Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Nova lei republicana na Geórgia (EUA) segrega eleitores negros

Após derrota histórica no estado conservador, legislação dificulta o voto negro. Deputada foi presa durante protesto, religiosos pedem boicote a empresas do estado e processos contra a nova lei se multiplicam.

Os críticos da nova lei eleitoral da Geórgia apoiada pelos republicanos emitiram novos apelos na segunda-feira para boicotar algumas das maiores empresas do estado por não se manifestarem com mais força contra a lei, um dia depois que organizações entraram com um processo em tribunal federal contestando-a.

Em uma carta a mais de 90.000 paroquianos, o bispo Reginald Jackson, que preside mais de 400 igrejas episcopais metodistas na Geórgia, disse que a lei é “racista e busca nos fazer voltar aos dias de Jim Crow ”.

 

A via crucis para ir votar

A mudança na lei eleitoral da Geórgia foi feita depois que os democratas venceram a disputa presidencial e dois segundos turnos no Senado dos Estados Unidos no antes confiável estado republicano. A vitória democrata foi considerada histórica pela rejeição a Donald Trump num estado tradicionalmente conservador.

A nova lei eleitoral foi assinada na quinta-feira pelo governador republicano Brian Kemp, poucas horas depois de aprovar a legislatura estadual. É parte de uma maré de projetos de lei eleitorais patrocinados pelo Partido Republicano e apresentados em vários estados do país depois que o ex-presidente Donald Trump fez falsas alegações sobre fraude eleitoral.

A lei da Geórgia acrescenta um item de identificação com foto para o voto pelo correio, reduz a quantidade de tempo que as pessoas têm para solicitar uma cédula de ausência e limita onde as caixas suspensas podem ser colocadas e quando podem ser acessadas. Também proíbe as pessoas de distribuir comida ou água aos eleitores que aguardam na fila e permite que o Conselho Eleitoral do Estado, controlado pelos republicanos, remova e substitua os funcionários eleitorais do condado.

 

Boicote de consumo

Jackson está convocando líderes corporativos de empresas como Coca-Cola e Delta Air Lines para se oporem. A ideia é boicotar os produtos caso não pressionem contra a lei. As empresas foram vagas na resposta.

Em uma carta separada, os filhos de alguns dos mais notáveis ​​líderes dos direitos civis americanos disseram que “muitos de nossos legisladores não conseguiram se posicionar e as corporações não foram longe o suficiente para garantir que todos os cidadãos votantes tivessem acesso justo e equitativo ao o mais básico dos direitos americanos.” A carta foi escrita por Bernice A. King, filha do Rev. Martin Luther King Jr.; Al Vivian, filho do Rev. CT Vivian; e John-Miles Lewis, filho do deputado americano John Lewis.

 

Justiça e constitucionalidade

Duas ações movidas no domingo por organizações negras da Geórgia, contra o secretário de Estado Brad Raffensperger e outros membros do Conselho Eleitoral do Estado, questionam a constitucionalidade da Lei de Direitos de Voto e que impeça que funcionários estaduais a apliquem.

A reclamação argumenta que os “funcionários republicanos recorreram à tentativa de suprimir o voto dos eleitores negros e de outros eleitores de cor para manter a tênue posição que o Partido Republicano tem na Geórgia”.

 

Fraudes sem comprovação

Os republicanos na Geórgia argumentam que a lei é necessária para restaurar a confiança dos eleitores.

“A Lei de Integridade Eleitoral da Geórgia, que sancionei, amplia a votação antecipada e garante nosso sistema de votação por correio para proteger a integridade de nossas eleições”, disse o governador Kemp em um tweet recente. “O estado de Peach está liderando a nação ao tornar mais fácil votar e difícil trapacear”.

Em uma entrevista na segunda-feira, Raffensperger disse que era contra alguns aspectos da lei. Ele defendeu a identificação por foto, mas não apóia disposições que o destituam da presidência do Conselho Eleitoral Estadual e o substituam por um nomeado do legislativo estadual.

Também na segunda-feira, uma legisladora democrata que foi presa após protestar contra a lei na quinta-feira voltou ao Capitólio do estado. A deputada Park Cannon, de Atlanta, foi presa e acusada de dois crimes depois que ela bateu na porta do escritório de Kemp enquanto ele estava ao vivo na televisão falando sobre o projeto de lei que ele acabara de assinar.

Depois que Cannon caminhou com Martin Luther King III em uma marcha ao redor do Capitólio, os apoiadores com os punhos erguidos formaram um corredor para Cannon entrar na Câmara.


por Cezar Xavier  |  Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -