Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Mundo reage ao assassinato de Soleimani pelos EUA

Numa escalada de violência de alta intensidade, Washington aumenta sua presença militar na região e recebe críticas de todos os lados.

Os Estados Unidos anunciaram ontem que vão enviar mais três mil militares para o Oriente Médio após o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani. De acordo com fontes do Departamento de Defesa, citados pela Associated Press sob condição de anonimato, os efetivos pertencem à 82.ª Divisão de Paraquedistas de Fort Bragg, no Estado da Carolina do Norte.

Aqueles efetivos somam-se aos cerca de 700 soldados da 82.ª Divisão que foram enviados para o Kwait no início desta semana após a invasão do complexo da embaixada dos Estados Unidos em Bagdá.

O reforço da presença militar norte-americana começou a tomar forma após o presidente dos EUA, Donald Trump, ter feito os primeiros comentários sobre a ataque ao declarar que ordenou a morte de Soleimani porque este “planejava matar muitos americanos”.

Qassem Soleimani morreu ontem num ataque aéreo contra o carro em que seguia em Bagdá que o Pentágono declarou ter sido ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos. No mesmo ataque morreu também o “número dois” da coligação de grupos pró-iranianos no Iraque, Abu Mehdi al-Muhandis, conhecida como Mobilização Popular, além de outras seis pessoas.

O ataque já suscitou várias reações, tendo quatro dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas – Rússia, França, Reino Unido e China – alertado para o inevitável aumento das tensões na região e pedem às partes envolvidas que reduzam a tensão.

Tempos muito difíceis

No Irã, o sentimento é de resposta à agressão. O presidente e os Guardas da Revolução garantem que o país e “outras nações livres da região” vão agir. Também o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, prometeu vingar a morte do general e declarou três dias de luto nacional, enquanto o chefe da diplomacia considerou o assassinato “um ato de terrorismo internacional”.

Do lado iraquiano, o primeiro-ministro iraquiano demissionário, Adel Abdel Mahdi, advertiu que este assassínio vai “desencadear uma guerra devastadora no Iraque” e o grande aiatolá Ali al-Sistani, figura principal da política iraquiana, considerou a agressão “um ataque injustificado” e “uma violação flagrante à soberania iraquiana”.

A ação também violou as condições da presença militar dos Estados Unidos no Iraque, que deve respeitar a legislação que garanta a segurança e a soberania do Iraque, acrescentou. “O ataque violento ao aeroporto internacional de Bagdá na noite passada é uma violação insolente da soberania iraquiana e de acordos internacionais. Isso levou à morte de vários comandantes que derrotaram terroristas do Daesh (Estado islâmico)”, afirmou.

“Esses e outros eventos indicam que o país está caminhando para tempos muito difíceis. Exortamos todas as partes interessadas a se comportarem com autocontrole e a agir com sabedoria ”, prosseguiu. O presidente do parlamento do Iraque, Mohammed al-Halbousi, reforçou que o ataque “é uma flagrante violação da soberania e violação de acordos internacionais”.

Síria, Rússia, França e China

O presidente sírio, Bashar al-Assad, disse que recebeu a notícia “com grande tristeza”. Ele afirmou que “o mártir Soleimani morreu enquanto servia seu país e o eixo de resistência”. “O povo sírio não esquecerá o apoio de Soleimani ao nosso lado, defendendo a Síria do terror”, destacou.

A Rússia disse que o assassinato dos Estados Unidos foi um “passo aventureiro”, que aumentará ainda mais a tensão no Oriente Médio. “Após o ataque dos Estados Unidos no Iraque e o assassinato de Soleimani, o mundo enfrenta uma nova realidade”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia. “Soleimani serviu à causa da proteção dos interesses nacionais do Irão com devoção. Expressamos nossas sinceras condolências ao povo iraniano”, disse o ministério.

A França também reagiu ao assassinato, dizendo que seu assassinato tornou o mundo “mais perigoso”. A ministra da Europa na França, Amelie de Montchalin, disse que “acordamos para um mundo mais perigoso”. “Nessas operações, quando podemos ver uma algo em andamento, o que queremos acima de tudo é estabilidade “, acrescentou.

Segundo ela, o presidente Emmanuel Macron enfatizou que “todos os esforços da França, m todas as partes do mundo visam a garantir que estamos criando as condições para a paz ou pelo menos a estabilidade”.

A China também pediu que “os lados envolvidos, especialmente os Estados Unidos, mantenham a calma e exercitem restrições para evitar tensões crescentes”. “A China sempre se opôs ao uso da força nas relações internacionais”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang.

Inglaterra, Líbano e Turquia

O líder do Partido Trabalhista da oposição, Jeremy Corbyn, pediu à Grã-Bretanha que “resistisse às ações beligerantes e à retórica vinda dos Estados Unidos”. O ministro do Exterior britânico, Dominic Raab, pediu a todas as partes que reduzam a escalada de violência. “Após a morte de Soleimani, pedimos a todas as partes que reduzam a escala. Mais conflitos não são do nosso interesse”, disse ele.

O Ministério das Relações Exteriores do Líbano também se manifestou, pedindo que o país e toda a região sejam poupados de quaisquer repercussões. O Ministério das Relações Exteriores libanês também condenou o assassinato, chamando de violação da soberania iraquiana e uma escalada perigosa contra o Irão.

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia disse que o ataque aumentará a insegurança e a instabilidade na região. O Ministério das Relações Exteriores do país afirmou que estava profundamente preocupado com as crescentes tensões, e que transformar o Iraque em uma área de conflito prejudicará a paz e a estabilidade na região.


Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -