Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

No meu hospital, mais de 95% dos pacientes com covid não se vacinaram

Os pacientes são mais jovens, têm menos condições médicas preexistentes e não são vacinados, mesmo com a farta oferta nos EUA.

por Nicholas Johnson, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Como médico de emergência e médico intensivo na Escola de Medicina da Universidade de Washington em Seattle, perdi a conta do número de surtos de covid-19 desde que a pandemia nos Estados Unidos começou em Seattle em fevereiro de 2020. Mas este parece diferente. Os pacientes são mais jovens. Eles têm menos condições médicas preexistentes. E no meu hospital, mais de 95% desses pacientes hospitalizados compartilham uma característica em comum: eles não são vacinados.

Embora eu esteja grato por ver as notícias da recente aprovação total pelo FDA de uma das vacinas de mRNA da covid-19, a ciência está clara em minha mente há algum tempo. As vacinas de mRNA, desenvolvidas pela primeira vez ao longo de quase 50 anos, são nada menos que um milagre da ciência projetado para situações como uma pandemia de vírus respiratório. As vacinas são a ferramenta mais eficaz de que dispomos para prevenir doenças graves e hospitalização e proteger nossos preciosos recursos de saúde. Alguns de meus colegas acabaram de publicar um estudo mostrando exatamente isso.

Claro, todo tratamento médico tem riscos e efeitos colaterais potenciais, mas testemunhamos o maior ensaio de vacina do mundo, com mais de 200 milhões de pessoas nos Estados Unidos recebendo pelo menos uma dose. Os médicos podem dizer com segurança que os efeitos colaterais das vacinas são raros e geralmente leves, e os rumores sobre as vacinas que alteram o DNA ou causam infertilidade são completamente infundados, sem base científica.

Mas também tenho simpatia por aqueles que foram vítimas da desinformação. Muitas vezes fui questionado por um membro da família de um paciente moribundo com covid-19 se era tarde demais para a vacina. Muitas vezes, eu tive que dizer sim. A próxima pergunta costuma ser: “Há mais alguma coisa que pode ser feita?” Muitas vezes, a resposta é não.

Ter essa conversa repetidamente, geralmente por meio de software de teleconferência ou telefone, é exaustivo e profundamente triste, especialmente sabendo que, no caso de pacientes não vacinados, isso provavelmente poderia ter sido evitado.

Percebo que nem todo mundo vê o que eu vejo todos os dias. Embora abundem as histórias sobre as reações à vacina, poucos ouvem sobre a realidade da infecção grave por covid-19. No entanto, quando fecho os olhos à noite, vejo o homem saudável de 27 anos que morreu após quatro semanas ligado a máquinas que tentavam mantê-lo vivo, e a jovem família que ele deixou para trás. Vejo a mulher de 41 anos agora fraca e permanentemente incapacitada após uma longa internação no hospital. Vejo o agricultor de 53 anos que agora precisa de diálise após desenvolver insuficiência renal, uma complicação comum de covid-19 grave. E incontáveis ​​mais.

Costumo ouvir alegações de “sobrevivência de 99%” da covid-19 com ou sem a vacina, mas na realidade, os fatos são muito mais surpreendentes. Quase 1 em 500 americanos morreu desta doença e, para aqueles que sobrevivem, a devastação é como nada que eu já vi. Buracos nos pulmões, perda de músculos, órgãos falhando um a um – milhões de pessoas sofrerão consequências físicas, psicológicas e financeiras que durarão meses ou anos, um número difícil de quantificar.

Cirurgiões e outros profissionais de saúde usam máscaras em hospitais há anos para manter a si mesmos e seus pacientes seguros durante os procedimentos

O impacto em nosso sistema de saúde também é difícil de quantificar. O número de funcionários, ainda mais do que camas ou ventiladores, é criticamente baixo. No estado de Washington, Texas e em todo o país, profissionais de saúde experientes estão deixando a profissão em massa, exasperados pelo ataque contínuo de pacientes covid-19 doentes e um ambiente de trabalho exigente. Pessoas – enfermeiras, terapeutas respiratórios, médicos, fisioterapeutas, trabalhadores de saneamento – fazem o trabalho em hospitais; uma cama de hospital não vale nada sem uma equipe para cuidar dela.

Devido à falta de pessoal, hospitais estão  fechando e as iniquidades e fragilidades em um sistema de saúde já sobrecarregado estão sendo expostas. Reverenciados como “heróis da saúde” há apenas um ano, os médicos estão sendo questionados e até agredidos depois de falarem sobre ciência nas reuniões do conselho escolar.

Estou frustrado porque mais americanos não optaram por se vacinar, usar máscaras, levar esta pandemia a sério. Muitas vezes me pergunto como seria o ano de 2021 se tivessem. Por exemplo, usamos máscaras no hospital durante anos para procedimentos e para nos proteger de outros vírus respiratórios. Sabemos que o vírus SARS-CoV-2 pode se espalhar por aerossóis que ficam suspensos no ar e que algumas máscaras não conseguem bloquear totalmente essas gotículas. Mas também sabemos que a covid-19 e a maioria dos outros vírus respiratórios também se espalham pela tosse e espirro por meio de gotículas respiratórias maiores, que a maioria das máscaras bloqueia. As máscaras não são perfeitas, mas há fortes evidências de que reduzem a transmissão.

Com muitos hospitais lotados, tem havido perguntas na mídia e em outros lugares sobre se os hospitais ou profissionais de saúde devem priorizar o atendimento dos vacinados, ou mesmo se recusar a cuidar de indivíduos não vacinados que desenvolvem covid-19 grave, mas não é assim que pense. Na medicina, especialmente na medicina de emergência e de cuidados intensivos, muitas vezes cuidamos de pessoas que fazem escolhas erradas sobre sua saúde. Nós aconselhamos, fornecemos informações, esperamos e continuamos, fornecendo exatamente o mesmo cuidado, independentemente de escolhas ou crenças.

Embora esticados e imperfeitos, fazemos o nosso melhor por todos que precisam de nós. Mas muitos lugares chegaram a um ponto em que a demanda por cuidados de saúde ultrapassou a capacidade de fornecê-los. E precisamos de ajuda.


por Nicholas Johnson, Professor Associado de Medicina de Emergência, UW School of Medicine, University of Washington  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -