lei, esses jovens são vítimas de tráfico, devido à sua idade. Mas eles podem rejeitar o rótulopreferindo termos como “trabalho sexual de sobrevivência” ou “prostituição” para descrever suas experiências.

Vítimas de tráfico que praticam sexo de sobrevivência podem muito bem ser presas em vez de receber ajuda, como moradia ou assistência médica. Se não puderem provar “força, fraude ou coerção” ou se recusarem a cumprir uma investigação criminal, correm o risco de passar de vítima a criminoso aos olhos da aplicação da lei. Isso pode significar acusações de prostituição, delitos criminais ou deportação.

Essas punições são mais comumente usadas contra negros, indígenas, queer, trans e sobreviventes de tráfico sexual sem documentos . Jovens negros são detidos desproporcionalmente por crimes de prostituição, por exemplo, embora legalmente qualquer sexo comercial de menores seja tráfico sexual.

Qual é a diferença entre trabalho sexual e tráfico sexual?

Legalmente e de outras maneiras significativas, o trabalho sexual e o tráfico sexual são diferentes.

O trabalho sexual é consentir que adultos se envolvam em sexo transacional. Em quase todos os estados dos EUA, é um crime, punível com multas e até sentenças de prisão.

O tráfico sexual não é consensual e geralmente é tratado como um crime mais grave.

A maioria dos grupos de profissionais do sexo reconhece que o trabalho sexual não é inerentemente tráfico sexual, mas que as profissionais do sexo podem enfrentar força, fraude e coerção porque trabalham em uma profissão criminalizada e estigmatizada. Profissionais do sexo cujas experiências atendem aos padrões legais de tráfico podem, no entanto, temer revelar isso à polícia e correr o risco de serem presas por prostituição.

Por outro lado, as trabalhadoras do sexo podem ser erroneamente rotuladas pela polícia e seus defensores como “traficadas” e ficarem sob a custódia de agências de aplicação da lei ou de serviço social.

Profissionais do sexo marcham contra a discriminação, a criminalização de seu trabalho e a violência sexual em Queens, Nova York, 18 de setembro de 2020

O que pode ser feito?

Com base em minha pesquisa, reduzir o tráfico sexual requer mudanças que podem impedir que ele ocorra. Isso significa reconstruir uma rede de segurança social mais forte e solidária para proteger contra a pobreza e a insegurança habitacional.

Nesse ínterim, as vítimas do tráfico se beneficiariam dos esforços dos trabalhadores da linha de frente para combater o racismo, sexismo e transfobia que estigmatiza e criminaliza vítimas que não têm a aparência que as pessoas esperam – e estão lutando para sobreviver.


por Corinne Schwarz, Professora assistente de estudos de gênero, mulher e sexualidade, Oklahoma State University  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -